Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Lateral suíço aposta em defesa e histórico contra grandes para frear Brasil
Divulgação / Instagram
Ricardo Rodriguez

Quinta, 14/6/2018 11:07.

JULIO GOMES / TOGLIATTI, RÚSSIA (UOL/FOLHAPRESS)

Todos os jogadores da Suíça que falaram com os jornalistas desde segunda-feira (11), quando a seleção helvética chegou à cidade de Togliatti, na Rússia, foram questionados sobre como parar o Brasil. As respostas pareciam quase combinadas: "Não podemos abrir nossa estratégia".

A exceção foi Ricardo Rodríguez, lateral-esquerdo do Milan, autor do gol da classificação para a Copa e um dos jogadores mais conhecidos da seleção suíça.

"Nós já mostramos que podemos jogar bem contra os grandes times. Temos uma defesa forte. A grande chave é fazer o gol na chance que tivermos. Não teremos muitas chances. Quando tivermos, tem que aproveitar", disse Rodríguez após o treino -mais uma vez fechado- da Suíça, na Rússia.

A estratégia de futebol reativo, admitida por Rodríguez, não é exatamente uma novidade. Nos últimos anos, o jogo da Suíça tem essa impressão digital. Um time que se defende bem e tenta machucar o adversário com um ou outro contra-ataque, uma ou outra bola parada.

Foi assim que os suíços venceram a Espanha, na abertura da Copa de 2010 -os espanhóis acabariam sendo campeões do mundo. Foi assim que eles seguraram o 0 a 0 com a Argentina até o último minuto da prorrogação na Copa de 2014, no Brasil.

"A diferença é que agora temos mais talento", diz Gelson Fernandes, nascido em Cabo Verde. O volante falou alemão, francês, italiano, inglês e português, todos com perfeição, na entrevista coletiva desta quinta (14).

"Perdemos um jogo para Portugal [nas eliminatórias]. Mas também ganhamos um jogo deles. E empatamos com a Espanha. Foi um jogo importante para saber em que nível estamos, já que nas eliminatórias não havíamos sofrido tanto", disse, referindo-se ao amistoso disputado em maio."O Brasil é um dos favoritos a ganhar o Mundial, mas nós somos bons em partidas assim", avisa Rodríguez.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Volume de resíduos não é um indicador seguro da quantidade de turistas


Policia

Praça central de Balneário Camboriú é o ponto preferido também de andarilhos e usuários 


Policia

A suspeita é que funcionários dos gabinetes da Alerj devolviam parte dos salários


Política


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Lateral suíço aposta em defesa e histórico contra grandes para frear Brasil

Divulgação / Instagram
Ricardo Rodriguez
Ricardo Rodriguez
Quinta, 14/6/2018 11:07.

JULIO GOMES / TOGLIATTI, RÚSSIA (UOL/FOLHAPRESS)

Todos os jogadores da Suíça que falaram com os jornalistas desde segunda-feira (11), quando a seleção helvética chegou à cidade de Togliatti, na Rússia, foram questionados sobre como parar o Brasil. As respostas pareciam quase combinadas: "Não podemos abrir nossa estratégia".

A exceção foi Ricardo Rodríguez, lateral-esquerdo do Milan, autor do gol da classificação para a Copa e um dos jogadores mais conhecidos da seleção suíça.

"Nós já mostramos que podemos jogar bem contra os grandes times. Temos uma defesa forte. A grande chave é fazer o gol na chance que tivermos. Não teremos muitas chances. Quando tivermos, tem que aproveitar", disse Rodríguez após o treino -mais uma vez fechado- da Suíça, na Rússia.

A estratégia de futebol reativo, admitida por Rodríguez, não é exatamente uma novidade. Nos últimos anos, o jogo da Suíça tem essa impressão digital. Um time que se defende bem e tenta machucar o adversário com um ou outro contra-ataque, uma ou outra bola parada.

Foi assim que os suíços venceram a Espanha, na abertura da Copa de 2010 -os espanhóis acabariam sendo campeões do mundo. Foi assim que eles seguraram o 0 a 0 com a Argentina até o último minuto da prorrogação na Copa de 2014, no Brasil.

"A diferença é que agora temos mais talento", diz Gelson Fernandes, nascido em Cabo Verde. O volante falou alemão, francês, italiano, inglês e português, todos com perfeição, na entrevista coletiva desta quinta (14).

"Perdemos um jogo para Portugal [nas eliminatórias]. Mas também ganhamos um jogo deles. E empatamos com a Espanha. Foi um jogo importante para saber em que nível estamos, já que nas eliminatórias não havíamos sofrido tanto", disse, referindo-se ao amistoso disputado em maio."O Brasil é um dos favoritos a ganhar o Mundial, mas nós somos bons em partidas assim", avisa Rodríguez.

Publicidade

Publicidade