Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esporte
Técnico e atletas de BC viajam para representar o Brasil no Sul americano de marcha atlética

Técnico de Balneário Camboriú é um dos treinadores da Seleção

Quarta, 4/3/2020 6:50.
Divulgação
Lilian com o técnico Diogo Gamboa, quando recebeu a notícia da convocação.

Publicidade

Os atletas Lilian Bittencourt e Heron Miranda, acompanhados do seu treinador Diogo Gamboa, todos da Fundação Municipal de Esportes(FMEBC), embarcam nesta quinta-feira para Guarulhos onde se reúnem com os outros 22 atletas e três técnicos da seleção brasileira que na sexta-feira embarca para Lima, no Peru, para disputar o Campeonato Sul americano de Marcha Atlética, no próximo domingo (8)..
Os três viajam animados e com grandes expectativas.

Diogo Gamboa tem experiência, como atleta de marcha atlética foi convocado para seleção em 2001 pela primeira vez e como técnico esta será a sua segunda participação.

Os atletas Lilian e Heron são estreantes em competições internacionais.

“Gosto de trabalhar com jovens, esta preparação deles foi muito legal, estão empolgados e ao mesmo tempo muito bem preparados, têm condições de melhorar seus tempos. Eu sei como é importante e que sabor especial tem vestir a camiseta do Brasil, o momento de defender o país não tem nada igual. Eu já tive experiência e hoje vivo isso com meus atletas e profissionalmente sigo aprendendo, porque a convocação como técnico acrescenta no meu currículo. Estou extremamente ansioso”, disse Diogo.

Lilian nos 5kms

Lilian, 16 anos, estudante do 2o.ano do colégio estadual Higino Pio, vai representar o país na prova de 5km de marcha atlética.

“A ficha ainda nem caiu direito, porque pegar uma seleção é o sonho de todo o atleta”, disse Lilian ao Página3 antes de viajar. Ela conta que sempre gostou de esportes, disputou os JEBC e depois escolheu a marcha atlética para iniciar carreira, mesmo sendo esta uma das modalidades menos conhecidas do atletismo. Lilian sente isso até hoje quando vai treinar na praia e muita gente fica olhando.

“Fico até meio sem graça, com vergonha porque as pessoas ficam olhando sem saber, entender o que estamos fazendo, mas tem que treinar para evoluir cada vez mais”, disse Lilian

Ela garantiu a vaga para o Sul americano depois da Copa Brasil, onde conquistou medalha de bronze.

“Treinei muito para a Copa Brasil porque sabia que tinha chance de classificar e garantir a vaga para Lima. Só que certeza a gente nunca tem. Fiquei feliz demais com a convocação, treinei muito para chegar no Peru e poder dar o meu melhor para representar o país, o que é uma grande responsabilidade”, afirmou.

Heron nos 10kms

Heron, campeão brasileiro nos 10kms,

Quando conquistou a medalha de ouro na Copa Brasil e garantiu sua primeira convocação internacional Heron, hoje com 16 anos, quase não acreditou no que estava acontecendo.

“Era a principal prova nacional que eu disputei, me surpreendi com meu resultado vencendo os 10kms sub18, tudo isso graças ao meu treinador, aos meus pais que mesmo sem dinheiro me ajudaram em suporte de alimentação, a Fundação por pagar a passagem, meu amigo Yan e Jorge e a todos que torcem por mim posso dizer que tenho expectativas de fazer minha melhor marca lá, dar o meu melhor, representando o nosso país e que espero ir cada vez mais longe”, disse Heron.

Mas o começo foi bem difícil. Ele conheceu o atletismo através de uma corrida que disputou. Foi convidado por um técnico para frequentar a escolinha da Fundação e começou a treinar três vezes por semana. Foi em algumas competições, mas não se deu bem. O treinador sugeriu a marcha atlética e na sua primeira competição, 3000m na Olesc em 2018, chegou em último lugar, ficou muito triste, porque achou que não levava jeito para nada.

“Meu técnico disse para não desistir e foi assim que voltei. Alguns meses depois fui em uma competição nacional, fui oitavo nos 10km em uma hora. Depois fui bronze no estadual sub20. Depois fui campeão estadual sub 18 e um campeonato nacional onde fui terceiro. Em 2019 fui vice-campeão na Olesc e então veio a Copa Brasil, que classificava os três primeiros para o Sul Americano. Eu pensava muito nessa vaga e deu certo. Estou confiante”, disse o estudante do Ruizélio Cabral, antes de embarcar com sua primeira seleção brasileira.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
Lilian com o técnico Diogo Gamboa, quando recebeu a notícia da convocação.
Lilian com o técnico Diogo Gamboa, quando recebeu a notícia da convocação.

Técnico e atletas de BC viajam para representar o Brasil no Sul americano de marcha atlética

Técnico de Balneário Camboriú é um dos treinadores da Seleção

Publicidade

Quarta, 4/3/2020 6:50.

Os atletas Lilian Bittencourt e Heron Miranda, acompanhados do seu treinador Diogo Gamboa, todos da Fundação Municipal de Esportes(FMEBC), embarcam nesta quinta-feira para Guarulhos onde se reúnem com os outros 22 atletas e três técnicos da seleção brasileira que na sexta-feira embarca para Lima, no Peru, para disputar o Campeonato Sul americano de Marcha Atlética, no próximo domingo (8)..
Os três viajam animados e com grandes expectativas.

Diogo Gamboa tem experiência, como atleta de marcha atlética foi convocado para seleção em 2001 pela primeira vez e como técnico esta será a sua segunda participação.

Os atletas Lilian e Heron são estreantes em competições internacionais.

“Gosto de trabalhar com jovens, esta preparação deles foi muito legal, estão empolgados e ao mesmo tempo muito bem preparados, têm condições de melhorar seus tempos. Eu sei como é importante e que sabor especial tem vestir a camiseta do Brasil, o momento de defender o país não tem nada igual. Eu já tive experiência e hoje vivo isso com meus atletas e profissionalmente sigo aprendendo, porque a convocação como técnico acrescenta no meu currículo. Estou extremamente ansioso”, disse Diogo.

Lilian nos 5kms

Lilian, 16 anos, estudante do 2o.ano do colégio estadual Higino Pio, vai representar o país na prova de 5km de marcha atlética.

“A ficha ainda nem caiu direito, porque pegar uma seleção é o sonho de todo o atleta”, disse Lilian ao Página3 antes de viajar. Ela conta que sempre gostou de esportes, disputou os JEBC e depois escolheu a marcha atlética para iniciar carreira, mesmo sendo esta uma das modalidades menos conhecidas do atletismo. Lilian sente isso até hoje quando vai treinar na praia e muita gente fica olhando.

“Fico até meio sem graça, com vergonha porque as pessoas ficam olhando sem saber, entender o que estamos fazendo, mas tem que treinar para evoluir cada vez mais”, disse Lilian

Ela garantiu a vaga para o Sul americano depois da Copa Brasil, onde conquistou medalha de bronze.

“Treinei muito para a Copa Brasil porque sabia que tinha chance de classificar e garantir a vaga para Lima. Só que certeza a gente nunca tem. Fiquei feliz demais com a convocação, treinei muito para chegar no Peru e poder dar o meu melhor para representar o país, o que é uma grande responsabilidade”, afirmou.

Heron nos 10kms

Heron, campeão brasileiro nos 10kms,

Quando conquistou a medalha de ouro na Copa Brasil e garantiu sua primeira convocação internacional Heron, hoje com 16 anos, quase não acreditou no que estava acontecendo.

“Era a principal prova nacional que eu disputei, me surpreendi com meu resultado vencendo os 10kms sub18, tudo isso graças ao meu treinador, aos meus pais que mesmo sem dinheiro me ajudaram em suporte de alimentação, a Fundação por pagar a passagem, meu amigo Yan e Jorge e a todos que torcem por mim posso dizer que tenho expectativas de fazer minha melhor marca lá, dar o meu melhor, representando o nosso país e que espero ir cada vez mais longe”, disse Heron.

Mas o começo foi bem difícil. Ele conheceu o atletismo através de uma corrida que disputou. Foi convidado por um técnico para frequentar a escolinha da Fundação e começou a treinar três vezes por semana. Foi em algumas competições, mas não se deu bem. O treinador sugeriu a marcha atlética e na sua primeira competição, 3000m na Olesc em 2018, chegou em último lugar, ficou muito triste, porque achou que não levava jeito para nada.

“Meu técnico disse para não desistir e foi assim que voltei. Alguns meses depois fui em uma competição nacional, fui oitavo nos 10km em uma hora. Depois fui bronze no estadual sub20. Depois fui campeão estadual sub 18 e um campeonato nacional onde fui terceiro. Em 2019 fui vice-campeão na Olesc e então veio a Copa Brasil, que classificava os três primeiros para o Sul Americano. Eu pensava muito nessa vaga e deu certo. Estou confiante”, disse o estudante do Ruizélio Cabral, antes de embarcar com sua primeira seleção brasileira.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade