Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esportes
Atleta de Balneário é campeã no tênis de mesa na Surdolimpíadas

Maria Fernanda lidera o ranking sul-americano para atletas com Down

 

Segunda, 24/6/2019 11:37.
Abelardo Mendes Jr./Rede do Esporte

Publicidade

A atleta Maria Fernanda da Silva Costa, 17 anos, é conhecida em Balneário Camboriú por sua trajetória no tênis de mesa. Ela já representou o Brasil no Mundial, na Turquia, em 2017, e já participou de programas de tevê, como o É De Casa, da Globo.

Apesar de estar morando atualmente em Itapoá, Maria representou Balneário neste fim de semana (20 a 23) na Surdolimpíadas Brasil 2019, em Pará de Minas/MG. Ela conquistou medalha de ouro, tanto na categoria solo quanto em dupla, ao lado de Irozina Rauen Vanelli.

Maria venceu com autoridade, com 12 sets a favor e apenas dois contra na campanha. No caminho para o título individual, Maria Fernanda deixou para trás, por 3 sets a 0, Ana Cristina (RJ) e Gabriela Santos (AM), na fase de grupos. Na semifinal, superou Laís Sayuri (SP), também em parciais diretas. Na decisão, bateu novamente a carioca Ana Cristina, dessa vez numa disputa acirrada, por 3 x 2. Ela repetiu a dose na disputa de duplas, onde também conquistou o ouro.

Maria foi a única atleta surda com Síndrome de Down inscrita na competição que reuniu competidores de 14 estados na disputa de 11 modalidades.

A atleta treina três horas, duas vezes por semana, e lidera hoje o ranking sul-americano para atletas com Down. Em 2017, viveu a experiência de integrar a delegação brasileira na versão mundial das Surdolimpíadas.

"Eu gosto de aprender sempre. Sou forte. Estou evoluindo. Ganhei medalhas. E tem de passar na televisão", disse ela, que se comunica em Libras.

A atleta é completamente surda de um ouvido e tem 5% de audição no outro.

Abraçada pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro (foto ao lado), na cerimônia de Abertura das Surdolimpíadas, Maria Fernanda espera ser uma das primeiras da fila para ser contemplada quando o edital da Bolsa Atleta para modalidades não olímpicas e não paralímpicas for publicado.

A indicação do edital com previsão de publicação até o fim de 2019 foi informada pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, e pelo Secretário Nacional de Alto Rendimento, Emanuel Rego.

"É um alento importante. A gente tem muita dificuldade de manter esse ritmo de viagens e competições apenas por conta própria", afirmou Karen Jackeline da Silva, mãe de Maria (foto acima). 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Abelardo Mendes Jr./Rede do Esporte

Atleta de Balneário é campeã no tênis de mesa na Surdolimpíadas

Maria Fernanda lidera o ranking sul-americano para atletas com Down

 

Publicidade

Segunda, 24/6/2019 11:37.

A atleta Maria Fernanda da Silva Costa, 17 anos, é conhecida em Balneário Camboriú por sua trajetória no tênis de mesa. Ela já representou o Brasil no Mundial, na Turquia, em 2017, e já participou de programas de tevê, como o É De Casa, da Globo.

Apesar de estar morando atualmente em Itapoá, Maria representou Balneário neste fim de semana (20 a 23) na Surdolimpíadas Brasil 2019, em Pará de Minas/MG. Ela conquistou medalha de ouro, tanto na categoria solo quanto em dupla, ao lado de Irozina Rauen Vanelli.

Maria venceu com autoridade, com 12 sets a favor e apenas dois contra na campanha. No caminho para o título individual, Maria Fernanda deixou para trás, por 3 sets a 0, Ana Cristina (RJ) e Gabriela Santos (AM), na fase de grupos. Na semifinal, superou Laís Sayuri (SP), também em parciais diretas. Na decisão, bateu novamente a carioca Ana Cristina, dessa vez numa disputa acirrada, por 3 x 2. Ela repetiu a dose na disputa de duplas, onde também conquistou o ouro.

Maria foi a única atleta surda com Síndrome de Down inscrita na competição que reuniu competidores de 14 estados na disputa de 11 modalidades.

A atleta treina três horas, duas vezes por semana, e lidera hoje o ranking sul-americano para atletas com Down. Em 2017, viveu a experiência de integrar a delegação brasileira na versão mundial das Surdolimpíadas.

"Eu gosto de aprender sempre. Sou forte. Estou evoluindo. Ganhei medalhas. E tem de passar na televisão", disse ela, que se comunica em Libras.

A atleta é completamente surda de um ouvido e tem 5% de audição no outro.

Abraçada pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro (foto ao lado), na cerimônia de Abertura das Surdolimpíadas, Maria Fernanda espera ser uma das primeiras da fila para ser contemplada quando o edital da Bolsa Atleta para modalidades não olímpicas e não paralímpicas for publicado.

A indicação do edital com previsão de publicação até o fim de 2019 foi informada pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, e pelo Secretário Nacional de Alto Rendimento, Emanuel Rego.

"É um alento importante. A gente tem muita dificuldade de manter esse ritmo de viagens e competições apenas por conta própria", afirmou Karen Jackeline da Silva, mãe de Maria (foto acima). 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade