Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Hugo Calderano ganha prata inédita no tênis de mesa
EBC.

Segunda, 12/3/2018 7:16.

(FOLHAPRESS) - O atleta brasileiro de tênis de mesa Hugo Calderano foi derrotado na manhã de domingo (11) pelo chinês Fan Zhendong, pelo placar de 4 a 0 (parciais de 13/11, 12/10, 11/7 e 11/7), e ficou com a prata na final do Aberto do Qatar.

O resultado não diminui o feito histórico de Calderano, primeiro brasileiro a chegar à final individual de uma etapa Platinum do Circuito Mundial, torneio que equivaleria a Grand Slam no tênis. Em 2015, também no Qatar, ele levou a prata no torneio de duplas, com Gustavo Tsuboi.

O brasileiro, que iniciou a competição como 15º no ranking –melhor colocação de um latino-americano na história–, derrotou três atletas em melhor posição: o alemão Timo Boll, primeiro do ranking; o japonês Tomokazu Harimoto, 12º; e o chinês Lin Gaoyuan, no quarto lugar.

No domingo, Calderano começou bem a partida e abriu cinco pontos de vantagem sobre Zhendong, mas perdeu a chance de fechar o set e viu o chinês virar a parcial.

No segundo set, a história se repetiu. Com vantagem, Calderano não conseguiu bater o chinês quando liderava por 10/9. Zhendong comandou com folga os dois sets seguintes e garantiu o ouro na competição no Qatar.

Esta é a segunda vez no ano que Calderano enfrenta o chinês, prata no campeonato mundial de 2017 e que assumirá a liderança do ranking com o resultado. Na primeira, que ocorreu na semifinal do Aberto da Hungria, em janeiro, o brasileiro também saiu derrotado, por 4 a 1.

Nos últimos anos, o jogador vem acumulando resultados expressivos e conquistas inéditas para o Brasil.

Em 2016, conquistou uma medalha de prata individual no Aberto da Áustria e um ouro em duplas no Aberto da Suécia, com Gustavo Tsuboi.
Foi medalhista de bronze nos Jogos da Juventude de Nanquim, em 2014, de ouro no Pan de Toronto-2015 e parou nas oitavas nos Jogos do Rio, igualando a melhor campanha do país em Olimpíadas, obtida por Hugo Hoyama em Atlanta-1996.

Com as conquistas recentes, o desafio dos próximos anos para Calderano deverá ser a Olimpíada de Tóquio, em 2020. Por isso, o técnico francês Jean-René Mounie, que se dividia entre vários atletas da seleção, trabalhará quase exclusivamente no aprimoramento do jogador. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Hugo Calderano ganha prata inédita no tênis de mesa

EBC.

(FOLHAPRESS) - O atleta brasileiro de tênis de mesa Hugo Calderano foi derrotado na manhã de domingo (11) pelo chinês Fan Zhendong, pelo placar de 4 a 0 (parciais de 13/11, 12/10, 11/7 e 11/7), e ficou com a prata na final do Aberto do Qatar.

O resultado não diminui o feito histórico de Calderano, primeiro brasileiro a chegar à final individual de uma etapa Platinum do Circuito Mundial, torneio que equivaleria a Grand Slam no tênis. Em 2015, também no Qatar, ele levou a prata no torneio de duplas, com Gustavo Tsuboi.

O brasileiro, que iniciou a competição como 15º no ranking –melhor colocação de um latino-americano na história–, derrotou três atletas em melhor posição: o alemão Timo Boll, primeiro do ranking; o japonês Tomokazu Harimoto, 12º; e o chinês Lin Gaoyuan, no quarto lugar.

No domingo, Calderano começou bem a partida e abriu cinco pontos de vantagem sobre Zhendong, mas perdeu a chance de fechar o set e viu o chinês virar a parcial.

No segundo set, a história se repetiu. Com vantagem, Calderano não conseguiu bater o chinês quando liderava por 10/9. Zhendong comandou com folga os dois sets seguintes e garantiu o ouro na competição no Qatar.

Esta é a segunda vez no ano que Calderano enfrenta o chinês, prata no campeonato mundial de 2017 e que assumirá a liderança do ranking com o resultado. Na primeira, que ocorreu na semifinal do Aberto da Hungria, em janeiro, o brasileiro também saiu derrotado, por 4 a 1.

Nos últimos anos, o jogador vem acumulando resultados expressivos e conquistas inéditas para o Brasil.

Em 2016, conquistou uma medalha de prata individual no Aberto da Áustria e um ouro em duplas no Aberto da Suécia, com Gustavo Tsuboi.
Foi medalhista de bronze nos Jogos da Juventude de Nanquim, em 2014, de ouro no Pan de Toronto-2015 e parou nas oitavas nos Jogos do Rio, igualando a melhor campanha do país em Olimpíadas, obtida por Hugo Hoyama em Atlanta-1996.

Com as conquistas recentes, o desafio dos próximos anos para Calderano deverá ser a Olimpíada de Tóquio, em 2020. Por isso, o técnico francês Jean-René Mounie, que se dividia entre vários atletas da seleção, trabalhará quase exclusivamente no aprimoramento do jogador. 

Publicidade

Publicidade