Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Depois de nove anos, Balneário tem saldo negativo de empregos
Divulgação

Terça, 26/1/2016 14:02.

Pela primeira vez desde 2007, Balneário Camboriú fechou o ano com saldo negativo na geração de empregos com carteira assinada, totalizando o fechamento de 779 vagas.

Isso representa menos de 2% das 44.148 vagas existentes em 1º de janeiro de 2015, mas o fato mais preocupante é que o setor que obteve os piores saldos foi a construção civil, motor da economia do município na maior parte do ano.

As cinco ocupações com os piores saldos são da construção civil. Incluindo Camboriú, mais de 650 postos de trabalho foram fechados, quase 8% das vagas existentes em 1º de janeiro do ano passado.

O presidente do sindicato dos construtores, Carlos Humberto Metzner Silva comentou que além da crise econômica, as indefinições do Plano Diretor e o fechamento do protocolo de projetos por um longo período desaceleraram o setor.

Mesmo assim ele comemora o fato das empresas enfrentarem a crise com estoques baixos, oferta menor, o que permite que elas cumpram seus compromissos sem episódios que afetem a credibilidade do setor.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Negócios

"Foram quatro anos de tanta recessão que existe uma demanda represada gigantesca".


Geral

Rede municipal tem 1.700 professores que ensinam 15 mil alunos em 44 escolas


Esportes


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Depois de nove anos, Balneário tem saldo negativo de empregos

Divulgação
Terça, 26/1/2016 14:02.

Pela primeira vez desde 2007, Balneário Camboriú fechou o ano com saldo negativo na geração de empregos com carteira assinada, totalizando o fechamento de 779 vagas.

Isso representa menos de 2% das 44.148 vagas existentes em 1º de janeiro de 2015, mas o fato mais preocupante é que o setor que obteve os piores saldos foi a construção civil, motor da economia do município na maior parte do ano.

As cinco ocupações com os piores saldos são da construção civil. Incluindo Camboriú, mais de 650 postos de trabalho foram fechados, quase 8% das vagas existentes em 1º de janeiro do ano passado.

O presidente do sindicato dos construtores, Carlos Humberto Metzner Silva comentou que além da crise econômica, as indefinições do Plano Diretor e o fechamento do protocolo de projetos por um longo período desaceleraram o setor.

Mesmo assim ele comemora o fato das empresas enfrentarem a crise com estoques baixos, oferta menor, o que permite que elas cumpram seus compromissos sem episódios que afetem a credibilidade do setor.

 

Publicidade

Publicidade