Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
No Paraná, eleição para Senado desbanca Requião e Richa

Domingo, 7/10/2018 19:01.
Agência Brasil

Publicidade

ESTELITA HASS CARAZZAI FOLHAPRESS)

A eleição para o Senado no Paraná neste domingo (7) surpreendeu: foram eleitos o neófito Oriovisto Guimarães (Podemos), professor e fundador do grupo educacional Positivo, e o ex-senador Flavio Arns (Rede), que está sem mandato desde 2015.

Oriovisto fez 29% dos votos válidos, e Arns, 23%, segundo parciais do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), com 90% das urnas apuradas.

Ficaram de fora da disputa os dois favoritos das pesquisas: o atual senador Roberto Requião (MDB), que liderava as pesquisas, fez 14% dos votos.

O ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), terminou em sexto lugar, com 3,6%.

Richa foi preso em meio à campanha eleitoral, numa investigação por suspeitas de desvios, e disse que sua prisão foi arbitrária e teve objetivos políticos.

Cabos eleitorais de Ratinho Junior (PSD), eleito em primeiro turno para o governo do Paraná, gritavam, na sede do TRE: "Não é mole, não; o Oriovisto tirou o Requião". Oriovisto integrava a chapa de Ratinho.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Agência Brasil

No Paraná, eleição para Senado desbanca Requião e Richa

Publicidade

Domingo, 7/10/2018 19:01.

ESTELITA HASS CARAZZAI FOLHAPRESS)

A eleição para o Senado no Paraná neste domingo (7) surpreendeu: foram eleitos o neófito Oriovisto Guimarães (Podemos), professor e fundador do grupo educacional Positivo, e o ex-senador Flavio Arns (Rede), que está sem mandato desde 2015.

Oriovisto fez 29% dos votos válidos, e Arns, 23%, segundo parciais do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), com 90% das urnas apuradas.

Ficaram de fora da disputa os dois favoritos das pesquisas: o atual senador Roberto Requião (MDB), que liderava as pesquisas, fez 14% dos votos.

O ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), terminou em sexto lugar, com 3,6%.

Richa foi preso em meio à campanha eleitoral, numa investigação por suspeitas de desvios, e disse que sua prisão foi arbitrária e teve objetivos políticos.

Cabos eleitorais de Ratinho Junior (PSD), eleito em primeiro turno para o governo do Paraná, gritavam, na sede do TRE: "Não é mole, não; o Oriovisto tirou o Requião". Oriovisto integrava a chapa de Ratinho.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade