Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Temer mira Maia com reforma ministerial
EBC.

Segunda, 12/3/2018 7:08.

MARINA DIAS
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Michel Temer decidiu usar a reforma ministerial que fará no fim deste mês para tentar isolar a pré-candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao Palácio do Planalto e, com isso, ganhar uma sobrevida até julho para seu desejo de concorrer à reeleição.

A estratégia de Temer é dar um ultimato a partidos de sua base aliada, como PP, PR e PTB, e negociar indicações aos ministérios apenas com siglas que se comprometerem com seu projeto eleitoral. O plano pode ser o de sua reeleição ou o de uma candidatura como a do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

As tratativas foram aceleradas nesta semana, após Temer sofrer três reveses na Justiça e Maia ter lançado seu nome ao Planalto com demonstração de apoio de pelo menos 12 partidos, vários deles aliados do governo.

Com o fôlego dado ao inquérito que apura irregularidades no setor de portos, a autorização para a quebra de seu sigilo bancário e a inclusão de seu nome em investigação sobre repasses da Odebrecht ao MDB, o presidente avaliou que precisa reforçar sua fragilizada base enquanto tenta manter influência no tabuleiro eleitoral.

Temer terá de trocar o controle de pelo menos 12 ministérios até 7 de abril –prazo para que os ministros que queiram concorrer às eleições deixem seus cargos.

Um dos principais focos do Planalto é o PP, que hoje detém o Ministério da Saúde. Na terça-feira (6), o presidente do partido, Ciro Nogueira (PI), conversou com Temer sobre a possibilidade de manter o comando da pasta.

Ouviu do presidente que isso só acontecerá se a sigla estiver comprometida com o candidato do governo.

Dois dias depois, na quinta-feira (8), Nogueira compareceu à convenção do DEM, que lançou Maia à Presidência, e disse que estaria ao lado do deputado enquanto ele percorresse o país.

O discurso do dirigente do PP, assim como o de integrantes do PR e do PTB, é o de que o Planalto ainda não oficializou sua candidatura e que, portanto, eles têm até julho para definir suas posições.

Até lá, afirmam, observarão o desempenho do presidente da Câmara –Maia tem apenas 1% das intenções de voto, segundo o Datafolha–, mas não abandonam necessariamente nenhum projeto do campo da centro-direita.

Além da Saúde, nas mãos do PP, o presidente pode nomear novos chefes para Educação (DEM), Trabalho (PTB), Indústria e Comércio Exterior (PRB), entre outros.

MOEDAS

A maior parte desses partidos não terá candidato ao Planalto e, portanto, tem interesse em valorizar o passe em alianças com nomes mais competitivos, como Geraldo Alckmin (PSDB), que tem cerca de 11% nas pesquisas.

A candidatura do próprio Maia é vista com ceticismo pelo governo e por alguns de seus aliados, que acreditam que o deputado só quer se cacifar para ser o aglutinador do bloco de centro e indicar um vice na chapa do tucano.

Outro trunfo nas mãos de Temer é a liberação de cerca de R$ 15 milhões em emendas parlamentares para cada deputado, o que pode ser feito somente até julho, de acordo com a lei eleitoral.

Segundo a reportagem apurou, o presidente vai acelerar o repasse dessa verba durante a costura da reforma ministerial, como mais um caminho para tentar esvaziar as candidaturas de Maia e Alckmin –que também duela pelo apoio desses partidos.

O Planalto calcula que sua vantagem se dá porque as siglas médias têm oferecido de R$ 1 milhão a R$ 2,5 milhões dos fundos eleitoral e partidário para cada deputado fazer campanha, enquanto o presidente pode repassar quantia muito superior.

Esse dinheiro pode ser empregado para privilegiar redutos eleitorais dos deputados e ajudar na conquista de votos em suas bases.

O interesse dos partidos que não têm candidato à Presidência é eleger uma numerosa bancada parlamentar para ter acesso a uma fatia mais gorda desses fundos. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cidade

No Estaleiro e no Estaleirinho as bandeiras seguem hasteadas até a Páscoa


Política

Guru do bolsonarismo afirmou isso no sábado em evento nos Estados Unidos


Cidade

Ele estaria em licença de saúde, mas no filme não parece doente


Publicidade


Geral

Captura além da cota em 2018 é o argumento do governo para impedir a safra de 2019.  


Esportes

Um dos campeões é de Balneário Camboriú


Geral


Cidade

Não iniciou e diretor da segunda colocada na liciitação é acusado na Lava Jato


Publicidade


Justiça

A prisão após a condenação em segunda instância, será avaliada em abril pelo STF.


Política


Geral

Leitores lançam suspeitas sobre procedimento da Caixa


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Temer mira Maia com reforma ministerial

EBC.
Segunda, 12/3/2018 7:08.

MARINA DIAS
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Michel Temer decidiu usar a reforma ministerial que fará no fim deste mês para tentar isolar a pré-candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao Palácio do Planalto e, com isso, ganhar uma sobrevida até julho para seu desejo de concorrer à reeleição.

A estratégia de Temer é dar um ultimato a partidos de sua base aliada, como PP, PR e PTB, e negociar indicações aos ministérios apenas com siglas que se comprometerem com seu projeto eleitoral. O plano pode ser o de sua reeleição ou o de uma candidatura como a do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

As tratativas foram aceleradas nesta semana, após Temer sofrer três reveses na Justiça e Maia ter lançado seu nome ao Planalto com demonstração de apoio de pelo menos 12 partidos, vários deles aliados do governo.

Com o fôlego dado ao inquérito que apura irregularidades no setor de portos, a autorização para a quebra de seu sigilo bancário e a inclusão de seu nome em investigação sobre repasses da Odebrecht ao MDB, o presidente avaliou que precisa reforçar sua fragilizada base enquanto tenta manter influência no tabuleiro eleitoral.

Temer terá de trocar o controle de pelo menos 12 ministérios até 7 de abril –prazo para que os ministros que queiram concorrer às eleições deixem seus cargos.

Um dos principais focos do Planalto é o PP, que hoje detém o Ministério da Saúde. Na terça-feira (6), o presidente do partido, Ciro Nogueira (PI), conversou com Temer sobre a possibilidade de manter o comando da pasta.

Ouviu do presidente que isso só acontecerá se a sigla estiver comprometida com o candidato do governo.

Dois dias depois, na quinta-feira (8), Nogueira compareceu à convenção do DEM, que lançou Maia à Presidência, e disse que estaria ao lado do deputado enquanto ele percorresse o país.

O discurso do dirigente do PP, assim como o de integrantes do PR e do PTB, é o de que o Planalto ainda não oficializou sua candidatura e que, portanto, eles têm até julho para definir suas posições.

Até lá, afirmam, observarão o desempenho do presidente da Câmara –Maia tem apenas 1% das intenções de voto, segundo o Datafolha–, mas não abandonam necessariamente nenhum projeto do campo da centro-direita.

Além da Saúde, nas mãos do PP, o presidente pode nomear novos chefes para Educação (DEM), Trabalho (PTB), Indústria e Comércio Exterior (PRB), entre outros.

MOEDAS

A maior parte desses partidos não terá candidato ao Planalto e, portanto, tem interesse em valorizar o passe em alianças com nomes mais competitivos, como Geraldo Alckmin (PSDB), que tem cerca de 11% nas pesquisas.

A candidatura do próprio Maia é vista com ceticismo pelo governo e por alguns de seus aliados, que acreditam que o deputado só quer se cacifar para ser o aglutinador do bloco de centro e indicar um vice na chapa do tucano.

Outro trunfo nas mãos de Temer é a liberação de cerca de R$ 15 milhões em emendas parlamentares para cada deputado, o que pode ser feito somente até julho, de acordo com a lei eleitoral.

Segundo a reportagem apurou, o presidente vai acelerar o repasse dessa verba durante a costura da reforma ministerial, como mais um caminho para tentar esvaziar as candidaturas de Maia e Alckmin –que também duela pelo apoio desses partidos.

O Planalto calcula que sua vantagem se dá porque as siglas médias têm oferecido de R$ 1 milhão a R$ 2,5 milhões dos fundos eleitoral e partidário para cada deputado fazer campanha, enquanto o presidente pode repassar quantia muito superior.

Esse dinheiro pode ser empregado para privilegiar redutos eleitorais dos deputados e ajudar na conquista de votos em suas bases.

O interesse dos partidos que não têm candidato à Presidência é eleger uma numerosa bancada parlamentar para ter acesso a uma fatia mais gorda desses fundos. 

Publicidade

Publicidade