Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esporte
Após sucesso 'decime que se siente', argentinos tentam novo hit na Copa

Terça, 12/6/2018 11:31.
Divulgação / FIFA ES

Publicidade

ALEX SABINO /BRONNITSI, RÚSSIA (FOLHAPRESS)

Uma música que nasceu de forma despretensiosa, o "Brasil decime que se siente" (Brasil me diga o que sente, em espanhol) se tornou uma febre na Copa de 2014. Composta porseis amigos que viajaram para o Rio de Janeiro pouco antes do Mundial, era cantada até pelos jogadores da seleção na Cidade do Galo em Vespasiano, local deconcentração.

O sucesso fez nascer uma concorrência decanções da torcida argentina candidatas a serem o hit da torcida do país na Rússia. "A ideia inicial era ter umamúsica específica para incentivar a seleção, algo que não havia antes", disse Nacho Narraca, um doscompositores do "Brasil decime que se siente", que em parte porter um ritmo facilmente assimilável, chamava a atençãopela ousadia dezombar do país-sede da Copa de 2014 por causa da vitória argentina na Copa de 1990 e terminava afirmando que Maradona era melhor que Pelé.

Após a vitória por 1 a 0 sobre o Irã, no Mineirão, 30 mil argentinos ficaram 15 minutos após a partida cantando a música dentro do estádio.Narraca, Patricio, Francisco, Juan, Juan Chope e Martín, os seis amigos que compuseram a canção, fizeram outra para o Mundial de 2018.

A ideia é que se espalhe entre os torcedores a partir de sábado (16), quando a seleção estreia no Mundial, contra a Islândia, em Moscou. "Vamos tentar repetir o mesmo sucesso. Desta vez há outros concorrentes, pessoas que também perceberam que uma música para o Mundial pode ter sucesso", completa Narraca.

A música deles desta vez não faz qualquer provocação ao Brasil, tem ritmo mais acelerado e é ufanista.

A maior concorrente é uma versão de "Imposible" (Impossível), da banda Callejeros, a favorita do técnico Jorge Sampaoli. Esta diz que "os brasucas vão chorar".

Mas a inspiração, na verdade, é o "Otra vez em primera van a ver a papá" (Outra vez na primeira vocês vão ver o papai), música da torcida do All Boys, clube de Buenos Aires da terceira divisão, que também é uma versão de "Imposible". Tanto que a letra escrita para incentivar a Argentina no Mundial termina dizendo "porque este año la copa se la lleva papá" (porque este ano levamos a Copa, papai).

Há também uma que usa o ritmo mais acelerado da música "Bella Ciao", da série espanhola "La Casa de Papel", que faz sucesso no Netflix.Nacho e seus cinco amigos divulgaram o que espera ser o sucessodo "Brasil decime que se siente" nesta segunda (11).

Eles chegam a Moscou na quinta (14) para torcer pela Argentina e divulgá-la. Atrapalha repetir o fenômeno do Brasil a proibição do governo russo de aglomeração de torcedores em pontos turísticos. Isso fez com que um "bandeiraço" dos torcedores na Praça Vermelha fosse cancelado. Foi em um evento desse, em Copacabana, há quatro anos, que a despretensiosa música se espalhou como pólvora.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação / FIFA ES

Após sucesso 'decime que se siente', argentinos tentam novo hit na Copa

Publicidade

Terça, 12/6/2018 11:31.

ALEX SABINO /BRONNITSI, RÚSSIA (FOLHAPRESS)

Uma música que nasceu de forma despretensiosa, o "Brasil decime que se siente" (Brasil me diga o que sente, em espanhol) se tornou uma febre na Copa de 2014. Composta porseis amigos que viajaram para o Rio de Janeiro pouco antes do Mundial, era cantada até pelos jogadores da seleção na Cidade do Galo em Vespasiano, local deconcentração.

O sucesso fez nascer uma concorrência decanções da torcida argentina candidatas a serem o hit da torcida do país na Rússia. "A ideia inicial era ter umamúsica específica para incentivar a seleção, algo que não havia antes", disse Nacho Narraca, um doscompositores do "Brasil decime que se siente", que em parte porter um ritmo facilmente assimilável, chamava a atençãopela ousadia dezombar do país-sede da Copa de 2014 por causa da vitória argentina na Copa de 1990 e terminava afirmando que Maradona era melhor que Pelé.

Após a vitória por 1 a 0 sobre o Irã, no Mineirão, 30 mil argentinos ficaram 15 minutos após a partida cantando a música dentro do estádio.Narraca, Patricio, Francisco, Juan, Juan Chope e Martín, os seis amigos que compuseram a canção, fizeram outra para o Mundial de 2018.

A ideia é que se espalhe entre os torcedores a partir de sábado (16), quando a seleção estreia no Mundial, contra a Islândia, em Moscou. "Vamos tentar repetir o mesmo sucesso. Desta vez há outros concorrentes, pessoas que também perceberam que uma música para o Mundial pode ter sucesso", completa Narraca.

A música deles desta vez não faz qualquer provocação ao Brasil, tem ritmo mais acelerado e é ufanista.

A maior concorrente é uma versão de "Imposible" (Impossível), da banda Callejeros, a favorita do técnico Jorge Sampaoli. Esta diz que "os brasucas vão chorar".

Mas a inspiração, na verdade, é o "Otra vez em primera van a ver a papá" (Outra vez na primeira vocês vão ver o papai), música da torcida do All Boys, clube de Buenos Aires da terceira divisão, que também é uma versão de "Imposible". Tanto que a letra escrita para incentivar a Argentina no Mundial termina dizendo "porque este año la copa se la lleva papá" (porque este ano levamos a Copa, papai).

Há também uma que usa o ritmo mais acelerado da música "Bella Ciao", da série espanhola "La Casa de Papel", que faz sucesso no Netflix.Nacho e seus cinco amigos divulgaram o que espera ser o sucessodo "Brasil decime que se siente" nesta segunda (11).

Eles chegam a Moscou na quinta (14) para torcer pela Argentina e divulgá-la. Atrapalha repetir o fenômeno do Brasil a proibição do governo russo de aglomeração de torcedores em pontos turísticos. Isso fez com que um "bandeiraço" dos torcedores na Praça Vermelha fosse cancelado. Foi em um evento desse, em Copacabana, há quatro anos, que a despretensiosa música se espalhou como pólvora.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade