Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Movimentação de Mourão acentua desconforto em aliados de Bolsonaro

Terça, 18/9/2018 6:42.
Arquivo JP3/Folhapress.

Publicidade

IGOR GIELOW
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um dia depois de o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) colocar em dúvida a lisura da eleição de outubro devido à inexistência do voto impresso, seu companheiro de chapa pediu para "relevar o que ele disse".

"O homem quase morreu há uma semana, passou por duas cirurgias graves. O cara está fragilizado. Temos de relevar o que ele disse", afirmou o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), seu candidato a vice-presidente. "O jogo é esse, e vamos jogar e ganhar no primeiro turno."

A frase acentuou o desconforto no entorno de Bolsonaro, que segue internado em São Paulo para recuperar-se do ataque a faca que sofreu no dia 6, com a movimentação de Mourão. Para buscar desanuviar o clima, o general marcou uma visita discreta ao presidenciável no fim da tarde desta segunda no hospital Albert Einstein, onde ele está internado em São Paulo.

Sua fala ocorreu após uma palestra na sede paulistana do Secovi, o sindicato do mercado imobiliário. A entidade havia promovido debate com outros presidenciáveis, mas neste caso a agenda era exclusiva de Mourão. Sua assessoria a marcou, assim como evento em associação bancária que ocorreu na sequência e palestra na Associação Comercial prevista para esta terça (18).

Mourão também descartou a ideia de ilegitimidade do pleito insinuada por Bolsonaro no vídeo divulgado no domingo (16). Ele afirmou que "quem vencer, venceu", ressaltando que "tenho pena do Brasil se o PT vencer", negando a hipótese de contestar uma eventual derrota.

Na avaliação de pessoas próximas da família de Bolsonaro, o protagonismo do general causa ruído e foi uma das motivações para a fala nas redes de 20 minutos do deputado. Mourão já havia irritado os filhos e aliados do presidenciável ao sugerir que poderia substituir o deputado em agendas públicas e debates -seu partido, o PRTB, chegou a consultar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre a possibilidade.

Mourão minimizou divergências. "O candidato é Jair Bolsonaro, eu sou só seu apêndice", afirmou, dizendo que a participação em debates será uma decisão do presidenciável que, aliás, precisa ser chancelada pelos adversários para ocorrer.

Ao mesmo tempo, afirmou que não seria um vice decorativo. "Terei outras funções", disse, citando coordenação de projetos e comunicação com a sociedade. Nesse sentido, disse que não se chateia com críticas da mídia, mas, a exemplo do pregado pelo PT, defende que "temos de ter outros meios de comunicação para buscar a ponta da linha".

Nos trechos mais políticos de sua palestra, Mourão disse que não há motivos para temer que "o Brasil vá virar a Venezuela" porque os militares brasileiros não o permitiriam. Sem voltar a defender intervenção militar ou "autogolpe" presidencial em caso de anarquia, como já fez de forma polêmica recentemente, ele discorreu sobre a história do país vizinho.

Descreveu a aproximação de elementos comunistas com os militares venezuelanos, "o que gerou o Hugo Chávez". "O Brasil jamais virará uma Venezuela porque nossas Forças Armadas jamais serão cooptadas por um projeto autoritário dessa natureza", afirmou, sem obviamente mencionar a ditadura vigente no Brasil de 1964 a 1985.

Mourão relativizou sua fama de antidemocrático, reforçada pela sugestão da confecção de uma Constituição sem representantes eleitos. "Seria como nos Estados Unidos. Nossa Constituição é terrível, ela abriga de alfinete e foguete. É a mãe de todas as reformas, teremos de lidar com isso", afirmou.

"Me tacharam de antidemocrático. Como disse a uma amiga jornalista, se eu não fosse democrata estaria limpando a arma no quartel", disse. Defendeu "democracia e liberdade" e a necessidade de negociar com o Congresso. "Isso não é ditadura, nem império."

Afirmou ser necessário conscientizar Legislativo e Judiciário da necessidade de colaborar com esforço fiscal. Ali, a negociação terá de ser pela "teoria do Jack, o estripador, vamos por partes".

Aplaudido em diversos momentos, Mourão disse defender que o presidente ganhe bem, mas não tenha nenhuma despesa custeada. Afirmou ser contra levar "cem come-dormes no avião presidencial, fazer escala em Paris para tomar aquele vinho que o cidadão que está em Curitiba [o ex-presidente Lula] gostava".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Arquivo JP3/Folhapress.

Movimentação de Mourão acentua desconforto em aliados de Bolsonaro

Publicidade

Terça, 18/9/2018 6:42.

IGOR GIELOW
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um dia depois de o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) colocar em dúvida a lisura da eleição de outubro devido à inexistência do voto impresso, seu companheiro de chapa pediu para "relevar o que ele disse".

"O homem quase morreu há uma semana, passou por duas cirurgias graves. O cara está fragilizado. Temos de relevar o que ele disse", afirmou o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), seu candidato a vice-presidente. "O jogo é esse, e vamos jogar e ganhar no primeiro turno."

A frase acentuou o desconforto no entorno de Bolsonaro, que segue internado em São Paulo para recuperar-se do ataque a faca que sofreu no dia 6, com a movimentação de Mourão. Para buscar desanuviar o clima, o general marcou uma visita discreta ao presidenciável no fim da tarde desta segunda no hospital Albert Einstein, onde ele está internado em São Paulo.

Sua fala ocorreu após uma palestra na sede paulistana do Secovi, o sindicato do mercado imobiliário. A entidade havia promovido debate com outros presidenciáveis, mas neste caso a agenda era exclusiva de Mourão. Sua assessoria a marcou, assim como evento em associação bancária que ocorreu na sequência e palestra na Associação Comercial prevista para esta terça (18).

Mourão também descartou a ideia de ilegitimidade do pleito insinuada por Bolsonaro no vídeo divulgado no domingo (16). Ele afirmou que "quem vencer, venceu", ressaltando que "tenho pena do Brasil se o PT vencer", negando a hipótese de contestar uma eventual derrota.

Na avaliação de pessoas próximas da família de Bolsonaro, o protagonismo do general causa ruído e foi uma das motivações para a fala nas redes de 20 minutos do deputado. Mourão já havia irritado os filhos e aliados do presidenciável ao sugerir que poderia substituir o deputado em agendas públicas e debates -seu partido, o PRTB, chegou a consultar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre a possibilidade.

Mourão minimizou divergências. "O candidato é Jair Bolsonaro, eu sou só seu apêndice", afirmou, dizendo que a participação em debates será uma decisão do presidenciável que, aliás, precisa ser chancelada pelos adversários para ocorrer.

Ao mesmo tempo, afirmou que não seria um vice decorativo. "Terei outras funções", disse, citando coordenação de projetos e comunicação com a sociedade. Nesse sentido, disse que não se chateia com críticas da mídia, mas, a exemplo do pregado pelo PT, defende que "temos de ter outros meios de comunicação para buscar a ponta da linha".

Nos trechos mais políticos de sua palestra, Mourão disse que não há motivos para temer que "o Brasil vá virar a Venezuela" porque os militares brasileiros não o permitiriam. Sem voltar a defender intervenção militar ou "autogolpe" presidencial em caso de anarquia, como já fez de forma polêmica recentemente, ele discorreu sobre a história do país vizinho.

Descreveu a aproximação de elementos comunistas com os militares venezuelanos, "o que gerou o Hugo Chávez". "O Brasil jamais virará uma Venezuela porque nossas Forças Armadas jamais serão cooptadas por um projeto autoritário dessa natureza", afirmou, sem obviamente mencionar a ditadura vigente no Brasil de 1964 a 1985.

Mourão relativizou sua fama de antidemocrático, reforçada pela sugestão da confecção de uma Constituição sem representantes eleitos. "Seria como nos Estados Unidos. Nossa Constituição é terrível, ela abriga de alfinete e foguete. É a mãe de todas as reformas, teremos de lidar com isso", afirmou.

"Me tacharam de antidemocrático. Como disse a uma amiga jornalista, se eu não fosse democrata estaria limpando a arma no quartel", disse. Defendeu "democracia e liberdade" e a necessidade de negociar com o Congresso. "Isso não é ditadura, nem império."

Afirmou ser necessário conscientizar Legislativo e Judiciário da necessidade de colaborar com esforço fiscal. Ali, a negociação terá de ser pela "teoria do Jack, o estripador, vamos por partes".

Aplaudido em diversos momentos, Mourão disse defender que o presidente ganhe bem, mas não tenha nenhuma despesa custeada. Afirmou ser contra levar "cem come-dormes no avião presidencial, fazer escala em Paris para tomar aquele vinho que o cidadão que está em Curitiba [o ex-presidente Lula] gostava".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade