Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Nenhum país consegue se desenvolver quando o político é sinônimo de ladrão e corrupto

Sábado, 15/9/2018 8:18.

Lédio Rosa está filiado ao PT há apenas quatro meses. Foi juiz por 25 anos e desembargador de Justiça nos últimos dez. Decidiu se aposentar e entrar na vida política depois do impacto que teve com o suicídio do amigo Luiz Carlos Cancellier, reitor da UFSC
 

Jornais ADI/Adjori - No momento atual do Congresso nacional, vale mais a experiência ou a renovação no Senado?

Lédio Rosa - A renovação é hoje um fato importantíssimo no Congresso. Renovar o Legislativo é algo que já está encaminhado para acontecer no Brasil. Tudo o que vem acontecendo, os afastamentos e prisões, demonstram que o Parlamento precisa modificar muitas coisas. Renovar é um dos meios de se fazer isso.

ADI/Adjori - É possível recuperar a imagem a Câmara de deputados sem essa renovação?

Lédio - Acredito que não. A imagem do Congresso, ficando como está, é irrecuperável. A prática hoje tem sido negociar com o governo, e não legislar, como deveriam fazer. O atual governo federal se mantém de pé porque negocia. Ele não administra, ele negocia o Brasil. Os projetos que vão para a Câmara dos Deputados e o Senado, normalmente embutem troca de favores, liberação de verbas, cargos públicos. E essa não é forma de um deputado federal ou de um senador trabalhar.

ADI/Adjori - Quais as principais bandeiras da sua campanha?

Lédio - Tenho três pontos básicos. O primeiro é resgatar a dignidade da política. Porque nenhum país do mundo consegue se desenvolver quando o político é sinônimo de ladrão e corrupto. A política deteriorada é sinal de que o país está deteriorado. A segunda bandeira é barrar o desmonte dos direitos do cidadão brasileiro. Que é o que está acontecendo hoje, em alta escala e mediante pagamento. O governo atual, para impor a política dele de acabar com o bem estar social, está fazendo um projeto atrás do outro revogando direitos. E o terceiro ponto é priorizar a mudança tributária. O sistema tributário é o veículo que o Estado tem para promover o bem estar da população, retirando, mediante impostos, o dinheiro das pessoas que mais ganham e investindo em bem estar social. É o que os países social democratas fazem, como a Dinamarca, Suécia, Islândia, etc. Por isso que lá a população vive bem. Por isso a reforma tributária é urgente.

ADI/Adjori - Falando especificamente em Santa Catarina, qual a sua meta no Senado?

Lédio - Meu papel lá é aprovar projetos que beneficiem Santa Catarina e lutar para que o Estado receba o que merece do orçamento. E também representar o Estado lá, levando principalmente essa questão da reforma tributária. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Especial

Festival de música eletrônica reuniu milhares de pessoas na virada do ano, em Rio Negrinho


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Nenhum país consegue se desenvolver quando o político é sinônimo de ladrão e corrupto

Sábado, 15/9/2018 8:18.

Lédio Rosa está filiado ao PT há apenas quatro meses. Foi juiz por 25 anos e desembargador de Justiça nos últimos dez. Decidiu se aposentar e entrar na vida política depois do impacto que teve com o suicídio do amigo Luiz Carlos Cancellier, reitor da UFSC
 

Jornais ADI/Adjori - No momento atual do Congresso nacional, vale mais a experiência ou a renovação no Senado?

Lédio Rosa - A renovação é hoje um fato importantíssimo no Congresso. Renovar o Legislativo é algo que já está encaminhado para acontecer no Brasil. Tudo o que vem acontecendo, os afastamentos e prisões, demonstram que o Parlamento precisa modificar muitas coisas. Renovar é um dos meios de se fazer isso.

ADI/Adjori - É possível recuperar a imagem a Câmara de deputados sem essa renovação?

Lédio - Acredito que não. A imagem do Congresso, ficando como está, é irrecuperável. A prática hoje tem sido negociar com o governo, e não legislar, como deveriam fazer. O atual governo federal se mantém de pé porque negocia. Ele não administra, ele negocia o Brasil. Os projetos que vão para a Câmara dos Deputados e o Senado, normalmente embutem troca de favores, liberação de verbas, cargos públicos. E essa não é forma de um deputado federal ou de um senador trabalhar.

ADI/Adjori - Quais as principais bandeiras da sua campanha?

Lédio - Tenho três pontos básicos. O primeiro é resgatar a dignidade da política. Porque nenhum país do mundo consegue se desenvolver quando o político é sinônimo de ladrão e corrupto. A política deteriorada é sinal de que o país está deteriorado. A segunda bandeira é barrar o desmonte dos direitos do cidadão brasileiro. Que é o que está acontecendo hoje, em alta escala e mediante pagamento. O governo atual, para impor a política dele de acabar com o bem estar social, está fazendo um projeto atrás do outro revogando direitos. E o terceiro ponto é priorizar a mudança tributária. O sistema tributário é o veículo que o Estado tem para promover o bem estar da população, retirando, mediante impostos, o dinheiro das pessoas que mais ganham e investindo em bem estar social. É o que os países social democratas fazem, como a Dinamarca, Suécia, Islândia, etc. Por isso que lá a população vive bem. Por isso a reforma tributária é urgente.

ADI/Adjori - Falando especificamente em Santa Catarina, qual a sua meta no Senado?

Lédio - Meu papel lá é aprovar projetos que beneficiem Santa Catarina e lutar para que o Estado receba o que merece do orçamento. E também representar o Estado lá, levando principalmente essa questão da reforma tributária. 

Publicidade

Publicidade