Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esporte
Botafogo joga mal, comete lambança e só empata com Vitória no Engenhão

Segunda, 28/5/2018 7:09.

Publicidade

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Tudo igual no Engenhão. Em duelo fraco realizado na tarde deste domingo (27), pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, Botafogo e Vitória encontraram enorme dificuldade no setor de criação e não saíram de um empate por 1 a 1. Os gols só saíram por causa de vacilos das defesas das duas equipes, principalmente a do time carioca.

Acompanhado por menos de 6 mil pessoas no estádio, o jogo ficou marcado por uma lambança da defesa do Botafogo, em especial de Jefferson, que saiu jogando mal após ter a bola recuada por Bochecha e 'entregou' o gol ao Vitória. O goleiro, porém, redimiu-se em seguida ao dar uma assistência (em ligação direta) para Kieza empatar.

O Botafogo perde a chance de encostar no pelotão de cima da tabela e, com nove pontos, fica na 12ª posição. O Vitória, por sua vez, vai aos oito e consegue se distanciar um pouco mais da zona de rebaixamento, ocupando o 14º lugar. O time de Vagner Mancini não perde há três rodadas.

Os dois times retornam aos gramados na próxima quarta-feira (30), pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. O Botafogo visita o São Paulo, no Morumbi, às 21h, enquanto o Vitória recebe o Internacional, no Barradão, um pouco mais cedo: às 19h30.

O melhor jogador da partida foi Neilton. Ele não teve uma grande atuação, mas foi o mais lúcido em campo. Soube aproveitar os cochilos do Botafogo, especialmente no lance do gol do Vitória, em que roubou a bola e serviu Denílson.

O pior foi Gustavo Bochecha. Ele irritou a torcida presente no Engenhão. Inseguro, abusou dos recuos para o goleiro Jefferson e acabou substituído já no intervalo pelo técnico Alberto Valentim.

Não é nenhum absurdo dizer que o primeiro tempo no Engenhão vinha sendo um dos piores do Campeonato Brasileiro. Desde o apito inicial, o que se viu foi um show de passes errados, pouca objetividade e muita irritação da torcida do Botafogo, que a quase todo momento via o meio-campo do seu time tocar bola sem levar perigo e sua defesa recuar a bola para Jefferson.

E de tanto o Botafogo recuar a bola para seu goleiro, uma hora deu errado -e o Vitória aproveitou. Gustavo Bochecha acionou Jefferson, que cortou Denílson e deu um passe na fogueira para a lateral, em direção a Marcinho. Esperto, Neílton se antecipou e cruzou na medida para Denílson abrir o placar, aos 38min.

O jogo melhorou e, cinco minutos depois, em mais uma bola recuada, Jefferson se redimiu. A ligação direta do goleiro deu certo, Kieza aproveitou o cochilo de Ramon e, ao entrar na área, deixou tudo igual no Engenhão.

Insatisfeito com o que o Botafogo produziu na etapa inicial, Alberto Valentim já voltou do intervalo com o uruguaio Aguirre na vaga de Bochecha. Pouco depois, colocou mais um atacante em campo: Ezequiel, na vaga de João Pedro. Na teoria, era para o Botafogo buscar mais o ataque, mas não foi o que aconteceu. O equilíbrio entre as equipes -e o jogo de baixo nível- permaneceu.

Em um dos últimos lances da partida, ainda sobrou reclamação por parte do Botafogo. O time alvinegro pediu pênalti em uma disputa de bola de Kieza, que caiu após contato de Aderllan. Ele reclamou, mas o juiz mandou o jogo seguir.

BOTAFOGO
Jefferson; Marcinho, Yago, Igor Rabello, Moisés; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Gustavo Bochecha (Rodrigo Aguirre); Luiz Fernando (Leo Valencia), João Pedro (Ezequiel), Kieza. T. : Alberto Valentim

VITÓRIA
Elias; Lucas, Aderllan, Ramon, Jeferson; Rodrigo Andrade, Zé Welison, Rhayner (Lucas Fernandes); Neilton, Wallyson (André Lima), Denílson (Yago). T.: Vagner Mancini

Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro
Juiz: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
Público/Renda: 4.779 pagantes e 5.857 presentes / R$ 129.145,00
Cartões amarelos: Rhayner, Jeferson, Neilton e Yago (Vitória); Matheus Fernandes (Botafogo)
Gols: Denílson, aos 36min do primeiro tempo (Vitória); Kieza, aos 44min do primeiro tempo (Botafogo).


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Botafogo joga mal, comete lambança e só empata com Vitória no Engenhão

Publicidade

Segunda, 28/5/2018 7:09.

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Tudo igual no Engenhão. Em duelo fraco realizado na tarde deste domingo (27), pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, Botafogo e Vitória encontraram enorme dificuldade no setor de criação e não saíram de um empate por 1 a 1. Os gols só saíram por causa de vacilos das defesas das duas equipes, principalmente a do time carioca.

Acompanhado por menos de 6 mil pessoas no estádio, o jogo ficou marcado por uma lambança da defesa do Botafogo, em especial de Jefferson, que saiu jogando mal após ter a bola recuada por Bochecha e 'entregou' o gol ao Vitória. O goleiro, porém, redimiu-se em seguida ao dar uma assistência (em ligação direta) para Kieza empatar.

O Botafogo perde a chance de encostar no pelotão de cima da tabela e, com nove pontos, fica na 12ª posição. O Vitória, por sua vez, vai aos oito e consegue se distanciar um pouco mais da zona de rebaixamento, ocupando o 14º lugar. O time de Vagner Mancini não perde há três rodadas.

Os dois times retornam aos gramados na próxima quarta-feira (30), pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. O Botafogo visita o São Paulo, no Morumbi, às 21h, enquanto o Vitória recebe o Internacional, no Barradão, um pouco mais cedo: às 19h30.

O melhor jogador da partida foi Neilton. Ele não teve uma grande atuação, mas foi o mais lúcido em campo. Soube aproveitar os cochilos do Botafogo, especialmente no lance do gol do Vitória, em que roubou a bola e serviu Denílson.

O pior foi Gustavo Bochecha. Ele irritou a torcida presente no Engenhão. Inseguro, abusou dos recuos para o goleiro Jefferson e acabou substituído já no intervalo pelo técnico Alberto Valentim.

Não é nenhum absurdo dizer que o primeiro tempo no Engenhão vinha sendo um dos piores do Campeonato Brasileiro. Desde o apito inicial, o que se viu foi um show de passes errados, pouca objetividade e muita irritação da torcida do Botafogo, que a quase todo momento via o meio-campo do seu time tocar bola sem levar perigo e sua defesa recuar a bola para Jefferson.

E de tanto o Botafogo recuar a bola para seu goleiro, uma hora deu errado -e o Vitória aproveitou. Gustavo Bochecha acionou Jefferson, que cortou Denílson e deu um passe na fogueira para a lateral, em direção a Marcinho. Esperto, Neílton se antecipou e cruzou na medida para Denílson abrir o placar, aos 38min.

O jogo melhorou e, cinco minutos depois, em mais uma bola recuada, Jefferson se redimiu. A ligação direta do goleiro deu certo, Kieza aproveitou o cochilo de Ramon e, ao entrar na área, deixou tudo igual no Engenhão.

Insatisfeito com o que o Botafogo produziu na etapa inicial, Alberto Valentim já voltou do intervalo com o uruguaio Aguirre na vaga de Bochecha. Pouco depois, colocou mais um atacante em campo: Ezequiel, na vaga de João Pedro. Na teoria, era para o Botafogo buscar mais o ataque, mas não foi o que aconteceu. O equilíbrio entre as equipes -e o jogo de baixo nível- permaneceu.

Em um dos últimos lances da partida, ainda sobrou reclamação por parte do Botafogo. O time alvinegro pediu pênalti em uma disputa de bola de Kieza, que caiu após contato de Aderllan. Ele reclamou, mas o juiz mandou o jogo seguir.

BOTAFOGO
Jefferson; Marcinho, Yago, Igor Rabello, Moisés; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Gustavo Bochecha (Rodrigo Aguirre); Luiz Fernando (Leo Valencia), João Pedro (Ezequiel), Kieza. T. : Alberto Valentim

VITÓRIA
Elias; Lucas, Aderllan, Ramon, Jeferson; Rodrigo Andrade, Zé Welison, Rhayner (Lucas Fernandes); Neilton, Wallyson (André Lima), Denílson (Yago). T.: Vagner Mancini

Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro
Juiz: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
Público/Renda: 4.779 pagantes e 5.857 presentes / R$ 129.145,00
Cartões amarelos: Rhayner, Jeferson, Neilton e Yago (Vitória); Matheus Fernandes (Botafogo)
Gols: Denílson, aos 36min do primeiro tempo (Vitória); Kieza, aos 44min do primeiro tempo (Botafogo).


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade