Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Chapecoense perde ao retornar aos gramados em estreia na Copa SP

Quarta, 4/1/2017 7:29.

GUILHERME SETO, ENVIADO ESPECIAL
PORTO FELIZ, SP (FOLHAPRESS) - Pouco mais de um mês após ter sofrido com a maior tragédia recente do futebol brasileiro, a Chapecoense voltou a pisar em um gramado e deu início, oficialmente, à sua reconstrução. Nesta terça-feira (3), a equipe catarinense enfrentou o Nova Iguaçu em sua estreia pela Copa São Paulo de futebol júnior, e foi derrotada por 2 a 0.

A cidade de Porto Feliz, a 120 km da capital, foi a escolhida pela Federação Paulista de Futebol para receber a partida. E seus moradores reproduziram a empatia coletiva que embalou a Chapecoense desde que quase todos seus jogadores, membros da comissão técnica e dirigentes morreram em acidente aéreo em Medellín, na Colômbia. Setenta e uma pessoas foram vítimas da queda do avião.

A pequena arquibancada do estádio Ernesto Rocco, sede do Deportivo Brasil, com capacidade para 5 mil torcedores, estava ocupada pela metade. Debaixo de um calor de 34º, eles se vestiram com camisas da equipe catarinense -muitas delas falsificadas, é verdade, compradas logo nas redondezas da arena–, e cantaram o já internacional grito de "Vamos, vamos, Chape".

Na entrada ao gramado, foi solicitado pelo locutor do estádio que se fizesse um minuto de aplausos aos garotos que representariam o time de Santa Catarina. As duas equipes seguraram faixas nas quais se lia "somos mais que 11, somos todos Chapecoense" e "somos o recomeço #forçaChape".

Em sua terceira participação no torneio, a Chapecoense entrou em campo com desfalques. Quatro titulares foram promovidos recentemente ao plantel principal e dois estão lesionados. Talvez por isso, o nível técnico exibido foi discreto, e as principais jogadas da equipe foram consequência de persistência ou de apoio da torcida.

"Vim porque me comovi com a tragédia. Fiquei uma semana ruim na época. Minha vida é futebol. Sou corintiano, mas agora também sou Chapecoense", diz o paranaense Denison de Melo, 26, bisneto de uma chapecoense e que foi ao estádio com sua camisa verde e branca.
"Achei que eles [os jogadores] estariam mais traumatizados, mas estão jogando bem. Eles não podem se deixar abater nem desistir", completa.

O Nova Iguaçu foi mais incisivo e esteve perto de fazer gols em seguidas ocasiões no primeiro tempo. Em todas, desperdiçou de frente para o goleiro Tiepo.

Rhainer, camisa 9, e Lima, 10, criaram as melhores chances da equipe de Santa Catarina, mas não foram efetivos.

Gabriel, 18, lateral direito, nasceu na cidade e frequenta as arquibancadas da Arena Condá desde pequeno, "quando ninguém nem sonhava com a Série A". Atleta há cinco anos, ele se emociona ao falar da tragédia.

"A gente sentiu bastante, mas tenta ser forte. O maior exemplo que eles deixaram para nós foi de superação. Vamos superar o que aconteceu e honrá-los", diz ele, que não entrou em campo.

"Viemos com o coração quebrado, mas prontos para seguir o exemplo que eles deixaram", completa o meia Anderson, 19.

"É um sentimento difícil de explicar mesmo, não é comum. Vamos dar o nosso melhor sempre para levar o nome deles. Não podemos fazer mais do que isso: o máximo que está ao nosso alcance", conta Gabriel.

Aos 15 minutos do segundo tempo, Natan, que já perdera oportunidade claríssima, abriu o placar para o Nova Iguaçu em Porto Feliz, para decepção dos presentes, que então fizeram silêncio. Dezessete minutos depois, o mesmo Natan ampliaria a vantagem, definindo o resultado final.
Após o apito final, alguns torcedores ainda ensaiaram palmas e gritos de apoio aos garotos da equipe alviverde.

A Chapecoense volta a jogar na quinta-feira (5), contra o Sampaio Correa, e precisa de resultado positivo para se manter na briga pela classificação.

O Desportivo Brasil também venceu nesta terça (3) e ocupa a segunda colocação do grupo 14, atrás do Nova Iguaçu (que marcou um gol a mais).

Técnico diz que torcida pode atrapalhar a Chape

Todo o apoio recebido pela Chapecoense desde o acidente aéreo em novembro que vitimou quase todos seus jogadores, dirigentes e comissão técnica também pode ter seus efeitos negativos. Técnico da equipe sub-20 do time catarinense, que perdeu nesta terça-feira (3) para o Nova Iguaçu por 2 a 0 em sua estreia na Copa São Paulo de futebol júnior, Emerson Cris disse que toda a expectativa em torno dos garotos pode estar prejudicando o desempenho.

"Eu acho que, de certa forma, chegou o momento que [a torcida] está atrapalhando. São meninos muito jovens e que estão carregando um peso muito grande nas costas. Eles já carregam esse peso pela idade que têm, pelo sonho da carreira. É uma competição muito difícil. É muita coisa para gente muito jovem", diz, salientando que "talvez" essa pressão tenha influenciado no resultado do jogo.

Sobre a preparação, ele diz que tentou blindar os garotos, mas que não é possível ter sucesso por completo.

"Não adianta, não tem como esconder. A gente tenta fugir do assunto, mas na hora do hino, já tinha uma faixa. A todo momento vem à tona a imagem. Estamos tentando aprender a lidar com isso", acrescenta.

"Tem que ter calma para saber lidar com a situação para não prejudicar a carreira deles. Vamos tentar transformar isso [a tragédia] em uma maneira de torná-los mais experientes", finalizou.

A Chapecoense volta a jogar na quinta-feira (5), contra o Sampaio Correa, e precisa de resultado positivo para se manter na briga pela classificação. O Desportivo Brasil também venceu nesta terça (3) e ocupa a segunda colocação do grupo 14, atrás do Nova Iguaçu (que marcou um gol a mais). 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Política

Estratégia é oferecer cargos nos Estados aos deputados avulsos


Justiça

Ele considera ilegal a lei municipal que permitiu o empreendimento 


Cidade

O acordo põe fim a anos de insegurança e desgaste jurídico


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Chapecoense perde ao retornar aos gramados em estreia na Copa SP

Quarta, 4/1/2017 7:29.

GUILHERME SETO, ENVIADO ESPECIAL
PORTO FELIZ, SP (FOLHAPRESS) - Pouco mais de um mês após ter sofrido com a maior tragédia recente do futebol brasileiro, a Chapecoense voltou a pisar em um gramado e deu início, oficialmente, à sua reconstrução. Nesta terça-feira (3), a equipe catarinense enfrentou o Nova Iguaçu em sua estreia pela Copa São Paulo de futebol júnior, e foi derrotada por 2 a 0.

A cidade de Porto Feliz, a 120 km da capital, foi a escolhida pela Federação Paulista de Futebol para receber a partida. E seus moradores reproduziram a empatia coletiva que embalou a Chapecoense desde que quase todos seus jogadores, membros da comissão técnica e dirigentes morreram em acidente aéreo em Medellín, na Colômbia. Setenta e uma pessoas foram vítimas da queda do avião.

A pequena arquibancada do estádio Ernesto Rocco, sede do Deportivo Brasil, com capacidade para 5 mil torcedores, estava ocupada pela metade. Debaixo de um calor de 34º, eles se vestiram com camisas da equipe catarinense -muitas delas falsificadas, é verdade, compradas logo nas redondezas da arena–, e cantaram o já internacional grito de "Vamos, vamos, Chape".

Na entrada ao gramado, foi solicitado pelo locutor do estádio que se fizesse um minuto de aplausos aos garotos que representariam o time de Santa Catarina. As duas equipes seguraram faixas nas quais se lia "somos mais que 11, somos todos Chapecoense" e "somos o recomeço #forçaChape".

Em sua terceira participação no torneio, a Chapecoense entrou em campo com desfalques. Quatro titulares foram promovidos recentemente ao plantel principal e dois estão lesionados. Talvez por isso, o nível técnico exibido foi discreto, e as principais jogadas da equipe foram consequência de persistência ou de apoio da torcida.

"Vim porque me comovi com a tragédia. Fiquei uma semana ruim na época. Minha vida é futebol. Sou corintiano, mas agora também sou Chapecoense", diz o paranaense Denison de Melo, 26, bisneto de uma chapecoense e que foi ao estádio com sua camisa verde e branca.
"Achei que eles [os jogadores] estariam mais traumatizados, mas estão jogando bem. Eles não podem se deixar abater nem desistir", completa.

O Nova Iguaçu foi mais incisivo e esteve perto de fazer gols em seguidas ocasiões no primeiro tempo. Em todas, desperdiçou de frente para o goleiro Tiepo.

Rhainer, camisa 9, e Lima, 10, criaram as melhores chances da equipe de Santa Catarina, mas não foram efetivos.

Gabriel, 18, lateral direito, nasceu na cidade e frequenta as arquibancadas da Arena Condá desde pequeno, "quando ninguém nem sonhava com a Série A". Atleta há cinco anos, ele se emociona ao falar da tragédia.

"A gente sentiu bastante, mas tenta ser forte. O maior exemplo que eles deixaram para nós foi de superação. Vamos superar o que aconteceu e honrá-los", diz ele, que não entrou em campo.

"Viemos com o coração quebrado, mas prontos para seguir o exemplo que eles deixaram", completa o meia Anderson, 19.

"É um sentimento difícil de explicar mesmo, não é comum. Vamos dar o nosso melhor sempre para levar o nome deles. Não podemos fazer mais do que isso: o máximo que está ao nosso alcance", conta Gabriel.

Aos 15 minutos do segundo tempo, Natan, que já perdera oportunidade claríssima, abriu o placar para o Nova Iguaçu em Porto Feliz, para decepção dos presentes, que então fizeram silêncio. Dezessete minutos depois, o mesmo Natan ampliaria a vantagem, definindo o resultado final.
Após o apito final, alguns torcedores ainda ensaiaram palmas e gritos de apoio aos garotos da equipe alviverde.

A Chapecoense volta a jogar na quinta-feira (5), contra o Sampaio Correa, e precisa de resultado positivo para se manter na briga pela classificação.

O Desportivo Brasil também venceu nesta terça (3) e ocupa a segunda colocação do grupo 14, atrás do Nova Iguaçu (que marcou um gol a mais).

Técnico diz que torcida pode atrapalhar a Chape

Todo o apoio recebido pela Chapecoense desde o acidente aéreo em novembro que vitimou quase todos seus jogadores, dirigentes e comissão técnica também pode ter seus efeitos negativos. Técnico da equipe sub-20 do time catarinense, que perdeu nesta terça-feira (3) para o Nova Iguaçu por 2 a 0 em sua estreia na Copa São Paulo de futebol júnior, Emerson Cris disse que toda a expectativa em torno dos garotos pode estar prejudicando o desempenho.

"Eu acho que, de certa forma, chegou o momento que [a torcida] está atrapalhando. São meninos muito jovens e que estão carregando um peso muito grande nas costas. Eles já carregam esse peso pela idade que têm, pelo sonho da carreira. É uma competição muito difícil. É muita coisa para gente muito jovem", diz, salientando que "talvez" essa pressão tenha influenciado no resultado do jogo.

Sobre a preparação, ele diz que tentou blindar os garotos, mas que não é possível ter sucesso por completo.

"Não adianta, não tem como esconder. A gente tenta fugir do assunto, mas na hora do hino, já tinha uma faixa. A todo momento vem à tona a imagem. Estamos tentando aprender a lidar com isso", acrescenta.

"Tem que ter calma para saber lidar com a situação para não prejudicar a carreira deles. Vamos tentar transformar isso [a tragédia] em uma maneira de torná-los mais experientes", finalizou.

A Chapecoense volta a jogar na quinta-feira (5), contra o Sampaio Correa, e precisa de resultado positivo para se manter na briga pela classificação. O Desportivo Brasil também venceu nesta terça (3) e ocupa a segunda colocação do grupo 14, atrás do Nova Iguaçu (que marcou um gol a mais). 

Publicidade

Publicidade