Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
"Meu neto é um cara bonito, branqueamento da raça", diz general Mourão

Vice de Bolsonaro se destaca pelas besteiras que fala

Domingo, 7/10/2018 7:19.
Pedro Ladeira/Folhapress.

Publicidade

MARIANA CARNEIRO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - "Meu neto é um cara bonito, viu ali? Branqueamento da raça". Dessa maneira o general Hamilton Mourão, vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), apresentou o neto a jornalistas, após desembarcar no Aeroporto de Brasília, na noite deste sábado (9).

O militar já tinha se envolvido em polêmica ao relacionar negros à malandragem, em evento em Caxias do Sul (RS). Após aquele episódio, ele se autodeclarou de origem indígena.

Antes de falar do neto, o candidato a vice afirmara que seria bom um segundo turno. Bolsonaro lidera as pesquisas de intenção de voto e seus aliados apostam em uma vitória no primeiro turno.

Segundo ele, o debate político foi "fraquíssimo" e uma segunda rodada serviria para esclarecer as ideias.

"Seria bom porque seria explicitado realmente... parar de atirar abaixo da linha da cintura e falar o que é verdade, o que interessa", afirmou.

"[O debate foi] fraquíssimo, porque se atacou pessoalmente os candidatos. E não discutimos qual é a sua ideia, o que vamos fazer? Deixou de ser discutido as reformas, como serão feitas. Muita gente fala de parceria público privada. Como vai fazer isso, como vai atrair o parceiro privado? Alguém falou de politica externa?", disse.

Ele voltou a dizer que seria melhor enfrentar Fernando Haddad (PT) no segundo turno, mas usou um ditado militar para resumir o sentimento da campanha.

"[Haddad] é melhor, mas eu sou do exército, a infantaria tem um ditado que é 'o que vier nós traça'."

Sobre Ciro Gomes (PDT), Mourão disse que o candidato precisa reciclar o discurso. "Está parado no tempo, tem que melhorar o discurso."
Mourão celebrou o apoio do que ele mesmo ressaltou ser os três Bs (boi, bíblia e bala), em alusão aos políticos que representam o agronegócio, evangélicos e os que defendem um enfrentamento mais duro na segurança pública.

"A bancada evangélica... a bancada dos três Bs, bala, bíblia e boi, [embarcaram no Bolsonaro]."

Mourão afirmou ainda que, nessa reta final, o assédio da classe política sobre o candidato aumentou.

"É aquela historia do balcão de negócios, né? Tem muita gente desembarcando querendo colocar um pino neste avião e entrar", disse.

Por isso, disse ele, Bolsonaro tuitou "não devemos cargos, nem favores que coloquem em xeque a autonomia de nosso governo e a soberania de nosso país".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Pedro Ladeira/Folhapress.

"Meu neto é um cara bonito, branqueamento da raça", diz general Mourão

Vice de Bolsonaro se destaca pelas besteiras que fala

Publicidade

Domingo, 7/10/2018 7:19.

MARIANA CARNEIRO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - "Meu neto é um cara bonito, viu ali? Branqueamento da raça". Dessa maneira o general Hamilton Mourão, vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), apresentou o neto a jornalistas, após desembarcar no Aeroporto de Brasília, na noite deste sábado (9).

O militar já tinha se envolvido em polêmica ao relacionar negros à malandragem, em evento em Caxias do Sul (RS). Após aquele episódio, ele se autodeclarou de origem indígena.

Antes de falar do neto, o candidato a vice afirmara que seria bom um segundo turno. Bolsonaro lidera as pesquisas de intenção de voto e seus aliados apostam em uma vitória no primeiro turno.

Segundo ele, o debate político foi "fraquíssimo" e uma segunda rodada serviria para esclarecer as ideias.

"Seria bom porque seria explicitado realmente... parar de atirar abaixo da linha da cintura e falar o que é verdade, o que interessa", afirmou.

"[O debate foi] fraquíssimo, porque se atacou pessoalmente os candidatos. E não discutimos qual é a sua ideia, o que vamos fazer? Deixou de ser discutido as reformas, como serão feitas. Muita gente fala de parceria público privada. Como vai fazer isso, como vai atrair o parceiro privado? Alguém falou de politica externa?", disse.

Ele voltou a dizer que seria melhor enfrentar Fernando Haddad (PT) no segundo turno, mas usou um ditado militar para resumir o sentimento da campanha.

"[Haddad] é melhor, mas eu sou do exército, a infantaria tem um ditado que é 'o que vier nós traça'."

Sobre Ciro Gomes (PDT), Mourão disse que o candidato precisa reciclar o discurso. "Está parado no tempo, tem que melhorar o discurso."
Mourão celebrou o apoio do que ele mesmo ressaltou ser os três Bs (boi, bíblia e bala), em alusão aos políticos que representam o agronegócio, evangélicos e os que defendem um enfrentamento mais duro na segurança pública.

"A bancada evangélica... a bancada dos três Bs, bala, bíblia e boi, [embarcaram no Bolsonaro]."

Mourão afirmou ainda que, nessa reta final, o assédio da classe política sobre o candidato aumentou.

"É aquela historia do balcão de negócios, né? Tem muita gente desembarcando querendo colocar um pino neste avião e entrar", disse.

Por isso, disse ele, Bolsonaro tuitou "não devemos cargos, nem favores que coloquem em xeque a autonomia de nosso governo e a soberania de nosso país".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade