Jornal Página 3
Especial Dia dos Namorados: será que namorar a distância funciona?

É comum ouvir por aí que namorar a distância não dá certo, principalmente porque mexe com sentimentos como ciúme e desconfiança. No entanto, esse tipo de relacionamento vem ganhando fôlego nos dias atuais, auxiliado pelo avanço da tecnologia, que permite ‘contatos imediatos’ e instantâneos ligando pessoas de qualquer parte do planeta.

Neste Dia dos Namorados, a reportagem procurou casais que namoram a distância e o relacionamento vai muito bem obrigado! Ouviu também a opinião de uma psicóloga que acredita que este tipo de relacionamento pode ser tão duradouro como o presencial.

“O grande diferencial desse tipo de namoro é o diálogo”

Para os estudantes Vinícius Rutes Henning, 18 e Beatriz Zanutto Salviato, 17 tudo começou quando os dois foram finalistas em um programa da embaixada americana no Brasil (English Immersion Program) em 2016.

Eles estavam entre os 120 finalistas de um total de 13 mil inscritos e ganharam uma viagem de uma semana para Brasília, em julho, para diversas atividades relacionadas à cultura americana. Os dois foram escolhidos oradores da edição. “Durante as madrugadas no hall do hotel em que escrevíamos o discurso, pudemos nos conhecer. Rolou um clima, mas só ficamos, e começamos a namorar, quando nos vimos de novo em dezembro”, contou Vinicius.

O primeiro reencontro em dezembro

Ele é de Balneário Camboriú, mas atualmente mora em Florianópolis, onde cursa Letras/Português na UFSC. Ela mora em Londrina, mas no segundo semestre vai mudar para Curitiba, onde começa o curso de Medicina na UFPR.

“Hoje em dia com o acesso à internet e celular, existem vários aplicativos (como Skype e WhatsApp) que viabilizam muito o namoro a distância. Além do fato de que podemos nos ver e ouvir com uma qualidade relativamente boa, a ‘gratuidade’ destes serviços também facilita muito”, comentou Vinicius.

Desde o início do namoro eles se encontram pessoalmente uma vez por mês e quando Beatriz mudar para Curitiba, essa frequência vai aumentar e Vinicius já vai logo dizendo que o casal tem grandes planos para esse relacionamento.

“Acreditamos que sem uma forte perspectiva para o futuro, um relacionamento a distância não se sustenta, e fica sem sentido. Reforçando os lados positivos, os constantes exercícios de boas qualidades para o casal serão muito benéficos quando, inevitavelmente, o relacionamento se tornar ‘à curta distância’. E como costumamos dizer, aceitamos opiniões negativas na forma de doações para pagar as passagens”, brincou Vinicius.

No seu entendimento o grande diferencial desse tipo de namoro é o diálogo. “Não apenas com as mensagens básicas do dia-a-dia, mas também com ligações ‘agendadas’. Assim como um casal pode programar para ir no cinema em um sábado, nós programamos um horário para nos ligar, e ficamos horas no telefone”, contou.

Entre as vantagens o casal destaca a saudade acumulada; o exercício constante de confiança e os encontros pessoais que são mais valorizados, comparando com casais que se veem todos os dias

Entre as desvantagens, Vinicius cita as situações em que a presença física do outro seria muito importante para aliviar um dia ruim, ou coisas do tipo; namorar a distância exige um bom gerenciamento financeiro, o que pode ser difícil e ‘sentimos muita falta de ter o outro no cotidiano de cada um’, completou.

O amor pode vencer os quilômetros

Os advogados Mariclao Elvis Kochhann Schaefer, 24 e Mariana Meira de Jesus, 24 estão namorando a distância há pouco mais de dois anos. Ele mora em Itajaí e Mariana em Mundo Novo/MS.

Desde que se conheceram em janeiro de 2015 na formatura de Priscila, prima de Mariclao, em Cascavel, rolou um clima bom e começaram a conversar diariamente. Junto nasceu a vontade de querer um novo encontro.

“Fui duas vezes ver a Mariana, quando na terceira convenci os pais dela a deixar ela vir para minha formatura, dia 25 de julho de 2015. O pedido oficial foi dia 23, mas consideramos o dia 31 de janeiro de 2015 o nosso dia, assim, dizemos que namoramos há dois anos e meio, praticamente”, detalha Mariclao.

Ele diz que a tecnologia é um aliado, trocam mensagens instantâneas sempre que tem um tempinho, ‘só que nada substitui o contato físico e a saudade que ainda aperta’. Por enquanto, os encontros acontecem em intervalos de dois meses, intercalando, um indo para Mundo Novo outro vindo para Itajaí. Mas um dia isso vai mudar.

“O futuro desse namoro promete muitas coisas boas! Estamos fazendo planos para carreira profissional, no caso, nos dedicando para sermos aprovados em bons concursos públicos. Inclusive, aproveitamos a distância para focarmos nos estudos (uma boa motivação para ficarmos juntos no futuro). Também para possuir uma boa qualidade de vida, uma situação financeira estável e acima de tudo construir uma família, que é nosso maior sonho”, enfatizou o advogado.

Segundo Mariclao, namorar a distância é uma questão muito íntima, implica em convicção, experiências, sentimentos para saber se vale a pena todo o esforço e as dificuldades a serem enfrentadas. Um relacionamento como esse é baseado na liberdade, na confiança e na capacidade de, mesmo tendo saudades, tendo problemas pessoais, superar tudo.

“O pensamento é voltado para a união oficial no futuro com a pessoa que você acredita e, além disso, com as atitudes demostradas por você e por ela. Relacionamentos à distância dão a entender que pode ir mais para o lado da infidelidade pelo fato de que a outra pessoa não está por perto, não podendo acompanhar as saídas com os amigos, os eventos sociais, etc. Mas quem ama de verdade não faz isso! Quem ama sabe de seus deveres com a sua companheira. Sabe que esta questão é passageira. Basta paciência e trabalhar pra mudar a situação”, declarou Mariclao.

Ele concluiu lembrando uma frase de Zack Magiezi que Mariana mandou para ele outro dia:

“Unidades de medida: se você não acredita que o amor pode vencer os quilômetros, como poderá acreditar que ele vencerá o tempo?”

“Então, se você ama a pessoa e quer se casar com ela, e esta da mesma forma contigo, todo o esforço vale a pena. A gente sempre lembra que não moraremos para sempre longe um do outro”, finalizou Mariclao.

“Relacionamentos a distância podem ser duradouros e tão bem sucedidos quantos os presenciais”

A opinião é da psicóloga Ana Paula Garcia, que a reportagem procurou para abordar o assunto ‘Namoro a distancia’. Ana é Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho pela Universidade do Vale do Itajaí, Pós graduada em Saúde Mental e Terapia Cognitiva- Comportamental. Acompanhe o que ela pensa sobre namorar a distancia:

JP3 - Antigamente era comum namorar a distância, via correios (e o correio demorava semanas para entregar uma carta), depois agilizou com o telefone e mais tarde com celular. Hoje com o avanço tecnológico parece mais fácil, porque a comunicação é instantânea, as pessoas já podem se 'olhar' no celular enfim...Qual a sua opinião sobre namoro à distância?

Ana - Penso que as tecnologias atuais contribuem para as aproximações entre os casais realmente, não só para aqueles que namoram a distancia, mas para todos. Hoje somos permeados por tecnologia e internet, facilitando até os ‘flertes’ entre os casais. Penso que as relações que acontecem a distância mexem mais com nosso imaginário, pois é pela privação de contato físico/presença que ‘criamos’ fantasias positivas ou negativas acerca do companheiro(a). O namoro a distância pode mexer mais com o imaginário das pessoas.

JP3 - Desconfiança e ciúme parecem sentimentos complicados nesse tipo de relacionamento. Como lidar com isso?

Ana - Acredito que a desconfiança e o ciúme são relativos a constituição de cada pessoa, pois diz respeito a fatores intrapessoais como a autoestima, autoconfiança, entre outros. A chave para lidar com tais sentimentos é procurar expressar os sentimentos tanto positivos e negativos de forma clara além de manter uma boa comunicação, pois a informação e o conhecimento nos gera confiança. É importante também que cada um tenha o seu espaço e sua vida singular dentro da relação e para casos mais graves vale investir em uma ajuda profissional.

JP3 - Tem casais que namoram a distância, mas moram na mesma cidade. Quando bate aquela vontade de sair ou se encontrar, fica fácil. Mas tem outros que moram em estados ou países diferentes, como fazer?

Ana - Acredito que a distancia é muito relativa, não pode ser contada em quilômetros mas sim em envolvimento dos pares na relação, pois podemos nos fazer presentes na vida do outro por muitas maneiras. Observamos também casais que moram na mesma cidade e não mantém um padrão frequente de encontros. Cada casal tem sua particular característica. Com base nisso pode até mesmo estabelecer frequências (cronogramas), se organizar quanto ao contato e arrumar algum jeito alternativo para sanar a saudade.

JP3 - Quais as vantagens e desvantagens de um namoro a distância?

Ana - As vantagens e desvantagens são aspectos particulares de cada individuo. Alguns gostam da ‘liberdade’ que o namoro a distancia pode proporcionar, outros sentem falta da presença física da pessoa no dia a dia.

JP3 - Quais os conselhos que dá para quem namora à distância?

Ana - Habilidades sociais como a comunicação e a assertividade são primordiais nos nossos relacionamentos afetivos, obtendo uma importância maior quando não estamos frente a frente com o par. Quando não estamos fisicamente presentes, não temos a topografia completa do comportamento, ou seja, expressar algo verbalmente por intermédio de áudio ou vídeo e ter o contato físico na hora da fala tem grande diferença comprovada por estudos. A interação física pode favorecer bem mais a compreensão e o entendimento do casal. Frente a isso, penso que o relacionamento a distancia necessita de uma dose a mais de boa comunicação e expressão de sentimentos claros.

JP3 – Gostaria de fazer mais algum comentário?

Ana - Nos apaixonamos por inúmeras questões e uma delas funciona através do reforçamento positivo que a pessoa adiciona em nossas vidas. Em outras palavras, é através das coisas boas que a pessoa contribui a acontecer (momentos felizes, alegres, carícias etc) e pela redução de momentos ruins que a pessoa proporciona (fazendo esquecer uma dor psíquica ou física, fazendo a pessoa esquecer problemas, fazendo o outro sentir-se valorizado, amado etc) é que nos interessamos em outrem. Penso que os relacionamentos a distância podem ser duradouros e tão bem sucedidos quantos os presenciais, tudo depende como os pares encaram, conduzem o relacionamento e valorizam o reforçamento positivo na vida do parceiro(a).


Página 3

Especial Dia dos Namorados: será que namorar a distância funciona?

É comum ouvir por aí que namorar a distância não dá certo, principalmente porque mexe com sentimentos como ciúme e desconfiança. No entanto, esse tipo de relacionamento vem ganhando fôlego nos dias atuais, auxiliado pelo avanço da tecnologia, que permite ‘contatos imediatos’ e instantâneos ligando pessoas de qualquer parte do planeta.

Neste Dia dos Namorados, a reportagem procurou casais que namoram a distância e o relacionamento vai muito bem obrigado! Ouviu também a opinião de uma psicóloga que acredita que este tipo de relacionamento pode ser tão duradouro como o presencial.

“O grande diferencial desse tipo de namoro é o diálogo”

Para os estudantes Vinícius Rutes Henning, 18 e Beatriz Zanutto Salviato, 17 tudo começou quando os dois foram finalistas em um programa da embaixada americana no Brasil (English Immersion Program) em 2016.

Eles estavam entre os 120 finalistas de um total de 13 mil inscritos e ganharam uma viagem de uma semana para Brasília, em julho, para diversas atividades relacionadas à cultura americana. Os dois foram escolhidos oradores da edição. “Durante as madrugadas no hall do hotel em que escrevíamos o discurso, pudemos nos conhecer. Rolou um clima, mas só ficamos, e começamos a namorar, quando nos vimos de novo em dezembro”, contou Vinicius.

O primeiro reencontro em dezembro

Ele é de Balneário Camboriú, mas atualmente mora em Florianópolis, onde cursa Letras/Português na UFSC. Ela mora em Londrina, mas no segundo semestre vai mudar para Curitiba, onde começa o curso de Medicina na UFPR.

“Hoje em dia com o acesso à internet e celular, existem vários aplicativos (como Skype e WhatsApp) que viabilizam muito o namoro a distância. Além do fato de que podemos nos ver e ouvir com uma qualidade relativamente boa, a ‘gratuidade’ destes serviços também facilita muito”, comentou Vinicius.

Desde o início do namoro eles se encontram pessoalmente uma vez por mês e quando Beatriz mudar para Curitiba, essa frequência vai aumentar e Vinicius já vai logo dizendo que o casal tem grandes planos para esse relacionamento.

“Acreditamos que sem uma forte perspectiva para o futuro, um relacionamento a distância não se sustenta, e fica sem sentido. Reforçando os lados positivos, os constantes exercícios de boas qualidades para o casal serão muito benéficos quando, inevitavelmente, o relacionamento se tornar ‘à curta distância’. E como costumamos dizer, aceitamos opiniões negativas na forma de doações para pagar as passagens”, brincou Vinicius.

No seu entendimento o grande diferencial desse tipo de namoro é o diálogo. “Não apenas com as mensagens básicas do dia-a-dia, mas também com ligações ‘agendadas’. Assim como um casal pode programar para ir no cinema em um sábado, nós programamos um horário para nos ligar, e ficamos horas no telefone”, contou.

Entre as vantagens o casal destaca a saudade acumulada; o exercício constante de confiança e os encontros pessoais que são mais valorizados, comparando com casais que se veem todos os dias

Entre as desvantagens, Vinicius cita as situações em que a presença física do outro seria muito importante para aliviar um dia ruim, ou coisas do tipo; namorar a distância exige um bom gerenciamento financeiro, o que pode ser difícil e ‘sentimos muita falta de ter o outro no cotidiano de cada um’, completou.

O amor pode vencer os quilômetros

Os advogados Mariclao Elvis Kochhann Schaefer, 24 e Mariana Meira de Jesus, 24 estão namorando a distância há pouco mais de dois anos. Ele mora em Itajaí e Mariana em Mundo Novo/MS.

Desde que se conheceram em janeiro de 2015 na formatura de Priscila, prima de Mariclao, em Cascavel, rolou um clima bom e começaram a conversar diariamente. Junto nasceu a vontade de querer um novo encontro.

“Fui duas vezes ver a Mariana, quando na terceira convenci os pais dela a deixar ela vir para minha formatura, dia 25 de julho de 2015. O pedido oficial foi dia 23, mas consideramos o dia 31 de janeiro de 2015 o nosso dia, assim, dizemos que namoramos há dois anos e meio, praticamente”, detalha Mariclao.

Ele diz que a tecnologia é um aliado, trocam mensagens instantâneas sempre que tem um tempinho, ‘só que nada substitui o contato físico e a saudade que ainda aperta’. Por enquanto, os encontros acontecem em intervalos de dois meses, intercalando, um indo para Mundo Novo outro vindo para Itajaí. Mas um dia isso vai mudar.

“O futuro desse namoro promete muitas coisas boas! Estamos fazendo planos para carreira profissional, no caso, nos dedicando para sermos aprovados em bons concursos públicos. Inclusive, aproveitamos a distância para focarmos nos estudos (uma boa motivação para ficarmos juntos no futuro). Também para possuir uma boa qualidade de vida, uma situação financeira estável e acima de tudo construir uma família, que é nosso maior sonho”, enfatizou o advogado.

Segundo Mariclao, namorar a distância é uma questão muito íntima, implica em convicção, experiências, sentimentos para saber se vale a pena todo o esforço e as dificuldades a serem enfrentadas. Um relacionamento como esse é baseado na liberdade, na confiança e na capacidade de, mesmo tendo saudades, tendo problemas pessoais, superar tudo.

“O pensamento é voltado para a união oficial no futuro com a pessoa que você acredita e, além disso, com as atitudes demostradas por você e por ela. Relacionamentos à distância dão a entender que pode ir mais para o lado da infidelidade pelo fato de que a outra pessoa não está por perto, não podendo acompanhar as saídas com os amigos, os eventos sociais, etc. Mas quem ama de verdade não faz isso! Quem ama sabe de seus deveres com a sua companheira. Sabe que esta questão é passageira. Basta paciência e trabalhar pra mudar a situação”, declarou Mariclao.

Ele concluiu lembrando uma frase de Zack Magiezi que Mariana mandou para ele outro dia:

“Unidades de medida: se você não acredita que o amor pode vencer os quilômetros, como poderá acreditar que ele vencerá o tempo?”

“Então, se você ama a pessoa e quer se casar com ela, e esta da mesma forma contigo, todo o esforço vale a pena. A gente sempre lembra que não moraremos para sempre longe um do outro”, finalizou Mariclao.

“Relacionamentos a distância podem ser duradouros e tão bem sucedidos quantos os presenciais”

A opinião é da psicóloga Ana Paula Garcia, que a reportagem procurou para abordar o assunto ‘Namoro a distancia’. Ana é Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho pela Universidade do Vale do Itajaí, Pós graduada em Saúde Mental e Terapia Cognitiva- Comportamental. Acompanhe o que ela pensa sobre namorar a distancia:

JP3 - Antigamente era comum namorar a distância, via correios (e o correio demorava semanas para entregar uma carta), depois agilizou com o telefone e mais tarde com celular. Hoje com o avanço tecnológico parece mais fácil, porque a comunicação é instantânea, as pessoas já podem se 'olhar' no celular enfim...Qual a sua opinião sobre namoro à distância?

Ana - Penso que as tecnologias atuais contribuem para as aproximações entre os casais realmente, não só para aqueles que namoram a distancia, mas para todos. Hoje somos permeados por tecnologia e internet, facilitando até os ‘flertes’ entre os casais. Penso que as relações que acontecem a distância mexem mais com nosso imaginário, pois é pela privação de contato físico/presença que ‘criamos’ fantasias positivas ou negativas acerca do companheiro(a). O namoro a distância pode mexer mais com o imaginário das pessoas.

JP3 - Desconfiança e ciúme parecem sentimentos complicados nesse tipo de relacionamento. Como lidar com isso?

Ana - Acredito que a desconfiança e o ciúme são relativos a constituição de cada pessoa, pois diz respeito a fatores intrapessoais como a autoestima, autoconfiança, entre outros. A chave para lidar com tais sentimentos é procurar expressar os sentimentos tanto positivos e negativos de forma clara além de manter uma boa comunicação, pois a informação e o conhecimento nos gera confiança. É importante também que cada um tenha o seu espaço e sua vida singular dentro da relação e para casos mais graves vale investir em uma ajuda profissional.

JP3 - Tem casais que namoram a distância, mas moram na mesma cidade. Quando bate aquela vontade de sair ou se encontrar, fica fácil. Mas tem outros que moram em estados ou países diferentes, como fazer?

Ana - Acredito que a distancia é muito relativa, não pode ser contada em quilômetros mas sim em envolvimento dos pares na relação, pois podemos nos fazer presentes na vida do outro por muitas maneiras. Observamos também casais que moram na mesma cidade e não mantém um padrão frequente de encontros. Cada casal tem sua particular característica. Com base nisso pode até mesmo estabelecer frequências (cronogramas), se organizar quanto ao contato e arrumar algum jeito alternativo para sanar a saudade.

JP3 - Quais as vantagens e desvantagens de um namoro a distância?

Ana - As vantagens e desvantagens são aspectos particulares de cada individuo. Alguns gostam da ‘liberdade’ que o namoro a distancia pode proporcionar, outros sentem falta da presença física da pessoa no dia a dia.

JP3 - Quais os conselhos que dá para quem namora à distância?

Ana - Habilidades sociais como a comunicação e a assertividade são primordiais nos nossos relacionamentos afetivos, obtendo uma importância maior quando não estamos frente a frente com o par. Quando não estamos fisicamente presentes, não temos a topografia completa do comportamento, ou seja, expressar algo verbalmente por intermédio de áudio ou vídeo e ter o contato físico na hora da fala tem grande diferença comprovada por estudos. A interação física pode favorecer bem mais a compreensão e o entendimento do casal. Frente a isso, penso que o relacionamento a distancia necessita de uma dose a mais de boa comunicação e expressão de sentimentos claros.

JP3 – Gostaria de fazer mais algum comentário?

Ana - Nos apaixonamos por inúmeras questões e uma delas funciona através do reforçamento positivo que a pessoa adiciona em nossas vidas. Em outras palavras, é através das coisas boas que a pessoa contribui a acontecer (momentos felizes, alegres, carícias etc) e pela redução de momentos ruins que a pessoa proporciona (fazendo esquecer uma dor psíquica ou física, fazendo a pessoa esquecer problemas, fazendo o outro sentir-se valorizado, amado etc) é que nos interessamos em outrem. Penso que os relacionamentos a distância podem ser duradouros e tão bem sucedidos quantos os presenciais, tudo depende como os pares encaram, conduzem o relacionamento e valorizam o reforçamento positivo na vida do parceiro(a).