Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esportes
Bola aérea salva Corinthians e afunda São Paulo na crise

Segunda, 18/2/2019 5:36.

Publicidade

(FOLHAPRESS) - Só havia um resultado possível no clássico deste domingo (17), em Itaquera, que não agravaria as situações já delicadas de Corinthians e São Paulo neste início de 2019: o empate. Mas esse, claro, não era o plano do Corinthians, que manteve o tabu diante do rival em sua casa.

Com gols de Manoel e Gustavo, a equipe do técnico Fábio Carille venceu por 2 a 1, pela 7ª rodada do Campeonato Paulista, e registrou sua sétima vitória em dez clássicos disputados no Itaquerão, inaugurado em 2014.

No São Paulo ainda ecoa a troca de comando feita pela diretoria no meio de semana, a três dias do clássico. E é difícil dissociar o momento são-paulino do que aconteceu no mesmo Itaquerão em 2018, quando o então técnico Diego Aguirre foi demitido após empate em 1 a 1, pelo Campeonato Brasileiro.

De líder do Nacional a ter sua classificação à Libertadores ameaçada, a diretoria comandada pelo presidente Leco entendeu que o uruguaio não era mais o nome certo para comandar o grupo.

Seu substituto imediato, André Jardine, fez apenas três jogos como interino antes de ser anunciado pelo diretor de futebol Raí como o treinador do São Paulo para a reta final de Brasileiro e o ano de 2019. Mas a aposta não contou com muita convicção por parte de quem controla o futebol.

Na última quarta-feira (13), com a eliminação para o Talleres (ARG) na Copa Libertadores, Jardine deu entrevista coletiva como técnico, mas já foi dormir na quinta-feira (14) fora do cargo e com destino indefinido dentro do clube.

Multicampeão nas categorias de base são-paulinas, ele foi afastado com o pior aproveitamento (33,3%) desde Doriva, que passou pelo São Paulo em 2015.

Raí, ao lado de Leco, anunciou a chegada de Cuca, que se recupera de problema cardíaco e só comandará o time daqui dois meses.

Por enquanto, a equipe fica sob a tutela de Vagner Mancini, contratado para ser coordenador técnico e com o discurso de que não havia "a menor possibilidade de o Vagner Mancini assumir em qualquer hipótese", disse o próprio, em terceira pessoa.

Já no Corinthians, a bola aérea que pune a defesa é também a que consagra o ataque.

Manoel abriu o placar em Itaquera após escanteio que surgiu de lance irregular. Clayson foi lançado em profundidade e, depois que a bola ultrapassou a linha de fundo, chutou para trás, na tentativa de manter a jogada viva.

A arbitragem não viu a saída da bola e, na sequência, defesa de Tiago Volpi originou o escanteio que o contestado Manoel aproveitou para marcar seu primeiro gol com a camisa do Corinthians, aos 42 min do primeiro tempo.

No início da etapa final, aos 11 min, o são-paulino Pablo, escalado aberto no ataque, subiu mais que a defesa alvinegra para deixar tudo igual. Dos 11 gols sofridos pelo Corinthians no ano, foi o oitavo em bola alçada na área.

O goleiro tricolor Tiago Volpi já se mostrava inseguro nas saídas do gol até que, aos 27 min, subiu junto com Vagner Love e não encontrou nada na tentativa de socar a bola. Gustavo, no susto, desviou para dentro e deu a vitória ao Corinthians.

O mesmo Gustavo que, pelo alto, salvou o clube do Parque São Jorge no duelo da última quinta com o Racing (ARG), pela Copa Sul-Americana. O Corinthians perdia até os 43 min do segundo tempo quando o centroavante saltou para decretar o empate em 1 a 1.

Não deixa de ser uma ironia que o atacante, contratado em 2016, precisou passar pelas mãos de Rogério Ceni,no Fortaleza, para se firmar e voltar ao clube alvinegro com mais confiança.

Foi com o ídolo são-paulino, hoje técnico do Fortaleza e um dos sete treinadores que passaram pela gestão Leco à frente do Morumbi, que Gustavo atingiu o melhor momento técnico de sua carreira. Marcou 14 gols na Série B de 2018 e ajudou o Fortaleza, de Ceni, a conquistar o título e garantir o acesso à elite nacional deste ano.

Com a vitória deste domingo, o Corinthians assumiu a liderança do Grupo C com 10 pontos. Ferroviária e Bragantino, com 9, ocupam a segunda e a terceira posição, respectivamente.

A situação do São Paulo no Grupo D pode se complicar nesta segunda (18). Com 9 pontos na vice-liderança, pode ser ultrapassado pelo Oeste, que tem a mesma pontuação e enfrenta o São Bento.

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Henrique, Manoel e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso (Richard), Pedrinho (Mateus Vital), Sornoza e Clayson (Vagner Love); Gustavo.
T.: Fábio Carille

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Igor Vinícius, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Hudson, Willian Farias (Nenê), Hernanes; Everton (Antony), Pablo (Diego Souza) e Gonzalo Carneiro.
T.: Vágner Mancini

Árbitro: Lucas Canetto Bellote
Auxiliares: Daniel Luis Marques e Emerson Augusto de Carvalho
Público/Renda: 42.203 pagantes/R$ 2.219.753
Cartões amarelos: Pedrinho (COR); Igor Vinícius e Hernanes (SPA)
Gols: Manoel (COR), aos 43 minutos do primeiro tempo, e Gustavo (COR), aos 27 minutos do segundo tempo; Pablo (SPA), aos 11 minutos do segundo tempo. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Bola aérea salva Corinthians e afunda São Paulo na crise

Publicidade

Segunda, 18/2/2019 5:36.

(FOLHAPRESS) - Só havia um resultado possível no clássico deste domingo (17), em Itaquera, que não agravaria as situações já delicadas de Corinthians e São Paulo neste início de 2019: o empate. Mas esse, claro, não era o plano do Corinthians, que manteve o tabu diante do rival em sua casa.

Com gols de Manoel e Gustavo, a equipe do técnico Fábio Carille venceu por 2 a 1, pela 7ª rodada do Campeonato Paulista, e registrou sua sétima vitória em dez clássicos disputados no Itaquerão, inaugurado em 2014.

No São Paulo ainda ecoa a troca de comando feita pela diretoria no meio de semana, a três dias do clássico. E é difícil dissociar o momento são-paulino do que aconteceu no mesmo Itaquerão em 2018, quando o então técnico Diego Aguirre foi demitido após empate em 1 a 1, pelo Campeonato Brasileiro.

De líder do Nacional a ter sua classificação à Libertadores ameaçada, a diretoria comandada pelo presidente Leco entendeu que o uruguaio não era mais o nome certo para comandar o grupo.

Seu substituto imediato, André Jardine, fez apenas três jogos como interino antes de ser anunciado pelo diretor de futebol Raí como o treinador do São Paulo para a reta final de Brasileiro e o ano de 2019. Mas a aposta não contou com muita convicção por parte de quem controla o futebol.

Na última quarta-feira (13), com a eliminação para o Talleres (ARG) na Copa Libertadores, Jardine deu entrevista coletiva como técnico, mas já foi dormir na quinta-feira (14) fora do cargo e com destino indefinido dentro do clube.

Multicampeão nas categorias de base são-paulinas, ele foi afastado com o pior aproveitamento (33,3%) desde Doriva, que passou pelo São Paulo em 2015.

Raí, ao lado de Leco, anunciou a chegada de Cuca, que se recupera de problema cardíaco e só comandará o time daqui dois meses.

Por enquanto, a equipe fica sob a tutela de Vagner Mancini, contratado para ser coordenador técnico e com o discurso de que não havia "a menor possibilidade de o Vagner Mancini assumir em qualquer hipótese", disse o próprio, em terceira pessoa.

Já no Corinthians, a bola aérea que pune a defesa é também a que consagra o ataque.

Manoel abriu o placar em Itaquera após escanteio que surgiu de lance irregular. Clayson foi lançado em profundidade e, depois que a bola ultrapassou a linha de fundo, chutou para trás, na tentativa de manter a jogada viva.

A arbitragem não viu a saída da bola e, na sequência, defesa de Tiago Volpi originou o escanteio que o contestado Manoel aproveitou para marcar seu primeiro gol com a camisa do Corinthians, aos 42 min do primeiro tempo.

No início da etapa final, aos 11 min, o são-paulino Pablo, escalado aberto no ataque, subiu mais que a defesa alvinegra para deixar tudo igual. Dos 11 gols sofridos pelo Corinthians no ano, foi o oitavo em bola alçada na área.

O goleiro tricolor Tiago Volpi já se mostrava inseguro nas saídas do gol até que, aos 27 min, subiu junto com Vagner Love e não encontrou nada na tentativa de socar a bola. Gustavo, no susto, desviou para dentro e deu a vitória ao Corinthians.

O mesmo Gustavo que, pelo alto, salvou o clube do Parque São Jorge no duelo da última quinta com o Racing (ARG), pela Copa Sul-Americana. O Corinthians perdia até os 43 min do segundo tempo quando o centroavante saltou para decretar o empate em 1 a 1.

Não deixa de ser uma ironia que o atacante, contratado em 2016, precisou passar pelas mãos de Rogério Ceni,no Fortaleza, para se firmar e voltar ao clube alvinegro com mais confiança.

Foi com o ídolo são-paulino, hoje técnico do Fortaleza e um dos sete treinadores que passaram pela gestão Leco à frente do Morumbi, que Gustavo atingiu o melhor momento técnico de sua carreira. Marcou 14 gols na Série B de 2018 e ajudou o Fortaleza, de Ceni, a conquistar o título e garantir o acesso à elite nacional deste ano.

Com a vitória deste domingo, o Corinthians assumiu a liderança do Grupo C com 10 pontos. Ferroviária e Bragantino, com 9, ocupam a segunda e a terceira posição, respectivamente.

A situação do São Paulo no Grupo D pode se complicar nesta segunda (18). Com 9 pontos na vice-liderança, pode ser ultrapassado pelo Oeste, que tem a mesma pontuação e enfrenta o São Bento.

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Henrique, Manoel e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso (Richard), Pedrinho (Mateus Vital), Sornoza e Clayson (Vagner Love); Gustavo.
T.: Fábio Carille

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Igor Vinícius, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Hudson, Willian Farias (Nenê), Hernanes; Everton (Antony), Pablo (Diego Souza) e Gonzalo Carneiro.
T.: Vágner Mancini

Árbitro: Lucas Canetto Bellote
Auxiliares: Daniel Luis Marques e Emerson Augusto de Carvalho
Público/Renda: 42.203 pagantes/R$ 2.219.753
Cartões amarelos: Pedrinho (COR); Igor Vinícius e Hernanes (SPA)
Gols: Manoel (COR), aos 43 minutos do primeiro tempo, e Gustavo (COR), aos 27 minutos do segundo tempo; Pablo (SPA), aos 11 minutos do segundo tempo. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade