Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Presidente do Banco do Brasil diz que não vai puxar juros para baixo
EBC.
Paulo Caffarelli evitando erros do passado.

Terça, 27/12/2016 13:44.

JULIO WIZIACK E VALDO CRUZ
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, afirmou nesta terça-feira (27) que o banco não cometerá erros do passado, quando, em conjunto com a Caixa Econômica Federal, baixou juros para forçar os demais bancos a reduzirem as taxas cobradas.

"Vamos fazer coisas consistentes. Não vamos liderar a redução de taxas de juros. No passado, [essa política] não foi frutífera, não se mostrou correta", disse Caffarelli durante café com jornalistas. "Não se pode trabalhar com puxadinhos."

A posição é uma sinalização de que o banco, a partir de agora, vai trabalhar para melhorar seus resultados na comparação com seus concorrentes privados. Caffarelli lembrou que o movimento do passado não fez com que os bancos privados acompanhassem os públicos. "Quem define a taxa é o movimento de mercado", afirmou.

O presidente do BB disse, porém, que o banco vai procurar repassar para suas taxas a queda dos juros do Banco Central. Isto atende a um pedido do ministro Henrique Meirelles (Fazenda), que solicitou às instituições financeiras públicas e privadas que se esforcem para reduzir as taxas de juros à medida que a taxa básica dos juros da economia (Selic) é cortada.

Na análise do BB, a economia no próximo ano vai se recuperar em um ritmo mais lento do que o previsto até pela própria instituição. O BB previa um crescimento de PIB em torno de 1,5% para 2017 e agora trabalha com 0,7% de crescimento. Pelo boletim Focus, do Banco Central, o crescimento estimado do PIB será de 0,5%.

Apesar disso, Caffarelli explicou que o banco estará alinhado com a tendência de mercado e, se houver espaço para redução de juros, o BB acompanhará o movimento.

Embora admita que o governo pressiona por uma redução de juros de cartões de crédito, Caffarelli diz que não dá para avaliar neste momento se a taxa cairá à metade, como pretende o governo. "Ela vai cair, quanto o dia a dia é que dirá."

Ainda segundo ele, esse movimento de redução de juros será dosado com a própria estratégia comercial do banco que reforçará seu capital até 2019 com aumento de rentabilidade.

O presidente do BB afirmou que a meta é chegar a janeiro de 2019 com 9,5% de capital de referência, 1,5 ponto percentual a mais do que determina o Banco Central. Para isso, várias medidas foram tomadas.

Houve um programa de reestruturação interna com demissões, fechamentos de agências, entre outras medidas, que resultaram em um corte de custos de R$ 3,1 bilhões somente para 2017. O banco também reduziu de 40% para 25% a distribuição de lucros e admite a possibilidade de vender ativos "que não façam parte de seu negócio principal".

"Hoje nos faz falta os 33% de participação do BB Seguridade", disse Caffarelli. "É uma receita que poderíamos ter nesse momento."

Por isso, a ideia é melhorar a rentabilidade do Banco Votorantim em vez de vender essa participação. Já empresas como Neonergia e Kepler Weber, que têm o BB como sócios, poderiam ser vendidas. "Mas não estão na mesa."

CRÉDITO

A carteira de crédito do banco fechou em R$ 734 bilhões no terceiro trimestre de 2016, caindo à metade em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Caffarelli acredita que isso deve aos efeitos da crise. "Ela dura vinte trimestres. Não é como as anteriores. Entre 2009 e 2010, tivemos 800 empresas em recuperação judicial. Agora são 3.800", disse.

Para ele, a retomada acontecerá mais vagarosamente do que no passado, mas o crédito vai aumentar, especialmente para os projetos de concessão. "Haverá oferta para quem comprovar condições de pagamento." 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Presidente do Banco do Brasil diz que não vai puxar juros para baixo

EBC.
Paulo Caffarelli evitando erros do passado.
Paulo Caffarelli evitando erros do passado.
Terça, 27/12/2016 13:44.

JULIO WIZIACK E VALDO CRUZ
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, afirmou nesta terça-feira (27) que o banco não cometerá erros do passado, quando, em conjunto com a Caixa Econômica Federal, baixou juros para forçar os demais bancos a reduzirem as taxas cobradas.

"Vamos fazer coisas consistentes. Não vamos liderar a redução de taxas de juros. No passado, [essa política] não foi frutífera, não se mostrou correta", disse Caffarelli durante café com jornalistas. "Não se pode trabalhar com puxadinhos."

A posição é uma sinalização de que o banco, a partir de agora, vai trabalhar para melhorar seus resultados na comparação com seus concorrentes privados. Caffarelli lembrou que o movimento do passado não fez com que os bancos privados acompanhassem os públicos. "Quem define a taxa é o movimento de mercado", afirmou.

O presidente do BB disse, porém, que o banco vai procurar repassar para suas taxas a queda dos juros do Banco Central. Isto atende a um pedido do ministro Henrique Meirelles (Fazenda), que solicitou às instituições financeiras públicas e privadas que se esforcem para reduzir as taxas de juros à medida que a taxa básica dos juros da economia (Selic) é cortada.

Na análise do BB, a economia no próximo ano vai se recuperar em um ritmo mais lento do que o previsto até pela própria instituição. O BB previa um crescimento de PIB em torno de 1,5% para 2017 e agora trabalha com 0,7% de crescimento. Pelo boletim Focus, do Banco Central, o crescimento estimado do PIB será de 0,5%.

Apesar disso, Caffarelli explicou que o banco estará alinhado com a tendência de mercado e, se houver espaço para redução de juros, o BB acompanhará o movimento.

Embora admita que o governo pressiona por uma redução de juros de cartões de crédito, Caffarelli diz que não dá para avaliar neste momento se a taxa cairá à metade, como pretende o governo. "Ela vai cair, quanto o dia a dia é que dirá."

Ainda segundo ele, esse movimento de redução de juros será dosado com a própria estratégia comercial do banco que reforçará seu capital até 2019 com aumento de rentabilidade.

O presidente do BB afirmou que a meta é chegar a janeiro de 2019 com 9,5% de capital de referência, 1,5 ponto percentual a mais do que determina o Banco Central. Para isso, várias medidas foram tomadas.

Houve um programa de reestruturação interna com demissões, fechamentos de agências, entre outras medidas, que resultaram em um corte de custos de R$ 3,1 bilhões somente para 2017. O banco também reduziu de 40% para 25% a distribuição de lucros e admite a possibilidade de vender ativos "que não façam parte de seu negócio principal".

"Hoje nos faz falta os 33% de participação do BB Seguridade", disse Caffarelli. "É uma receita que poderíamos ter nesse momento."

Por isso, a ideia é melhorar a rentabilidade do Banco Votorantim em vez de vender essa participação. Já empresas como Neonergia e Kepler Weber, que têm o BB como sócios, poderiam ser vendidas. "Mas não estão na mesa."

CRÉDITO

A carteira de crédito do banco fechou em R$ 734 bilhões no terceiro trimestre de 2016, caindo à metade em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Caffarelli acredita que isso deve aos efeitos da crise. "Ela dura vinte trimestres. Não é como as anteriores. Entre 2009 e 2010, tivemos 800 empresas em recuperação judicial. Agora são 3.800", disse.

Para ele, a retomada acontecerá mais vagarosamente do que no passado, mas o crédito vai aumentar, especialmente para os projetos de concessão. "Haverá oferta para quem comprovar condições de pagamento." 

Publicidade

Publicidade