Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Lateral suíço aposta em defesa e histórico contra grandes para frear Brasil
Divulgação / Instagram
Ricardo Rodriguez

Quinta, 14/6/2018 11:07.

JULIO GOMES / TOGLIATTI, RÚSSIA (UOL/FOLHAPRESS)

Todos os jogadores da Suíça que falaram com os jornalistas desde segunda-feira (11), quando a seleção helvética chegou à cidade de Togliatti, na Rússia, foram questionados sobre como parar o Brasil. As respostas pareciam quase combinadas: "Não podemos abrir nossa estratégia".

A exceção foi Ricardo Rodríguez, lateral-esquerdo do Milan, autor do gol da classificação para a Copa e um dos jogadores mais conhecidos da seleção suíça.

"Nós já mostramos que podemos jogar bem contra os grandes times. Temos uma defesa forte. A grande chave é fazer o gol na chance que tivermos. Não teremos muitas chances. Quando tivermos, tem que aproveitar", disse Rodríguez após o treino -mais uma vez fechado- da Suíça, na Rússia.

A estratégia de futebol reativo, admitida por Rodríguez, não é exatamente uma novidade. Nos últimos anos, o jogo da Suíça tem essa impressão digital. Um time que se defende bem e tenta machucar o adversário com um ou outro contra-ataque, uma ou outra bola parada.

Foi assim que os suíços venceram a Espanha, na abertura da Copa de 2010 -os espanhóis acabariam sendo campeões do mundo. Foi assim que eles seguraram o 0 a 0 com a Argentina até o último minuto da prorrogação na Copa de 2014, no Brasil.

"A diferença é que agora temos mais talento", diz Gelson Fernandes, nascido em Cabo Verde. O volante falou alemão, francês, italiano, inglês e português, todos com perfeição, na entrevista coletiva desta quinta (14).

"Perdemos um jogo para Portugal [nas eliminatórias]. Mas também ganhamos um jogo deles. E empatamos com a Espanha. Foi um jogo importante para saber em que nível estamos, já que nas eliminatórias não havíamos sofrido tanto", disse, referindo-se ao amistoso disputado em maio."O Brasil é um dos favoritos a ganhar o Mundial, mas nós somos bons em partidas assim", avisa Rodríguez.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Fabrício Oliveira é acusado de omissão em relação ao loteamento clandestino Vila Fortaleza


Política


Cidade

Devido a declarações falsas, BC Port é alvo de investigação 


Cidade

Vice-prefeito quer estudar o assunto com mais cuidado 


Publicidade


Publicidade


Saúde

Evento é especial para mulheres e inscrições estão abertas


Esportes


Publicidade

Revestimento que já foi sucesso é tendência novamente


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Lateral suíço aposta em defesa e histórico contra grandes para frear Brasil

Divulgação / Instagram
Ricardo Rodriguez
Ricardo Rodriguez
Quinta, 14/6/2018 11:07.

JULIO GOMES / TOGLIATTI, RÚSSIA (UOL/FOLHAPRESS)

Todos os jogadores da Suíça que falaram com os jornalistas desde segunda-feira (11), quando a seleção helvética chegou à cidade de Togliatti, na Rússia, foram questionados sobre como parar o Brasil. As respostas pareciam quase combinadas: "Não podemos abrir nossa estratégia".

A exceção foi Ricardo Rodríguez, lateral-esquerdo do Milan, autor do gol da classificação para a Copa e um dos jogadores mais conhecidos da seleção suíça.

"Nós já mostramos que podemos jogar bem contra os grandes times. Temos uma defesa forte. A grande chave é fazer o gol na chance que tivermos. Não teremos muitas chances. Quando tivermos, tem que aproveitar", disse Rodríguez após o treino -mais uma vez fechado- da Suíça, na Rússia.

A estratégia de futebol reativo, admitida por Rodríguez, não é exatamente uma novidade. Nos últimos anos, o jogo da Suíça tem essa impressão digital. Um time que se defende bem e tenta machucar o adversário com um ou outro contra-ataque, uma ou outra bola parada.

Foi assim que os suíços venceram a Espanha, na abertura da Copa de 2010 -os espanhóis acabariam sendo campeões do mundo. Foi assim que eles seguraram o 0 a 0 com a Argentina até o último minuto da prorrogação na Copa de 2014, no Brasil.

"A diferença é que agora temos mais talento", diz Gelson Fernandes, nascido em Cabo Verde. O volante falou alemão, francês, italiano, inglês e português, todos com perfeição, na entrevista coletiva desta quinta (14).

"Perdemos um jogo para Portugal [nas eliminatórias]. Mas também ganhamos um jogo deles. E empatamos com a Espanha. Foi um jogo importante para saber em que nível estamos, já que nas eliminatórias não havíamos sofrido tanto", disse, referindo-se ao amistoso disputado em maio."O Brasil é um dos favoritos a ganhar o Mundial, mas nós somos bons em partidas assim", avisa Rodríguez.

Publicidade

Publicidade