Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esporte
Marcelo Brigadeiro assume diretoria da Fesporte

Ele diz que adora desafios e vai mostrar isso na prática

Segunda, 10/8/2020 12:48.

Publicidade

Marcelo Marcel Franco José da Silva, no mundo esportivo conhecido como Marcelo Brigadeiro, 38, campeão mundial de luta livre, atualmente treinador e empresário de MMA, assumiu a diretoria de esportes da Fesporte, na última sexta-feira (7). Não é a primeira vez que o presidente da Fesporte, Rui Godinho o convidou, mas na semana passada, após novo convite feito pessoalmente em Balneário Camboriú, a resposta foi positiva.

“Minha vida sempre foi movida a desafios, adoro desafios, vejo que a gestão pública nos esportes no país todo é muito arcaica, uma visão muito retrógrada, que fica presa somente a esportes de quadra, não há uma gestão inteligente, não há um fomento do turismo esportivo, há muito pouco no campo social, há muito pouco na iniciação e eu chego na Fesporte com vontade de renovar isso”, disse Marcelo Brigadeiro ao jornal Página3, após sua posse.

Nascido no Rio de Janeiro, o esporte faz parte da sua vida desde os 6 anos, quando iniciou no judô. Na Luta Livre tornou-se heptacampeão estadual, tricampeão brasileiro, campeão europeu e campeão mundial. Na condição de treinador trabalhou cinco anos na Inglaterra e desde 2011 reside em Balneário Camboriú, onde comanda a Astra Fight Team.

“Tudo que tenho sempre conquistei através do esporte. Hoje sou um dos principais treinadores de MMA do Brasil, um dos principais empresários de MMA do mundo, já rodei mais de 40 países, sempre trabalhando com esporte e a ideia é pegar todo esse know how e colocar dentro da gestão pública em Santa Catarina”, segue.

Ele quer usar toda a experiência de gestão esportiva no âmbito privado na gestão pública.

“Mas sobretudo a ideia é renovar, trazer algumas modalidades que não são tão valorizadas no momento, apesar de ter uma grande apreciação pelo público, sair um pouco daquele formato de somente esportes tradicionais, incorporar modalidades como artes marciais, surfe, skate, esportes radicais que agradam muito o público e não são muito albergados dentro dos projetos públicos”, resumiu Marcelo Brigadeiro.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Marcelo Brigadeiro assume diretoria da Fesporte

Ele diz que adora desafios e vai mostrar isso na prática

Publicidade

Segunda, 10/8/2020 12:48.

Marcelo Marcel Franco José da Silva, no mundo esportivo conhecido como Marcelo Brigadeiro, 38, campeão mundial de luta livre, atualmente treinador e empresário de MMA, assumiu a diretoria de esportes da Fesporte, na última sexta-feira (7). Não é a primeira vez que o presidente da Fesporte, Rui Godinho o convidou, mas na semana passada, após novo convite feito pessoalmente em Balneário Camboriú, a resposta foi positiva.

“Minha vida sempre foi movida a desafios, adoro desafios, vejo que a gestão pública nos esportes no país todo é muito arcaica, uma visão muito retrógrada, que fica presa somente a esportes de quadra, não há uma gestão inteligente, não há um fomento do turismo esportivo, há muito pouco no campo social, há muito pouco na iniciação e eu chego na Fesporte com vontade de renovar isso”, disse Marcelo Brigadeiro ao jornal Página3, após sua posse.

Nascido no Rio de Janeiro, o esporte faz parte da sua vida desde os 6 anos, quando iniciou no judô. Na Luta Livre tornou-se heptacampeão estadual, tricampeão brasileiro, campeão europeu e campeão mundial. Na condição de treinador trabalhou cinco anos na Inglaterra e desde 2011 reside em Balneário Camboriú, onde comanda a Astra Fight Team.

“Tudo que tenho sempre conquistei através do esporte. Hoje sou um dos principais treinadores de MMA do Brasil, um dos principais empresários de MMA do mundo, já rodei mais de 40 países, sempre trabalhando com esporte e a ideia é pegar todo esse know how e colocar dentro da gestão pública em Santa Catarina”, segue.

Ele quer usar toda a experiência de gestão esportiva no âmbito privado na gestão pública.

“Mas sobretudo a ideia é renovar, trazer algumas modalidades que não são tão valorizadas no momento, apesar de ter uma grande apreciação pelo público, sair um pouco daquele formato de somente esportes tradicionais, incorporar modalidades como artes marciais, surfe, skate, esportes radicais que agradam muito o público e não são muito albergados dentro dos projetos públicos”, resumiu Marcelo Brigadeiro.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade