Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Willian Cardoso, o Panda, já está na Austrália esperando o circuito mundial
Italo MC

Segunda, 1/4/2019 11:36.

O surfista de Balneário Camboriú, Willian Cardoso, já está na Austrália esperando a abertura do circuito mundial. Desde o dia 07 de março, ele estava em El Salvador, junto com o preparador físico Fernando Ricci, para uma temporada de 13 dias, finalizando sua preparação novamente em um país do Caribe. O atleta de 33 anos está buscando melhorar sua performance entre os maiores sufistas do mundo, já que em 2018 terminou o circuito na 13ª colocação, sendo o quarto melhor brasileiro no circuito mundial da WSL.

Foco nas etapas da elite

Se até o ano passado o atleta estava buscando chegar a elite mundial, e manter-se, este ano os objetivos são maiores. Após conquistar excelentes resultados em 2018 vencendo a etapa de Uluwatu e conquistando o quinto lugar em Bali, Willian ainda seguiu o circuito encaixando poderosas notas e vencendo baterias complicadas, superando as expectativas e demonstrando que chegou no tour para ficar. A abertura do circuito será no dia 03 de abril no pico de Snapper Rocks, na Gold Coast australiana.

Potencial local para performance mundial

Se o Panda tem notoriedade entre os atletas do circuito, localmente também é referência. Aliás, pensar globalmente e agir localmente é a métrica estabelecida pelo atleta para conquistar o espaço necessário dentro do surfe mundial. Seu local de treinos preferido fica na Praia Brava de Itajaí, praia vizinha à cidade de Balneário Camboriú, um dos celeiros do surfe brasileiro.

“Cresci em Balneário Camboriú, onde aprendi a surfar e me apaixonar pelo esporte. Mas a Praia Brava sempre foi o local onde pude colocar meus limites à prova. Estar nesse pico me faz bem. É ali que eu decidi morar”, diz.

De contrato renovado com seu patrocinador principal, a marca de roupas local Santacosta e novos patrocinadores da região também acreditando no seu surfe, o planejamento está todo focado nas 11 etapas da elite, tendo escolhido alguns eventos da divisão de acesso para disputar. Willian tem agora a experiência de estar no circuito e o conhecimento de disputar baterias com seus oponentes nas ondas mais potentes do planeta. E para isso o preparo físico é importante. O circuito mundial é desgastante, força o atleta a ficar longe de casa por quase oito meses ininterruptos, e isso mexe com todo o metabolismo. Para isso o panda tem feito um treinamento específico para manter suas características principais, a força nas manobras e a rapidez nos tubos para encarar as condições adversas de ondas, corrente e arrebentação.

Além disso, por se tratar de locais onde a cultura difere muito, faz acompanhamento especifico para alimentação com a nutricionista Francesca Kunz. Para evitar lesões e disfunções faz tratamento na clínica Osteosports.

Ações sociais

Em parceria com a Fundação Municipal de Esportes de Balneário Camboriú, Willian está iniciando um projeto social através da escolinha de surfe do município, distribuindo materiais para a prática do surfe além de ministrar aulas e palestras para estudantes da rede municipal de ensino da cidade. Esta é uma forma de aproximar as crianças para exemplos positivos, onde o esporte tem envolvimento direto na formação pessoal e pode se tornar objetivo de vida. As aulas serão ministradas durante o ano de 2019, enquanto o atleta estiver na cidade.

Willian Cardoso tem o patrocínio de Santacosta, Anasol, Santa Luzia, Snapy Surfboards, The Loft, Hike brava e Mendes Empreendimentos, apoio de Janga Brasil, Sunset Brew, Jam Traction, feather fins e Instituto Ippo. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Willian Cardoso, o Panda, já está na Austrália esperando o circuito mundial

Italo MC

Publicidade

Segunda, 1/4/2019 11:36.

O surfista de Balneário Camboriú, Willian Cardoso, já está na Austrália esperando a abertura do circuito mundial. Desde o dia 07 de março, ele estava em El Salvador, junto com o preparador físico Fernando Ricci, para uma temporada de 13 dias, finalizando sua preparação novamente em um país do Caribe. O atleta de 33 anos está buscando melhorar sua performance entre os maiores sufistas do mundo, já que em 2018 terminou o circuito na 13ª colocação, sendo o quarto melhor brasileiro no circuito mundial da WSL.

Foco nas etapas da elite

Se até o ano passado o atleta estava buscando chegar a elite mundial, e manter-se, este ano os objetivos são maiores. Após conquistar excelentes resultados em 2018 vencendo a etapa de Uluwatu e conquistando o quinto lugar em Bali, Willian ainda seguiu o circuito encaixando poderosas notas e vencendo baterias complicadas, superando as expectativas e demonstrando que chegou no tour para ficar. A abertura do circuito será no dia 03 de abril no pico de Snapper Rocks, na Gold Coast australiana.

Potencial local para performance mundial

Se o Panda tem notoriedade entre os atletas do circuito, localmente também é referência. Aliás, pensar globalmente e agir localmente é a métrica estabelecida pelo atleta para conquistar o espaço necessário dentro do surfe mundial. Seu local de treinos preferido fica na Praia Brava de Itajaí, praia vizinha à cidade de Balneário Camboriú, um dos celeiros do surfe brasileiro.

“Cresci em Balneário Camboriú, onde aprendi a surfar e me apaixonar pelo esporte. Mas a Praia Brava sempre foi o local onde pude colocar meus limites à prova. Estar nesse pico me faz bem. É ali que eu decidi morar”, diz.

De contrato renovado com seu patrocinador principal, a marca de roupas local Santacosta e novos patrocinadores da região também acreditando no seu surfe, o planejamento está todo focado nas 11 etapas da elite, tendo escolhido alguns eventos da divisão de acesso para disputar. Willian tem agora a experiência de estar no circuito e o conhecimento de disputar baterias com seus oponentes nas ondas mais potentes do planeta. E para isso o preparo físico é importante. O circuito mundial é desgastante, força o atleta a ficar longe de casa por quase oito meses ininterruptos, e isso mexe com todo o metabolismo. Para isso o panda tem feito um treinamento específico para manter suas características principais, a força nas manobras e a rapidez nos tubos para encarar as condições adversas de ondas, corrente e arrebentação.

Além disso, por se tratar de locais onde a cultura difere muito, faz acompanhamento especifico para alimentação com a nutricionista Francesca Kunz. Para evitar lesões e disfunções faz tratamento na clínica Osteosports.

Ações sociais

Em parceria com a Fundação Municipal de Esportes de Balneário Camboriú, Willian está iniciando um projeto social através da escolinha de surfe do município, distribuindo materiais para a prática do surfe além de ministrar aulas e palestras para estudantes da rede municipal de ensino da cidade. Esta é uma forma de aproximar as crianças para exemplos positivos, onde o esporte tem envolvimento direto na formação pessoal e pode se tornar objetivo de vida. As aulas serão ministradas durante o ano de 2019, enquanto o atleta estiver na cidade.

Willian Cardoso tem o patrocínio de Santacosta, Anasol, Santa Luzia, Snapy Surfboards, The Loft, Hike brava e Mendes Empreendimentos, apoio de Janga Brasil, Sunset Brew, Jam Traction, feather fins e Instituto Ippo. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade