Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Instituto Pronatura desmente que vá analisar qualidade da areia da praia
Sectur

Segunda, 19/12/2016 7:08.

O presidente do Instituto Pronatura, Carlos Antonio dos Santos, veio ontem (19) ao Página 3 esclarecer que contrariamente ao divulgado por veículos da RBS, a ONG que preside não tem qualquer envolvimento com análises de qualidade da areia nas praias da região, dentre elas a central de Balneário Camboriú.

Na semana passada a RBS noticiou que o monitoramento seria feito pela ONG Instituto Pronatura através de Jackson Gilberto Trindade Favero, que se identificou como sócio da entidade.

O presidente da ONG afirmou que Jackson não é filiado à entidade que tem apenas quatro meses e cujo foco principal não é a areia e sim as nascentes e rios da região, em especial a recuperação do Rio das Ostras.

No sábado (17) o editor do Página 3, já havia informado que Jackson tem motivações comerciais, tenta vender produtos e serviços para limparem a areia.

O texto foi este:

Papagaios da RBS e as praias

Veículos da RBS noticiaram que uma ONG, o Instituto Pronatura, vai analisar as areias de algumas praias, inclusive da nossa central para ver se estão contaminadas.

Não precisa analisar, elas estão, é fato conhecido que as areias de dezenas de praias brasileiras padecem deste problema.

A nossa tem sua situação agravada pela concentração de briozoários, problema de difícil solução e que nem os estudiosos conseguiram ainda entender direito.

A RBS tem repórteres que praticam jornalismo papagaio, não conseguem perceber o que se esconde por trás de uma notícia. Com isso, causam danos a comunidades inteiras do litoral catarinense.

Vamos aos fatos:

Não se encontra na internet menções de ações ambientais relevantes promovidas por essa ONG.

Na verdade, não encontrei menção nenhuma à essa ONG, se existe está bem escondida na rede.

Ela é representada por Jackson Gilberto Trindade Favero que desde 2011 (leia aqui) vem tentando motivar políticos e governantes a adotarem soluções para limpeza de areias de praias fornecidas por ele.

Me procurou algumas vezes, senti o cheiro de dinheiro no ar e pulei fora.

Tenho provas disso, até o Nelson Nitz, um engenheiro experiente quase embarcou nessa conversa anos atrás quando era, se a memória não me trai, vereador.

Outras pessoas foram procuradas por Jackson e escutaram a mesma lenga-lenga.

O objetivo é mercantil. Jacson é ou era dono da Comercial Tecnobio e Química Ltda – ME e para ele é conveniente falar sobre praias poluídas quando elas estão prestes a encher de turistas porque isso pressiona as autoridades a arranjarem uma solução.

Existem máquinas que limpam praias, precisa ser uma ação contínua de governo e não esporádica de uma ONG que tem por trás interesses mercantis.

Basta lembrar que o ex-secretário do meio ambiente Raimundo Malta limpava a praia central com uma geringonça atrelada a um trator. O futuro secretário, Ike Gevaerd, lembra disso, participou disso.

As máquinas que limpam praias são parecidas com a geringonça inventada pelo Malta e que funcionava bem.

Para + infos sobre limpeza de areia de praias visite os links

http://www.hbarber.com/Cleaners/Beach_Cleaning_Equipment.html

http://www.beach-tech.com/en.html

http://www.beachcleaner.com/beach-cleaner-faq.html
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Instituto Pronatura desmente que vá analisar qualidade da areia da praia

Sectur
Segunda, 19/12/2016 7:08.

O presidente do Instituto Pronatura, Carlos Antonio dos Santos, veio ontem (19) ao Página 3 esclarecer que contrariamente ao divulgado por veículos da RBS, a ONG que preside não tem qualquer envolvimento com análises de qualidade da areia nas praias da região, dentre elas a central de Balneário Camboriú.

Na semana passada a RBS noticiou que o monitoramento seria feito pela ONG Instituto Pronatura através de Jackson Gilberto Trindade Favero, que se identificou como sócio da entidade.

O presidente da ONG afirmou que Jackson não é filiado à entidade que tem apenas quatro meses e cujo foco principal não é a areia e sim as nascentes e rios da região, em especial a recuperação do Rio das Ostras.

No sábado (17) o editor do Página 3, já havia informado que Jackson tem motivações comerciais, tenta vender produtos e serviços para limparem a areia.

O texto foi este:

Papagaios da RBS e as praias

Veículos da RBS noticiaram que uma ONG, o Instituto Pronatura, vai analisar as areias de algumas praias, inclusive da nossa central para ver se estão contaminadas.

Não precisa analisar, elas estão, é fato conhecido que as areias de dezenas de praias brasileiras padecem deste problema.

A nossa tem sua situação agravada pela concentração de briozoários, problema de difícil solução e que nem os estudiosos conseguiram ainda entender direito.

A RBS tem repórteres que praticam jornalismo papagaio, não conseguem perceber o que se esconde por trás de uma notícia. Com isso, causam danos a comunidades inteiras do litoral catarinense.

Vamos aos fatos:

Não se encontra na internet menções de ações ambientais relevantes promovidas por essa ONG.

Na verdade, não encontrei menção nenhuma à essa ONG, se existe está bem escondida na rede.

Ela é representada por Jackson Gilberto Trindade Favero que desde 2011 (leia aqui) vem tentando motivar políticos e governantes a adotarem soluções para limpeza de areias de praias fornecidas por ele.

Me procurou algumas vezes, senti o cheiro de dinheiro no ar e pulei fora.

Tenho provas disso, até o Nelson Nitz, um engenheiro experiente quase embarcou nessa conversa anos atrás quando era, se a memória não me trai, vereador.

Outras pessoas foram procuradas por Jackson e escutaram a mesma lenga-lenga.

O objetivo é mercantil. Jacson é ou era dono da Comercial Tecnobio e Química Ltda – ME e para ele é conveniente falar sobre praias poluídas quando elas estão prestes a encher de turistas porque isso pressiona as autoridades a arranjarem uma solução.

Existem máquinas que limpam praias, precisa ser uma ação contínua de governo e não esporádica de uma ONG que tem por trás interesses mercantis.

Basta lembrar que o ex-secretário do meio ambiente Raimundo Malta limpava a praia central com uma geringonça atrelada a um trator. O futuro secretário, Ike Gevaerd, lembra disso, participou disso.

As máquinas que limpam praias são parecidas com a geringonça inventada pelo Malta e que funcionava bem.

Para + infos sobre limpeza de areia de praias visite os links

http://www.hbarber.com/Cleaners/Beach_Cleaning_Equipment.html

http://www.beach-tech.com/en.html

http://www.beachcleaner.com/beach-cleaner-faq.html
 

Publicidade

Publicidade