Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Caminhoneiros já deram seu recado e é hora de restabelecer transporte, diz Alckmin

Segunda, 28/5/2018 13:54.
Photopremium/Folhapress.

Publicidade

THAIS BILENKY E JOSÉ MARQUES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) defendeu publicamente o fim da paralisação dos caminhoneiros, que chegou a seu oitavo dia nesta segunda-feira (28).

O tucano cancelou viagens a Rondônia e Mato Grosso do Sul na sexta (25) e sábado (26) em razão do movimento, que gerou desabastecimentos por todo o país.

Em sua primeira agenda pública desde então, na Associação Comercial de São Paulo, nesta manhã, o tucano pregou a volta à normalidade.

"Os caminhoneiros já deram seu recado, o governo atendeu no que pode e agora é hora de nós restabelecermos os transportes", afirmou a jornalistas, após debate de mais de uma hora na entidade.

"Os hospitais precisam de remédio, a população precisa de alimento e agora é hora de retomar a atividade econômica."

A previsão, em discurso elaborado pelo tucano, era de que ele dissesse que "nenhuma pauta, por mais justa que seja, pode parar o Brasil", mas o trecho foi suprimido de suas falas.

O ex-governador de São Paulo defendeu que medidas apresentadas pelo governo, como reajustes no diesel que aconteçam no mínimo a cada 30 dias, sejam permanentes.

Ele também disse ser a favor de um "colchão tributário", com piso e teto de PIS/Cofins -reduzidos quando o preço do barril de petróleo ou o câmbio atingirem o pico e, em situação oposta, o inverso.

"O que é inaceitável é aumentar imposto", disse, acrescentando que vê também uma revolta contra a carga tributária como um dos estopins da mobilização.

Segundo Alckmin, o governo demorou de agir e agora é hora de ter "diálogo e regras permanentes".

Ele evitou comentar sobre possíveis medidas que o governo poderia tomar para desobstruir as rodovias.

"Esse é um tema do governo. O governo estabelecer de um lado o dialogo e do outro o cumprimento da lei", afirmou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Photopremium/Folhapress.

Caminhoneiros já deram seu recado e é hora de restabelecer transporte, diz Alckmin

Publicidade

Segunda, 28/5/2018 13:54.

THAIS BILENKY E JOSÉ MARQUES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) defendeu publicamente o fim da paralisação dos caminhoneiros, que chegou a seu oitavo dia nesta segunda-feira (28).

O tucano cancelou viagens a Rondônia e Mato Grosso do Sul na sexta (25) e sábado (26) em razão do movimento, que gerou desabastecimentos por todo o país.

Em sua primeira agenda pública desde então, na Associação Comercial de São Paulo, nesta manhã, o tucano pregou a volta à normalidade.

"Os caminhoneiros já deram seu recado, o governo atendeu no que pode e agora é hora de nós restabelecermos os transportes", afirmou a jornalistas, após debate de mais de uma hora na entidade.

"Os hospitais precisam de remédio, a população precisa de alimento e agora é hora de retomar a atividade econômica."

A previsão, em discurso elaborado pelo tucano, era de que ele dissesse que "nenhuma pauta, por mais justa que seja, pode parar o Brasil", mas o trecho foi suprimido de suas falas.

O ex-governador de São Paulo defendeu que medidas apresentadas pelo governo, como reajustes no diesel que aconteçam no mínimo a cada 30 dias, sejam permanentes.

Ele também disse ser a favor de um "colchão tributário", com piso e teto de PIS/Cofins -reduzidos quando o preço do barril de petróleo ou o câmbio atingirem o pico e, em situação oposta, o inverso.

"O que é inaceitável é aumentar imposto", disse, acrescentando que vê também uma revolta contra a carga tributária como um dos estopins da mobilização.

Segundo Alckmin, o governo demorou de agir e agora é hora de ter "diálogo e regras permanentes".

Ele evitou comentar sobre possíveis medidas que o governo poderia tomar para desobstruir as rodovias.

"Esse é um tema do governo. O governo estabelecer de um lado o dialogo e do outro o cumprimento da lei", afirmou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade