Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

STF: Receita pode acessar dados bancários sem autorização judicial

Sexta, 19/2/2016 7:06.

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) (6 a 1) votou ontem (18) pela manutenção da validade da Lei Complementar nº 105/2001, que permite à Receita Federal acessar informações bancárias de contribuintes sem autorização judicial. O julgamento foi interrompido e será retomado na semana que vem, com os votos dos quatro ministros que ainda não votaram, mas o resultado final não pode mais ser alterado.

Até o momento, votaram a favor de continuidade do acesso os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber e Dias Toffoli. Somente o ministro Marco Aurélio votou pela inconstitucionalidade da norma, por entender que o compartilhamento dos dados entre o Fisco e as instituições bancárias trata-se de quebra de sigilo fiscal. “No Brasil pressupõe-se que todos sejam salafrários, até que se prove o contrário. A quebra de sigilo não pode ser manipulada de forma arbitrária pelo poder público”, disse.

A Receita Federal defende o acesso aos dados fiscais para combater a sonegação fiscal. De acordo com o órgão, o acesso a informações bancárias junto do Banco Central e às instituições financeiras não é feito de forma discriminada e ocorre somente nos casos estabelecidos pela lei. Segundo nota técnica divulgada pela Receita, os dados financeiros do contribuinte são acessados após abertura de procedimento fiscal e com conhecimento dele.

A Corte julgou um recurso de um contribuinte que defendeu a necessidade da autorização judicial prévia para que a Receita possa acessar os dados bancários.

Fonte: Agência Brasil

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade


Saúde

 Cidade é área de atenção e apenas 2.500 tomaram a vacina até agora. Doença pode matar.


Saúde

Lei já obriga SAMU e Bombeiros conduzirem pacientes a hospitais particulares.


Educação

Sistema que fechou dezembro com 276 crianças hoje está com mil.


Publicidade


Geral

O Infiltrado - Um Repórter Dentro da Polícia que Mais Mata e Mais Morre no Brasil


Policia

"A organização criminosa se apoderou do Ministério do Trabalho, ocupando os principais cargos da pasta"


Policia


Cidade

Aulas em Camboriú e no Nova Esperança estão suspensas


Publicidade


Economia


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Conselho Comunitário de Segurança Náutica e Cidadania de Balneário Camboriú


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

STF: Receita pode acessar dados bancários sem autorização judicial

Sexta, 19/2/2016 7:06.

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) (6 a 1) votou ontem (18) pela manutenção da validade da Lei Complementar nº 105/2001, que permite à Receita Federal acessar informações bancárias de contribuintes sem autorização judicial. O julgamento foi interrompido e será retomado na semana que vem, com os votos dos quatro ministros que ainda não votaram, mas o resultado final não pode mais ser alterado.

Até o momento, votaram a favor de continuidade do acesso os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber e Dias Toffoli. Somente o ministro Marco Aurélio votou pela inconstitucionalidade da norma, por entender que o compartilhamento dos dados entre o Fisco e as instituições bancárias trata-se de quebra de sigilo fiscal. “No Brasil pressupõe-se que todos sejam salafrários, até que se prove o contrário. A quebra de sigilo não pode ser manipulada de forma arbitrária pelo poder público”, disse.

A Receita Federal defende o acesso aos dados fiscais para combater a sonegação fiscal. De acordo com o órgão, o acesso a informações bancárias junto do Banco Central e às instituições financeiras não é feito de forma discriminada e ocorre somente nos casos estabelecidos pela lei. Segundo nota técnica divulgada pela Receita, os dados financeiros do contribuinte são acessados após abertura de procedimento fiscal e com conhecimento dele.

A Corte julgou um recurso de um contribuinte que defendeu a necessidade da autorização judicial prévia para que a Receita possa acessar os dados bancários.

Fonte: Agência Brasil

Publicidade

Publicidade