Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Desemprego no 1º semestre foi o dobro do ano passado em Balneário

Quinta, 4/8/2016 10:08.

Os dados divulgados pelo Caged na última semana revelam uma situação preocupante em Balneário quanto ao emprego. Nos primeiros seis meses do ano, a cidade teve a extinção de 2.102 postos formais de emprego. É mais do que o dobro do mesmo período do ano passado, quando Balneário fechou 1.019 postos de trabalho e chega a ser quase quatro vezes pior que o primeiro semestre de 2014.

O comércio e o atendimento ao turista foram os grandes impactados nestes primeiros seis meses. Os postos que tiveram piores saldos (balanço entre admissões e demissões) foram: vendedor, seguido por cozinheiro, garçom, operador de caixa, camareiro e repositor de mercadorias. Essas são as mesmas vagas que tiveram desempenho ruim em 2015 no período, a diferença é que em 2016 o número de demissões foi bem maior.

No balanço semestral, a construção civil demonstrou tomada de fôlego no período analisado. Os cargos que tiveram saldo positivo foram do setor, como servente de obras, pedreiro de edificações e pintor.

O que fica evidente é que a cidade continua patinando em torno dos mesmos setores, sem o desenvolvimento nos últimos anos de uma nova matriz econômica.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Desemprego no 1º semestre foi o dobro do ano passado em Balneário

Os dados divulgados pelo Caged na última semana revelam uma situação preocupante em Balneário quanto ao emprego. Nos primeiros seis meses do ano, a cidade teve a extinção de 2.102 postos formais de emprego. É mais do que o dobro do mesmo período do ano passado, quando Balneário fechou 1.019 postos de trabalho e chega a ser quase quatro vezes pior que o primeiro semestre de 2014.

O comércio e o atendimento ao turista foram os grandes impactados nestes primeiros seis meses. Os postos que tiveram piores saldos (balanço entre admissões e demissões) foram: vendedor, seguido por cozinheiro, garçom, operador de caixa, camareiro e repositor de mercadorias. Essas são as mesmas vagas que tiveram desempenho ruim em 2015 no período, a diferença é que em 2016 o número de demissões foi bem maior.

No balanço semestral, a construção civil demonstrou tomada de fôlego no período analisado. Os cargos que tiveram saldo positivo foram do setor, como servente de obras, pedreiro de edificações e pintor.

O que fica evidente é que a cidade continua patinando em torno dos mesmos setores, sem o desenvolvimento nos últimos anos de uma nova matriz econômica.

Publicidade

Publicidade