Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esporte
Associação de Surf de Balneário Camboriú poderá ser extinta por falta de apoio

“É muito triste. É uma das mais tradicionais do Brasil..."

Quarta, 16/10/2019 17:31.
Divulgação/ASBC
Surf de Balneário precisa de estímulo e apoio

Publicidade

A Associação de Surf de Balneário Camboriú (ASBC) está passando por momentos ruins, sem apoio de patrocínio e com poucos atletas na categoria de base. A entidade, que já foi referência a nível nacional, corre risco de ser extinta se uma nova diretoria não for eleita. Nesta quinta-feira (17) um novo edital de chamada para interessados será lançado.

Thiago (com microfone): “Situação triste e lamentável”

O presidente da ASBC, Thiago Velasques, explica que houve recentemente uma reunião da diretoria e confessa que a situação está ‘delicada’, principalmente porque teriam perdido muito apoio da prefeitura para com a modalidade.

“E com isso os patrocinadores não investiram mais. Antigamente tínhamos o circuito com 12 etapas, hoje caiu para uma ou duas. O patrocinador não olha mais com tanta atenção e isso nos desmotiva”, diz.

Segundo Velasques, está difícil conseguir interessados em assumir a diretoria da associação, que hoje conta com 70 associados – número bem inferior aos ‘tempos de ouro’ do surf na cidade.

“Antigamente tínhamos pelo menos 20 atletas no nível mirim, o iniciante. Hoje temos quatro. Não sei se é falta de apoio da Fundação Municipal de Esportes ou das escolinhas, mas realmente caiu muito e é triste, principalmente porque temos o Willian Cardoso, o Panda, que é daqui, nos representando no circuito mundial e que é uma grande referência, além de dois locutores e um juiz, que também são de Balneário e atuam nas competições mundiais”, salienta.

Será lançado amanhã (17) o novo chamamento para compor a diretoria. Thiago afirma que, caso não surjam interessados, a atual diretoria irá propor a extinção da ASBC.

“É muito triste. É uma das mais tradicionais associações de surf do Brasil, formada em 1988. Éramos muito conhecidos. Quando os atletas de Balneário chegavam nos eventos eram identificados, falavam sobre nós. Éramos referência, tínhamos circuito profissional. Em 2007, 2008, dávamos R$ 5 mil em prêmios. Isso se acabou e não deveria ser assim, estamos perdendo a nossa essência”, acrescenta.

Thiago quer deixar o cargo de presidente exatamente pelo cansaço do esforço sem incentivo municipal, pontuando que não é remunerado e que ‘todo ano é uma luta e chega uma hora que cansa’, lembrando que ao perderem investimento, os atletas perdem interesse.

Hoje, segundo o presidente, Balneário Camboriú conta com 20 estabelecimentos ligados ao surf e cinco fábricas de prancha.

“São quase 200 empregos diretos, fora na temporada que isso aumenta. Eles agonizam juntos com a associação e tentam nos culpar, mas não temos culpa. Infelizmente a realidade é que Balneário pode sim deixar de ser referência nesse esporte e sofrer com a extinção da associação. É um fato lamentável, mas a gestão do prefeito Fabrício Oliveira pode ficar marcada por ter deixado o surf morrer”, completa.

A associação está chamando associados, membros e a comunidade do surfe para Assembléia Extraordinária.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação/ASBC
Surf de Balneário precisa de estímulo e apoio
Surf de Balneário precisa de estímulo e apoio

Associação de Surf de Balneário Camboriú poderá ser extinta por falta de apoio

“É muito triste. É uma das mais tradicionais do Brasil..."

Publicidade

Quarta, 16/10/2019 17:31.

A Associação de Surf de Balneário Camboriú (ASBC) está passando por momentos ruins, sem apoio de patrocínio e com poucos atletas na categoria de base. A entidade, que já foi referência a nível nacional, corre risco de ser extinta se uma nova diretoria não for eleita. Nesta quinta-feira (17) um novo edital de chamada para interessados será lançado.

Thiago (com microfone): “Situação triste e lamentável”

O presidente da ASBC, Thiago Velasques, explica que houve recentemente uma reunião da diretoria e confessa que a situação está ‘delicada’, principalmente porque teriam perdido muito apoio da prefeitura para com a modalidade.

“E com isso os patrocinadores não investiram mais. Antigamente tínhamos o circuito com 12 etapas, hoje caiu para uma ou duas. O patrocinador não olha mais com tanta atenção e isso nos desmotiva”, diz.

Segundo Velasques, está difícil conseguir interessados em assumir a diretoria da associação, que hoje conta com 70 associados – número bem inferior aos ‘tempos de ouro’ do surf na cidade.

“Antigamente tínhamos pelo menos 20 atletas no nível mirim, o iniciante. Hoje temos quatro. Não sei se é falta de apoio da Fundação Municipal de Esportes ou das escolinhas, mas realmente caiu muito e é triste, principalmente porque temos o Willian Cardoso, o Panda, que é daqui, nos representando no circuito mundial e que é uma grande referência, além de dois locutores e um juiz, que também são de Balneário e atuam nas competições mundiais”, salienta.

Será lançado amanhã (17) o novo chamamento para compor a diretoria. Thiago afirma que, caso não surjam interessados, a atual diretoria irá propor a extinção da ASBC.

“É muito triste. É uma das mais tradicionais associações de surf do Brasil, formada em 1988. Éramos muito conhecidos. Quando os atletas de Balneário chegavam nos eventos eram identificados, falavam sobre nós. Éramos referência, tínhamos circuito profissional. Em 2007, 2008, dávamos R$ 5 mil em prêmios. Isso se acabou e não deveria ser assim, estamos perdendo a nossa essência”, acrescenta.

Thiago quer deixar o cargo de presidente exatamente pelo cansaço do esforço sem incentivo municipal, pontuando que não é remunerado e que ‘todo ano é uma luta e chega uma hora que cansa’, lembrando que ao perderem investimento, os atletas perdem interesse.

Hoje, segundo o presidente, Balneário Camboriú conta com 20 estabelecimentos ligados ao surf e cinco fábricas de prancha.

“São quase 200 empregos diretos, fora na temporada que isso aumenta. Eles agonizam juntos com a associação e tentam nos culpar, mas não temos culpa. Infelizmente a realidade é que Balneário pode sim deixar de ser referência nesse esporte e sofrer com a extinção da associação. É um fato lamentável, mas a gestão do prefeito Fabrício Oliveira pode ficar marcada por ter deixado o surf morrer”, completa.

A associação está chamando associados, membros e a comunidade do surfe para Assembléia Extraordinária.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade