Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Bolsonaro diz que não aceita resultado que não seja vitória

Segundo Bolsonaro, a única possibilidade de vitória do PT viria pela "fraude".

Sábado, 29/9/2018 7:17.
Fabio Rodrigues Pozzebom/AB.

Publicidade

GUILHERME SETO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) declarou nesta sexta-feira (28) que não aceita um resultado das eleições que não seja a sua vitória. A declaração foi dada em entrevista Brasil Urgente, da TV Band.

"Não posso falar pelos comandantes [militares]. Pelo que vejo nas ruas, não aceito resultado diferente da minha eleição", disse o candidato, que deu a entrevista em seu quarto no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado desde o começo do mês após sofrer um ataque a faca durante ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Segundo Bolsonaro, a única possibilidade de vitória do PT viria pela "fraude". O candidato tem afirmado que as urnas eletrônicas estão sujeitas a fraudes que podem prejudicar a sua campanha, que atualmente lidera as pesquisas de intenção de voto. Ele também disse que tem desconfiança de "profissionais dentro do Tribunal Superior Eleitoral".

"Em 2015, eu aprovei o voto impresso, mas o Supremo derrubou. Não temos como auditar o resultado disso. A suspeição estará no ar. Se você vir como eu sou tratado na rua e como os outros são tratados, você não vai acreditar. A diferença é enorme", completou.

Colocado diante de um cenário de possível vitória do PT, Bolsonaro afirmou que acredita que as Forças Armadas não tomariam a iniciativa de contestar o resultado. No entanto, ele diz que elas não tolerariam erros futuros.

"O que vejo nas instituições militares é que não tomariam iniciativa. Mas na primeira falta, poderia acontecer [uma reação] com o PT errando, sim. Nós, das Formas Armadas, somos avalistas da Constituição. Não existe democracia sem Forças Armadas", afirmou.

O candidato também foi incisivo em suas críticas ao seu candidato a vice, general Hamilton Mourão (PRTB). Ao comentar falas do general que geraram controvérsia, Bolsonaro disse que pediu para que Mourão ficasse "quieto" até o fim do primeiro turno porque "estava atrapalhando".

"Ele falou que o 13º salário é uma jabuticaba. Outros países têm [direitos] parecidos. Divirjo, lógico. É cláusula pétrea, não pode mexer nem por proposta de emenda à Constituição. Disse também que ele demonstra desconhecer a Constituição", afirmou Bolsonaro, que acrescentou que "um vice não apita nada, mas atrapalha muito".

Sobre as acusações de sua ex-mulher Ana Cristina Valle, de que teria ocultado milhões em patrimônio, furtado joias e valores de um cofre mantido por ela no Banco do Brasil e agido com "desmedida agressividade", reveladas pela revista Veja, Bolsonaro falou em "probleminha".

"Em uma separação é comum para todos os casos ter problemas. É litigiosa. As cotoveladas acontecem de ambas as partes. Minha própria ex-mulher diz que estava de sangue quente. É a acusação de uma pessoa que hoje está dizendo que não aconteceu", afirmou, sem se alongar.

O presidenciável disse que, por recomendação médica, não sairá de casa até o dia 10 de outubro. Sendo assim, mesmo que tenha alta neste final de semana, como programado, ele não participará de debates antes do primeiro turno.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Fabio Rodrigues Pozzebom/AB.

Bolsonaro diz que não aceita resultado que não seja vitória

Segundo Bolsonaro, a única possibilidade de vitória do PT viria pela "fraude".

Publicidade

Sábado, 29/9/2018 7:17.

GUILHERME SETO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) declarou nesta sexta-feira (28) que não aceita um resultado das eleições que não seja a sua vitória. A declaração foi dada em entrevista Brasil Urgente, da TV Band.

"Não posso falar pelos comandantes [militares]. Pelo que vejo nas ruas, não aceito resultado diferente da minha eleição", disse o candidato, que deu a entrevista em seu quarto no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado desde o começo do mês após sofrer um ataque a faca durante ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Segundo Bolsonaro, a única possibilidade de vitória do PT viria pela "fraude". O candidato tem afirmado que as urnas eletrônicas estão sujeitas a fraudes que podem prejudicar a sua campanha, que atualmente lidera as pesquisas de intenção de voto. Ele também disse que tem desconfiança de "profissionais dentro do Tribunal Superior Eleitoral".

"Em 2015, eu aprovei o voto impresso, mas o Supremo derrubou. Não temos como auditar o resultado disso. A suspeição estará no ar. Se você vir como eu sou tratado na rua e como os outros são tratados, você não vai acreditar. A diferença é enorme", completou.

Colocado diante de um cenário de possível vitória do PT, Bolsonaro afirmou que acredita que as Forças Armadas não tomariam a iniciativa de contestar o resultado. No entanto, ele diz que elas não tolerariam erros futuros.

"O que vejo nas instituições militares é que não tomariam iniciativa. Mas na primeira falta, poderia acontecer [uma reação] com o PT errando, sim. Nós, das Formas Armadas, somos avalistas da Constituição. Não existe democracia sem Forças Armadas", afirmou.

O candidato também foi incisivo em suas críticas ao seu candidato a vice, general Hamilton Mourão (PRTB). Ao comentar falas do general que geraram controvérsia, Bolsonaro disse que pediu para que Mourão ficasse "quieto" até o fim do primeiro turno porque "estava atrapalhando".

"Ele falou que o 13º salário é uma jabuticaba. Outros países têm [direitos] parecidos. Divirjo, lógico. É cláusula pétrea, não pode mexer nem por proposta de emenda à Constituição. Disse também que ele demonstra desconhecer a Constituição", afirmou Bolsonaro, que acrescentou que "um vice não apita nada, mas atrapalha muito".

Sobre as acusações de sua ex-mulher Ana Cristina Valle, de que teria ocultado milhões em patrimônio, furtado joias e valores de um cofre mantido por ela no Banco do Brasil e agido com "desmedida agressividade", reveladas pela revista Veja, Bolsonaro falou em "probleminha".

"Em uma separação é comum para todos os casos ter problemas. É litigiosa. As cotoveladas acontecem de ambas as partes. Minha própria ex-mulher diz que estava de sangue quente. É a acusação de uma pessoa que hoje está dizendo que não aconteceu", afirmou, sem se alongar.

O presidenciável disse que, por recomendação médica, não sairá de casa até o dia 10 de outubro. Sendo assim, mesmo que tenha alta neste final de semana, como programado, ele não participará de debates antes do primeiro turno.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade