Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Governador Mauro Carlesse, do PHS, é reeleito no Tocantins

Domingo, 7/10/2018 19:58.
Divulgação

Publicidade

CECÍLIA SANTOS

PALMAS, TO (FOLHAPRESS) - Com 57,21% dos votos válidos no Tocantins, o atual governador do estado, Mauro Carlesse (PHS), venceu as eleições neste domingo (7) ainda no primeiro turno. O segundo colocado, o colombiano Carlos Amastha (PSB), ex-prefeito de Palmas, recebeu 31,25% dos votos válidos.

Atualmente, Carlesse responde a 73 processos na justiça. Cartas precatórias criminais, processos das suas empresas, ações trabalhistas, penais tributárias e execuções fiscais são alguns deles. Em 2015 o governador, então deputado estadual, chegou a ficar preso na Assembleia Legislativa durante 20 dias por não pagar pensão alimentícia à ex-mulher.

Carlesse, agora reeleito, assumiu o governo em março após a cassação do ex-governador Marcelo Miranda (MDB-TO) e sua vice Cláudia Lélis (PV-TO) por caixa dois na campanha de 2014.

Neste domingo foi a terceira vez que os tocantinenses precisaram ir às urnas em 2018. Após a cassação, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a realização de eleições suplementares. Em junho, Carlesse foi eleito em segundo turno para o mandato que vai até 31 de dezembro de 2018, em um pleito no qual 34,9% (355.032 eleitores) não compareceram às urnas e 23,46% dos eleitores votaram nulo e branco.

Diferentemente das eleições suplementares, nesta campanha, a polarização ficou entre Amastha e Carlesse. O senador Vicentinho Alves (PR-TO) que concorreu em junho e ficou em segundo lugar, optou por se aliar a Amastha e tentar a reeleição.

O juiz e autor da Ficha Limpa Marlon Reis (Rede-TO) ficou em terceiro lugar com 6,69% dos votos, seguido por César Simoni (PSL) com 4,52% dos votos e, por fim, Bernadete Aparecida (PSOL), com 0,32%.

Durante a campanha, Carlesse não compareceu a nenhum dos debates na televisão. O governador teve ainda que se ausentar da agenda de compromissos para acompanhar a mãe Olívia Carlesse, que ficou internada na UTI em São Paulo.

Já o segundo colocado, Carlos Amastha, ainda no início da campanha, chegou a anunciar em um vídeo nas redes sociais que não iria mais concorrer após receber a notícia de que dois partidos de sua coligação haviam abandonado a chapa. Um dia depois o ex-prefeito voltou atrás e confirmou a candidatura.

Mauro Carlesse é natural de Terra Boa (PR). No Tocantins, atuou como empresário e agropecuarista. Começou na política filiado ao Partido Verde (PV) e chegou a ser candidato à prefeitura de Gurupi em 2012, cidade no Sul do estado.

Em 2013 filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e venceu as eleições de 2014 para deputado estadual. Em julho de 2016 foi eleito presidente da Assembleia Legislativa para o biênio 2017/2019.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação

Governador Mauro Carlesse, do PHS, é reeleito no Tocantins

Publicidade

Domingo, 7/10/2018 19:58.

CECÍLIA SANTOS

PALMAS, TO (FOLHAPRESS) - Com 57,21% dos votos válidos no Tocantins, o atual governador do estado, Mauro Carlesse (PHS), venceu as eleições neste domingo (7) ainda no primeiro turno. O segundo colocado, o colombiano Carlos Amastha (PSB), ex-prefeito de Palmas, recebeu 31,25% dos votos válidos.

Atualmente, Carlesse responde a 73 processos na justiça. Cartas precatórias criminais, processos das suas empresas, ações trabalhistas, penais tributárias e execuções fiscais são alguns deles. Em 2015 o governador, então deputado estadual, chegou a ficar preso na Assembleia Legislativa durante 20 dias por não pagar pensão alimentícia à ex-mulher.

Carlesse, agora reeleito, assumiu o governo em março após a cassação do ex-governador Marcelo Miranda (MDB-TO) e sua vice Cláudia Lélis (PV-TO) por caixa dois na campanha de 2014.

Neste domingo foi a terceira vez que os tocantinenses precisaram ir às urnas em 2018. Após a cassação, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a realização de eleições suplementares. Em junho, Carlesse foi eleito em segundo turno para o mandato que vai até 31 de dezembro de 2018, em um pleito no qual 34,9% (355.032 eleitores) não compareceram às urnas e 23,46% dos eleitores votaram nulo e branco.

Diferentemente das eleições suplementares, nesta campanha, a polarização ficou entre Amastha e Carlesse. O senador Vicentinho Alves (PR-TO) que concorreu em junho e ficou em segundo lugar, optou por se aliar a Amastha e tentar a reeleição.

O juiz e autor da Ficha Limpa Marlon Reis (Rede-TO) ficou em terceiro lugar com 6,69% dos votos, seguido por César Simoni (PSL) com 4,52% dos votos e, por fim, Bernadete Aparecida (PSOL), com 0,32%.

Durante a campanha, Carlesse não compareceu a nenhum dos debates na televisão. O governador teve ainda que se ausentar da agenda de compromissos para acompanhar a mãe Olívia Carlesse, que ficou internada na UTI em São Paulo.

Já o segundo colocado, Carlos Amastha, ainda no início da campanha, chegou a anunciar em um vídeo nas redes sociais que não iria mais concorrer após receber a notícia de que dois partidos de sua coligação haviam abandonado a chapa. Um dia depois o ex-prefeito voltou atrás e confirmou a candidatura.

Mauro Carlesse é natural de Terra Boa (PR). No Tocantins, atuou como empresário e agropecuarista. Começou na política filiado ao Partido Verde (PV) e chegou a ser candidato à prefeitura de Gurupi em 2012, cidade no Sul do estado.

Em 2013 filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e venceu as eleições de 2014 para deputado estadual. Em julho de 2016 foi eleito presidente da Assembleia Legislativa para o biênio 2017/2019.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade