Jornal Página 3

Ferrari muda projeto para enfrentar Mercedes de igual para igual
Divulgação.

Quinta, 11/1/2018 9:15.

(JULIANNE CERASOLI - UOL/FOLHAPRESS) - Em 2017, a diferença significativa, pelo menos em termos de F-1: o carro da Mercedes era bem mais longo que o carro da Ferrari. Muito em função disso, enquanto o equipamento de Lewis Hamilton e Valtteri Bottas voava nas curvas de alta, tendo dominado em circuitos velozes como Silverstone e Monza, o bólido de Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen era imbatível em pistas mais sinuosas, como Mônaco e Hungaroring.

Mas, no final das contas, a vantagem nas curvas de baixa velocidade não foi suficiente para a Ferrari derrotar a Mercedes, em um campeonato decidido com duas provas de antecipação a favor de Hamilton. Não é por acaso, portanto, que os italianos decidiram mudar de estratégia para a temporada que começa dia 25 de março, na Austrália.

Visando tornar o carro mais rápido em curvas de alta velocidade, mas ainda mantendo a agilidade e a adaptabilidade que marcou o modelo de 2017, a distância entre eixos do carro desenhado por Simone Resta para 2018 vai superar tranquilamente 3,6m e chegar perto dos 3,76m usados pela Mercedes ano passado. Em 2017, o carro campeão do mundo era, de longe, o mais longo do grid, enquanto a distância entre eixos do Ferrari não passava de 3,594m.

Na Mercedes, existe a expectativa de que o carro seja um pouco mais curto, mas o princípio segue o mesmo, como adiantou Niki Lauda. "O comprimento nunca foi um problema. Tivemos problemas de aerodinâmica. Houve momentos em que o carro se comportou de maneira fantástica, outras vezes não", avaliou.

RED BULL

Outro ponto de convergência entre os modelos de Ferrari e Mercedes deve ser no foco dado à exploração do chamado rake, diferença de altura entre as partes frontal e traseira do carro.

Desde a época em que foi tetracampeã mundial, entre 2010 e 2013, a Red Bull vem utilizando rakes bastante agressivos -a parte traseira bem mais alta que a dianteira. Isso cria uma espécie de "efeito-solo", melhorando a performance do difusor e deixando o carro mais "grudado" no chão nas curvas, especialmente de alta velocidade.

Ano passado, a McLaren foi outra equipe que apostou bastante no rake mais agressivo, mas os problemas do motor Honda mascararam os resultados. No final da temporada, Mercedes -nos treinos livres do GP do Brasil- e Ferrari -em Abu Dhabi- testaram esse mesmo tipo de solução, que deve ser visto nos carros que começam a ser lançados no final de fevereiro. A Ferrari, inclusive, já divulgou a data de sua apresentação oficial: 22 de fevereiro, quatro dias antes do início dos testes coletivos de pré-temporada. 


Publicidade


Colunistas
por Augusto Cesar Diegoli
por Enéas Athanázio
por João José Leal
por Fernando Baumann
por Marlise Schneider
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
Política

Iniciativa do vereador Achutti desagradou o governo anterior e o atual 


Cidade

Câmara ficou lotada para conhecer a Big Wheel


Cidade


Cidade

Meta é 100% de cobertura de água e esgoto ainda neste ano 


Opinião

Artigo de opinião


Cultura

Dica de passeio cultural de verão


Cidade

O serviço não tem ônus adicional, é programado e deve ser agendado por telefone