Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Alckmin ataca concentração de bancos e juros altos para o povão

Os amigos do governo têm dinheiro subsidiado,diz o candidato.

Sábado, 5/5/2018 6:24.
EBC.

Publicidade

THAIS BILENKY
SÃO LUÍS, MA (FOLHAPRESS) - O pré-candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB) atacou a concentração bancária e a falta de competitividade do setor financeiro nacional por gerar juros altos para a população.

"O custo do dinheiro no Brasil é muito alto. Como o dinheiro é caro, você dá dinheiro especial para alguns. Os amigos do governo têm dinheiro subsidiado. E o povão paga a mais alta taxa de juros do mundo. Os juros têm que ser baixos para todo mundo", afirmou nesta sexta-feira (4).

Em debate com universitários em São Luís (MA), Alckmin falou com cautela sobre privatização. Questionado sobre seus planos para os bancos estatais, ele deu a entender que os manterá sob controle do poder público.

"O problema nosso não é ter Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES ou outros bancos estatais. O problema nosso é concentração bancária. Tem muito pouco banco, está muito concentrado. Não tem competição. Capitalismo envolve competição", disse.

"Precisa abrir o mercado para ter mais players, mais participantes da iniciativa privada, trazer mais investimento para o Brasil."

O tucano disse que o spread bancário, a diferença entre o juro que o banco capta e o que empresta, no Brasil, "é o maior que existe". "Como você reduz juros? É com competitividade. Em vez de ter quatro, cinco bancos, precisa ter mais e disputa entre eles."

Alckmin afirmou que a iniciativa privada deve assumir tudo "aquilo que não for estratégico para o desenvolvimento".

E então politizou o discurso, fazendo menção à EBC (Empresa Brasil de Comunicação), que foi criada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e mantém a TV Brasil.

"A TV do Lula não tem audiência nenhuma, mas está lá, estatal. Tudo é o povo que paga, não sou eu, o governante. Não há dinheiro público. Há dinheiro retirado da mesa das famílias. Você tira da mesa das famílias para pôr dentro do governo", atacou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
EBC.

Alckmin ataca concentração de bancos e juros altos para o povão

Os amigos do governo têm dinheiro subsidiado,diz o candidato.

Sábado, 5/5/2018 6:24.

THAIS BILENKY
SÃO LUÍS, MA (FOLHAPRESS) - O pré-candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB) atacou a concentração bancária e a falta de competitividade do setor financeiro nacional por gerar juros altos para a população.

"O custo do dinheiro no Brasil é muito alto. Como o dinheiro é caro, você dá dinheiro especial para alguns. Os amigos do governo têm dinheiro subsidiado. E o povão paga a mais alta taxa de juros do mundo. Os juros têm que ser baixos para todo mundo", afirmou nesta sexta-feira (4).

Em debate com universitários em São Luís (MA), Alckmin falou com cautela sobre privatização. Questionado sobre seus planos para os bancos estatais, ele deu a entender que os manterá sob controle do poder público.

"O problema nosso não é ter Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES ou outros bancos estatais. O problema nosso é concentração bancária. Tem muito pouco banco, está muito concentrado. Não tem competição. Capitalismo envolve competição", disse.

"Precisa abrir o mercado para ter mais players, mais participantes da iniciativa privada, trazer mais investimento para o Brasil."

O tucano disse que o spread bancário, a diferença entre o juro que o banco capta e o que empresta, no Brasil, "é o maior que existe". "Como você reduz juros? É com competitividade. Em vez de ter quatro, cinco bancos, precisa ter mais e disputa entre eles."

Alckmin afirmou que a iniciativa privada deve assumir tudo "aquilo que não for estratégico para o desenvolvimento".

E então politizou o discurso, fazendo menção à EBC (Empresa Brasil de Comunicação), que foi criada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e mantém a TV Brasil.

"A TV do Lula não tem audiência nenhuma, mas está lá, estatal. Tudo é o povo que paga, não sou eu, o governante. Não há dinheiro público. Há dinheiro retirado da mesa das famílias. Você tira da mesa das famílias para pôr dentro do governo", atacou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade