Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Em evento da CNI empresários aplaudem Bolsonaro e vaiam Ciro

Quinta, 5/7/2018 9:13.
EBC.
Ciro foi vaiado.

Publicidade

DANIEL CARVALHO E MARINA DIAS
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Rivais na disputa pelo Planalto, Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT) provocaram nesta quarta-feira (4) reações antagônicas em uma plateia formada por empresários que se reuniram em Brasília para ouvir as propostas dos pré-candidatos à sucessão de Michel Temer.

Com um discurso superficial, sem detalhar propostas ou aprofundar pensamentos sobre sua possível política econômica, Bolsonaro adotou uma postura mais palatável ao empresariado e foi aplaudido por pelo menos dez vezes durante sua exposição em evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Já Ciro Gomes foi vaiado justamente por defender um tema caro aos empregadores: a revisão da reforma trabalhista aprovada pelo Congresso no ano passado.

O ex-governador do Ceará afirmou não ter poder para revogá-la, mas disse que vai retomar a discussão caso seja eleito em outubro. "Meu compromisso com as centrais sindicais é botar esta bola de volta para o meio de campo."

A explanação do pedetista causou mal-estar na plateia, que o vaiou na mesma hora. Reativo como costuma ser, Ciro respondeu: "Pois é, vai ser assim mesmo. Se quiserem presidente fraco, escolham um desses aí que vêm com conversa fiada para vocês."

"Confiança não é simpatia. Confiança é não mentir", completou o pré-candidato do PDT. Ao final do encontro, Ciro pediu desculpas por qualquer "veemência", mas afirmou não ter se sentido agredido com as vaias. E ponderou que também foi aplaudido pela audiência.

No âmbito político, Ciro disse que parte do Congresso é vista como corrupta e atacou Temer ao afirmar que "há um quadrilheiro na Presidência".

Para Bolsonaro, o país ficará "ingovernável" com "este Supremo". "A gente precisa de um presidente que evite que o nosso Supremo Tribunal Federal continue legislando, bem como o Conselho Nacional de Justiça legisla também", afirmou.

O presidenciável do PSL disse ainda que militares comandarão alguns dos 15 ministérios que pretende ter, caso seja eleito em outubro.
"Vou botar alguns generais nos ministérios caso eu chegue lá. Qual o problema? Os [presidentes] anteriores botavam terroristas e corruptos e ninguém falava nada."

Mesmo diante de empresários, Bolsonaro admitiu que não entende de economia. "Quando falei que não entendia de economia, entendi que a grande mídia fosse levar para o lado da humildade."

Em diversos momentos, disse frases como "não quero falar aquilo que não domino com grande propriedade", "tenho muito mais a aprender do que a ensinar" ou afirmou que quem deveria responder algumas questões era o economista Paulo Guedes, que presta consultoria para sua pré-campanha.

Ressaltando que "ninguém quer o mal do meio ambiente", propôs fundir os Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente e disse que o país está "inviabilizado" por questões ambientais, indígenas e quilombolas.

Ainda jogando para a plateia, Bolsonaro fez afirmações como "jamais quero ser patrão no Brasil com esta legislação", "sem patrão não há empregado" e "os senhores são os nossos patrões".

Sem dar nenhum tipo de detalhe sobre a proposta, falou em manter a inflação baixa e a taxa de juros e em ter um dólar "que não atrapalhe" sem aumentar impostos.

Também buscou -com sucesso- aplausos e risos ao fazer críticas em cima de questões sociais, como quando disse que "nada contra quem é feliz com seu parceiro semelhante. Vá ser feliz. Quem sabe amanhã eu seja também?"

Bolsonaro lidera a corrida presidencial em cenários sem o ex-presidente Lula, segundo pesquisa Datafolha divulgada em junho. Ciro apareceu em terceiro lugar, atrás também de Marina Silva (Rede).

No evento, Henrique Meirelles (MDB) testou sua nova estratégia de campanha e fez um discurso em que citou o governo Lula como sua experiência de sucesso, dizendo que vai mostrar que foi ele quem conduziu a política econômica na boa fase da gestão petista. "A lembrança daquela época é a de que 60 milhões de pessoas entraram na classe média, porque o país cresceu", disse Meirelles.

Meirelles comandou o Banco Central no governo Lula e, na gestão Temer, de maio de 2016 a abril deste ano, foi ministro da Fazenda.

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) buscou no presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendendo uma política de redução de tributos.

"Trump reduziu o imposto corporativo. Temos de estimular novos investimentos", disse.

Alvaro Dias (Podemos) defendeu uma mudança no modelo de escolha dos ministros de tribunais superiores.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
EBC.
Ciro foi vaiado.
Ciro foi vaiado.

Em evento da CNI empresários aplaudem Bolsonaro e vaiam Ciro

Publicidade

Quinta, 5/7/2018 9:13.

DANIEL CARVALHO E MARINA DIAS
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Rivais na disputa pelo Planalto, Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT) provocaram nesta quarta-feira (4) reações antagônicas em uma plateia formada por empresários que se reuniram em Brasília para ouvir as propostas dos pré-candidatos à sucessão de Michel Temer.

Com um discurso superficial, sem detalhar propostas ou aprofundar pensamentos sobre sua possível política econômica, Bolsonaro adotou uma postura mais palatável ao empresariado e foi aplaudido por pelo menos dez vezes durante sua exposição em evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Já Ciro Gomes foi vaiado justamente por defender um tema caro aos empregadores: a revisão da reforma trabalhista aprovada pelo Congresso no ano passado.

O ex-governador do Ceará afirmou não ter poder para revogá-la, mas disse que vai retomar a discussão caso seja eleito em outubro. "Meu compromisso com as centrais sindicais é botar esta bola de volta para o meio de campo."

A explanação do pedetista causou mal-estar na plateia, que o vaiou na mesma hora. Reativo como costuma ser, Ciro respondeu: "Pois é, vai ser assim mesmo. Se quiserem presidente fraco, escolham um desses aí que vêm com conversa fiada para vocês."

"Confiança não é simpatia. Confiança é não mentir", completou o pré-candidato do PDT. Ao final do encontro, Ciro pediu desculpas por qualquer "veemência", mas afirmou não ter se sentido agredido com as vaias. E ponderou que também foi aplaudido pela audiência.

No âmbito político, Ciro disse que parte do Congresso é vista como corrupta e atacou Temer ao afirmar que "há um quadrilheiro na Presidência".

Para Bolsonaro, o país ficará "ingovernável" com "este Supremo". "A gente precisa de um presidente que evite que o nosso Supremo Tribunal Federal continue legislando, bem como o Conselho Nacional de Justiça legisla também", afirmou.

O presidenciável do PSL disse ainda que militares comandarão alguns dos 15 ministérios que pretende ter, caso seja eleito em outubro.
"Vou botar alguns generais nos ministérios caso eu chegue lá. Qual o problema? Os [presidentes] anteriores botavam terroristas e corruptos e ninguém falava nada."

Mesmo diante de empresários, Bolsonaro admitiu que não entende de economia. "Quando falei que não entendia de economia, entendi que a grande mídia fosse levar para o lado da humildade."

Em diversos momentos, disse frases como "não quero falar aquilo que não domino com grande propriedade", "tenho muito mais a aprender do que a ensinar" ou afirmou que quem deveria responder algumas questões era o economista Paulo Guedes, que presta consultoria para sua pré-campanha.

Ressaltando que "ninguém quer o mal do meio ambiente", propôs fundir os Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente e disse que o país está "inviabilizado" por questões ambientais, indígenas e quilombolas.

Ainda jogando para a plateia, Bolsonaro fez afirmações como "jamais quero ser patrão no Brasil com esta legislação", "sem patrão não há empregado" e "os senhores são os nossos patrões".

Sem dar nenhum tipo de detalhe sobre a proposta, falou em manter a inflação baixa e a taxa de juros e em ter um dólar "que não atrapalhe" sem aumentar impostos.

Também buscou -com sucesso- aplausos e risos ao fazer críticas em cima de questões sociais, como quando disse que "nada contra quem é feliz com seu parceiro semelhante. Vá ser feliz. Quem sabe amanhã eu seja também?"

Bolsonaro lidera a corrida presidencial em cenários sem o ex-presidente Lula, segundo pesquisa Datafolha divulgada em junho. Ciro apareceu em terceiro lugar, atrás também de Marina Silva (Rede).

No evento, Henrique Meirelles (MDB) testou sua nova estratégia de campanha e fez um discurso em que citou o governo Lula como sua experiência de sucesso, dizendo que vai mostrar que foi ele quem conduziu a política econômica na boa fase da gestão petista. "A lembrança daquela época é a de que 60 milhões de pessoas entraram na classe média, porque o país cresceu", disse Meirelles.

Meirelles comandou o Banco Central no governo Lula e, na gestão Temer, de maio de 2016 a abril deste ano, foi ministro da Fazenda.

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) buscou no presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendendo uma política de redução de tributos.

"Trump reduziu o imposto corporativo. Temos de estimular novos investimentos", disse.

Alvaro Dias (Podemos) defendeu uma mudança no modelo de escolha dos ministros de tribunais superiores.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade