Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Brasileiros cegos vão aos EUA buscar seus cães-guia; adaptação no Brasil é o desafio
EBC.
Cão-guia em Brasilia.

Sexta, 9/12/2016 7:21.

JAIRO MARQUES - SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na semana em que se celebra mundialmente a pessoa com deficiência, quatro cegos de São Paulo festejam dois meses de mais autonomia de ir e vir, mais liberdade para tocarem o dia a dia e mais segurança ao andar pelas ruas da cidade graças às patas dos cães-guia Wayne, Valen, Indy e Rudy.

O quarteto canino migrou de uma conceituada escola de treinamento de Michigan, a Leader Dogs, para serem fiéis companheiros e trabalhar pelo bem estar do casal Genival Santos, 37, e Kátia Antunes, 33, tutores de Wayne e Valen; de Marcelo Panico, que comanda Rudy, e de Liana Conrado, 62, tutora de Indy.

Além de servir ao dia a dia, os peludos têm outra nobre missão: a de aposentar os antigos guias, todos já idosos, dos quatro cegos. Deixam de trabalhar Leila, San, Harley e Sirius, todos com mais de dez anos de idade e oito de serviços prestados à inclusão.

Não existem estatísticas oficiais de cães-guia em atividade no Brasil. A estimativa feita pelas organizações mais envolvidas com o tema no país é de 150 a 200 animais trabalhadores, quase nada diante das aproximadamente 600 mil pessoas com cegueira total, segundo o Censo de 2010 do IBGE.

A maior parte dos peludos vem "importada" de escolas dos Estados Unidos, da Austrália e de países europeus, o que implica um custo logístico para trazer o animal de cerca de R$ 35 mil.

De acordo com Thays Martinez, presidente do Instituto Íris, uma das instituições mais atuantes do Brasil no apoio às pessoas com deficiência visual, "não se paga pelo cão, mas é preciso recursos para mandar os usuários ao exterior para fazerem o treinamento e para a manutenção dos bichos".

Despedida

Por pouco mais de um ano, famílias socializadoras deram a esses quatro cães carinho, modos, passeios e experiências cotidianas diversas -como usar transportes públicos e ir a restaurantes. Elas são voluntárias e só podem ficar com os cachorros caso eles sejam reprovados como trabalhadores.

Wayne, que é irmão de Valen e de Rudy, foi "educado" na casa de um bombeiro que já recebeu em seu lar outros sete candidatos a guia.
Ele e sua família puderam abraçar e brincar com o bicho por uma última vez antes do embarque para o Brasil.

"São pessoas muito conscientes de que estão fazendo um papel social importante. Nos Estados Unidos, é muito raro que as famílias não sigam à risca as regras de criação dos cães ou que criem conflito para ficarem com o cachorro", afirma Genival, que é advogado.

Os brasileiros ficaram em Michigan (EUA) por 21 dias se habituando aos novos parceiros. O tempo normal é de 30 dias, mas o desconto foi devido ao grupo já possuir experiência com os bichos.

Um dos momentos mais importantes da estadia é o primeiro encontro dos cães-guia com seus futuros tutores. O evento acontece em um ambiente controlado em que a atenção do animal estará totalmente voltada ao companheiro que irá guiar.

"Um elo que será para a vida toda começa a se formar. A comparação que fazemos é com uma mãe que esperou seu bebê por nove meses. Quando acontece o encontro, são diversas sensações envolvidas. Fazemos de tudo para ser algo marcante", diz o treinador Moisés Vieira Jr., 52, um dos mais experientes em atuação no Brasil.

Pelas ruas

A viagem para a nova casa é meticulosamente preparada para o conforto dos cães e dos tutores. Os bichos aprendem a se posicionarem embaixo de poltronas do avião e passam por uma dieta restrita para suportarem o voo de dez horas sem sobressaltos.

"Um dia antes do embarque fazemos uma rotina de oferecer espaço de alívio para eles a cada duas horas. O Valen se comportou maravilhosamente bem", afirma Kátia, que é analista de dados.

O grande desafio do quarteto humano começou quando teve início o desbravamento das ruas de São Paulo, que possuem estímulos e desarranjos bem diferentes do que os cães estavam acostumados na América do Norte.

"Como há muitos sacos de lixo nas ruas e calçadas, o Indy às vezes se distraí. Isso sem falar nas pessoas que o abordam na hora em que está me guiando, o que tira a concentração dele. Tenho que ser rígida para ele não perder a atenção do trabalho", afirma Liana, que é cantora lírica.

Brasil

As iniciativas nacionais de treinamento de cães-guia ainda são tímidas e enfrentam problemas de financiamento e apoio técnico. Na cidade de Balneário Camboriú (SC), a escola Helen Keller é uma promessa. Até 2021, pretende entregar 30 cães por ano a deficientes visuais. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cidade

No Estaleiro e no Estaleirinho as bandeiras seguem hasteadas até a Páscoa


Política

Guru do bolsonarismo afirmou isso no sábado em evento nos Estados Unidos


Cidade

Ele estaria em licença de saúde, mas no filme não parece doente


Publicidade


Geral

Captura além da cota em 2018 é o argumento do governo para impedir a safra de 2019.  


Esportes

Um dos campeões é de Balneário Camboriú


Geral


Cidade

Não iniciou e diretor da segunda colocada na liciitação é acusado na Lava Jato


Publicidade


Justiça

A prisão após a condenação em segunda instância, será avaliada em abril pelo STF.


Política


Geral

Leitores lançam suspeitas sobre procedimento da Caixa


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Brasileiros cegos vão aos EUA buscar seus cães-guia; adaptação no Brasil é o desafio

EBC.
Cão-guia em Brasilia.
Cão-guia em Brasilia.
Sexta, 9/12/2016 7:21.

JAIRO MARQUES - SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na semana em que se celebra mundialmente a pessoa com deficiência, quatro cegos de São Paulo festejam dois meses de mais autonomia de ir e vir, mais liberdade para tocarem o dia a dia e mais segurança ao andar pelas ruas da cidade graças às patas dos cães-guia Wayne, Valen, Indy e Rudy.

O quarteto canino migrou de uma conceituada escola de treinamento de Michigan, a Leader Dogs, para serem fiéis companheiros e trabalhar pelo bem estar do casal Genival Santos, 37, e Kátia Antunes, 33, tutores de Wayne e Valen; de Marcelo Panico, que comanda Rudy, e de Liana Conrado, 62, tutora de Indy.

Além de servir ao dia a dia, os peludos têm outra nobre missão: a de aposentar os antigos guias, todos já idosos, dos quatro cegos. Deixam de trabalhar Leila, San, Harley e Sirius, todos com mais de dez anos de idade e oito de serviços prestados à inclusão.

Não existem estatísticas oficiais de cães-guia em atividade no Brasil. A estimativa feita pelas organizações mais envolvidas com o tema no país é de 150 a 200 animais trabalhadores, quase nada diante das aproximadamente 600 mil pessoas com cegueira total, segundo o Censo de 2010 do IBGE.

A maior parte dos peludos vem "importada" de escolas dos Estados Unidos, da Austrália e de países europeus, o que implica um custo logístico para trazer o animal de cerca de R$ 35 mil.

De acordo com Thays Martinez, presidente do Instituto Íris, uma das instituições mais atuantes do Brasil no apoio às pessoas com deficiência visual, "não se paga pelo cão, mas é preciso recursos para mandar os usuários ao exterior para fazerem o treinamento e para a manutenção dos bichos".

Despedida

Por pouco mais de um ano, famílias socializadoras deram a esses quatro cães carinho, modos, passeios e experiências cotidianas diversas -como usar transportes públicos e ir a restaurantes. Elas são voluntárias e só podem ficar com os cachorros caso eles sejam reprovados como trabalhadores.

Wayne, que é irmão de Valen e de Rudy, foi "educado" na casa de um bombeiro que já recebeu em seu lar outros sete candidatos a guia.
Ele e sua família puderam abraçar e brincar com o bicho por uma última vez antes do embarque para o Brasil.

"São pessoas muito conscientes de que estão fazendo um papel social importante. Nos Estados Unidos, é muito raro que as famílias não sigam à risca as regras de criação dos cães ou que criem conflito para ficarem com o cachorro", afirma Genival, que é advogado.

Os brasileiros ficaram em Michigan (EUA) por 21 dias se habituando aos novos parceiros. O tempo normal é de 30 dias, mas o desconto foi devido ao grupo já possuir experiência com os bichos.

Um dos momentos mais importantes da estadia é o primeiro encontro dos cães-guia com seus futuros tutores. O evento acontece em um ambiente controlado em que a atenção do animal estará totalmente voltada ao companheiro que irá guiar.

"Um elo que será para a vida toda começa a se formar. A comparação que fazemos é com uma mãe que esperou seu bebê por nove meses. Quando acontece o encontro, são diversas sensações envolvidas. Fazemos de tudo para ser algo marcante", diz o treinador Moisés Vieira Jr., 52, um dos mais experientes em atuação no Brasil.

Pelas ruas

A viagem para a nova casa é meticulosamente preparada para o conforto dos cães e dos tutores. Os bichos aprendem a se posicionarem embaixo de poltronas do avião e passam por uma dieta restrita para suportarem o voo de dez horas sem sobressaltos.

"Um dia antes do embarque fazemos uma rotina de oferecer espaço de alívio para eles a cada duas horas. O Valen se comportou maravilhosamente bem", afirma Kátia, que é analista de dados.

O grande desafio do quarteto humano começou quando teve início o desbravamento das ruas de São Paulo, que possuem estímulos e desarranjos bem diferentes do que os cães estavam acostumados na América do Norte.

"Como há muitos sacos de lixo nas ruas e calçadas, o Indy às vezes se distraí. Isso sem falar nas pessoas que o abordam na hora em que está me guiando, o que tira a concentração dele. Tenho que ser rígida para ele não perder a atenção do trabalho", afirma Liana, que é cantora lírica.

Brasil

As iniciativas nacionais de treinamento de cães-guia ainda são tímidas e enfrentam problemas de financiamento e apoio técnico. Na cidade de Balneário Camboriú (SC), a escola Helen Keller é uma promessa. Até 2021, pretende entregar 30 cães por ano a deficientes visuais. 

Publicidade

Publicidade