Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Ida de Spernau para governo Fabrício gerou intensa agitação política

PSDB não digeriu bem o livre-arbítrio do seu ilustre filiado

Terça, 5/6/2018 16:31.
Arquivo Página 3.
Quando todos eram tucanos.

Publicidade

(WALDEMAR CEZAR NETO/JP3) - O anúncio que o engenheiro Rubens Spernau assumirá a Secretaria do Planejamento de Balneário Camboriú nesta quarta-feira às 10h mexeu com a política local, em especial no PSDB onde houve trocas de mensagens - e nem todas educadas.

Em texto que Spernau envio a filiados e o Página 3 teve acesso, ele afirma que gosta da vida pública sob o ponto de vista técnico, não político; que sua função na prefeitura será técnica; que só está filiado ao PSDB por causa de Leonel Pavan e que providenciará sua saída do PSDB para não melindrar ou deixar alguém desconfortável.

A um interlocutor ele resumiu: “agora não posso ser dono do meu nariz?”

Quem conseguiu acalmar os ânimos dos tucanos foi o presidente Aldemar “Bola” Pereira que mostrou aos mais exaltados os serviços que Spernau prestou ao grupo político ao longo dos anos e a importância de ter um filiado ao partido colaborando com a cidade.

Alertou Bola que sob a liderança de Pavan, Spernau e Dado Cherem o grupo político construiu uma história de desenvolvimento turístico e econômico para a cidade.

No PR do vice prefeito Carlos Humberto Silva também ocorreram marolas porque alguns enxergaram na entrada de Spernau no governo um caminho mais aberto para entendimentos com o PSDB até mesmo para futuras composições eleitorais.

Os bastidores da política local andam nervosos pela proximidade da eleição; o fato da base do governo ter dois candidatos (Ary Souza e Carlos Humberto) e a indefinição do PSDB devido ao estado de saúde de Leonel Pavan que está hospitalizado.

É possível e até provável que o pós-eleição, com os resultados das urnas, traga um realinhamento de forças, inclusive na base de apoio ao governo municipal.

É comum candidatos que não se elegem culparem seus aliados pelo insucesso eleitoral e o foco dessa expectativa está justamente entre Ary Souza e Carlos Humberto.

Na semana passada ambos disseram ao Página 3 que têm o apoio da base do governo e Carlos Humberto foi além, declarando que se tiver outro candidato da base ele não concorrerá. É um indicativo claro de confusão logo mais à frente.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Arquivo Página 3.
Quando todos eram tucanos.
Quando todos eram tucanos.

Ida de Spernau para governo Fabrício gerou intensa agitação política

PSDB não digeriu bem o livre-arbítrio do seu ilustre filiado

Publicidade

Terça, 5/6/2018 16:31.

(WALDEMAR CEZAR NETO/JP3) - O anúncio que o engenheiro Rubens Spernau assumirá a Secretaria do Planejamento de Balneário Camboriú nesta quarta-feira às 10h mexeu com a política local, em especial no PSDB onde houve trocas de mensagens - e nem todas educadas.

Em texto que Spernau envio a filiados e o Página 3 teve acesso, ele afirma que gosta da vida pública sob o ponto de vista técnico, não político; que sua função na prefeitura será técnica; que só está filiado ao PSDB por causa de Leonel Pavan e que providenciará sua saída do PSDB para não melindrar ou deixar alguém desconfortável.

A um interlocutor ele resumiu: “agora não posso ser dono do meu nariz?”

Quem conseguiu acalmar os ânimos dos tucanos foi o presidente Aldemar “Bola” Pereira que mostrou aos mais exaltados os serviços que Spernau prestou ao grupo político ao longo dos anos e a importância de ter um filiado ao partido colaborando com a cidade.

Alertou Bola que sob a liderança de Pavan, Spernau e Dado Cherem o grupo político construiu uma história de desenvolvimento turístico e econômico para a cidade.

No PR do vice prefeito Carlos Humberto Silva também ocorreram marolas porque alguns enxergaram na entrada de Spernau no governo um caminho mais aberto para entendimentos com o PSDB até mesmo para futuras composições eleitorais.

Os bastidores da política local andam nervosos pela proximidade da eleição; o fato da base do governo ter dois candidatos (Ary Souza e Carlos Humberto) e a indefinição do PSDB devido ao estado de saúde de Leonel Pavan que está hospitalizado.

É possível e até provável que o pós-eleição, com os resultados das urnas, traga um realinhamento de forças, inclusive na base de apoio ao governo municipal.

É comum candidatos que não se elegem culparem seus aliados pelo insucesso eleitoral e o foco dessa expectativa está justamente entre Ary Souza e Carlos Humberto.

Na semana passada ambos disseram ao Página 3 que têm o apoio da base do governo e Carlos Humberto foi além, declarando que se tiver outro candidato da base ele não concorrerá. É um indicativo claro de confusão logo mais à frente.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade