Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Câmeras que a prefeitura está pagando 2.500 custam 1.400

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Reprodução
Empresa terceirizada trabalhando em frente à Câmara de Vereadores

Segunda, 11/4/2016 9:28.

O Página 3 noticiou na semana passada que havia índicios de fraude na aquisição de 454 câmeras de segurança por parte da prefeitura de Balneário Camboriú, mas agora a jornal tem a constatação de que não é indício, é fraude mesmo.

O serviço foi terceirizado, o que o contrato proíbe e as câmeras que a prefeitura está pagando cerca de R$ 2.500,00 custariam aqui na cidade, num distribuidor especializado, se fossem topo de linha, R$ 1.400,00.

Existe a suspeita de que as câmeras instaladas são inferiores, portanto custam menos do que R$ 1.400,00

Ministério Público já está investigando

Após o Página 3 noticiar que a prefeitura gastou R$ 6,3 milhões e que apenas 70 das 450 câmeras de segurança compradas em 2011 estão funcionando, o Ministério Público abriu investigações e requereu toda a documentação à prefeitura.

Com a promotoria examinando o assunto o esclarecimento tende a ser rápido.

A ordem do gabinete do prefeito é colaborar. Após descobrir indícios de fraude o Página 3 recebeu, sem burocracia, todos os documentos que solicitou.

Empresa terceirizada

A reportagem apurou que a fraude na aquisição de câmeras de segurança pela prefeitura de Balneário Camboriú envolveu também a transferência total de etapas do serviço para outra empresa, o que é vedado em contrato.

Esse desrespeito contratual só pode ter ocorrido com a cumplicidade do gestor do contrato, o administrador da secretaria municipal de Segurança Paulo Auri Seabra.

A reportagem tentou contato com Seabra, mas ele não retornou os telefonemas.

A terceirização foi admitida pela direção da empresa Nipox Telecomunicações, de Bombinhas, que está instalando as câmeras.

A Nipox está trabalhando desde novembro para instalar 370 câmeras e seu diretor Diego Gonzaga não quis revelar detalhes dos equipamentos, o que reforça a suspeita de que há fraude também na especificação dos materiais.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade