Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Medo da violência não pode definir voto em outubro, diz Ilona Szabó

Quinta, 12/7/2018 10:57.

DANIELLE BRANT
NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - Armar a população não é a solução para os problemas de segurança pública brasileiros, e o medo da violência não pode definir o voto dos eleitores, afirmou, nesta quarta-feira (11), Ilona Szabó, colunista da Folha e cofundadora e diretora executiva do Instituto Igarapé.

A partir da análise de dados, o centro de estudos busca propor soluções para os problemas de segurança pública do Brasil e países do hemisfério sul.

Ilona conversou com a reportagem após participar de um debate que reuniu brasileiros e estrangeiros na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em Nova York.

O tema discutido foi segurança no Brasil e como o tema tem dominado as discussões de pré-candidatos à Presidência faltando cerca de quatro meses para as eleições.

"Há um mito de que a arma é um instrumento de defesa. A arma é um instrumento de ataque", argumenta. Armar "cidadãos de bem" é uma das plataformas do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

A popularidade do político, que lidera as pesquisas de intenção de voto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fez com que outros presidenciáveis, como Geraldo Alckmin (PSDB), defendessem a flexibilização do porte de arma no país.

Mas, para Ilona, o foco da discussão está equivocado. "Temos que cobrar que o Estado nos proteja, e não tentar voltar para o Velho Oeste."
Para ela, falta embasamento para quem defende a liberação do porte de armas como solução para a violência.

"Onde funcionou o que estão propondo? No mundo e no Brasil, a maioria das pesquisas mostra a correlação entre o número de armas em circulação e o aumento de mortes por arma de fogo", diz.

Para combater esse discurso, o centro lança, em setembro, uma campanha com o mote "não deixe que o medo decida seu voto". A ideia é que conscientizar a população sobre todos os fatores envolvidos na segurança pública.

"É para chamar a atenção para as eleições, mas também para que a população tenha um melhor entendimento sobre esse tema. E fazer escolhas não baseadas em medo, que é o mais difícil nesse momento", diz.

Outro objetivo é combater a ideia de um "salvador da pátria" que traria soluções mágicas para o problema.

"Estamos criando ferramentas para a prevenção ser mais inteligente. No médio e longo prazo, é isso que vai mudar", defende a cofundadora do Igarapé.

Ilona também aposta na renovação política como forma de melhorar o debate sobre segurança pública.

"Vai demandar muitos outros ciclos eleitorais. A gente precisa ter a mudança no sistema político no país", diz.

Para ela, esse movimento começa em cargos como deputado estadual e federal, antes de chegar a esferas mais elevadas. "Mas tem uma nova geração querendo contribuir para esse debate. Se a gente não exigir nossos direitos e não ajudar nisso, não vai acontecer." 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Uma das comissões legislativas é controlada pela oposição


Cidade

Governo terá que agir rápido para não ficar desarticulado


Geral

Bloqueio dos aparelhos começa em dezembro, usuários serão informados


Cidade

Balneário será a cidade mais azul de SC


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Medo da violência não pode definir voto em outubro, diz Ilona Szabó

DANIELLE BRANT
NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - Armar a população não é a solução para os problemas de segurança pública brasileiros, e o medo da violência não pode definir o voto dos eleitores, afirmou, nesta quarta-feira (11), Ilona Szabó, colunista da Folha e cofundadora e diretora executiva do Instituto Igarapé.

A partir da análise de dados, o centro de estudos busca propor soluções para os problemas de segurança pública do Brasil e países do hemisfério sul.

Ilona conversou com a reportagem após participar de um debate que reuniu brasileiros e estrangeiros na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em Nova York.

O tema discutido foi segurança no Brasil e como o tema tem dominado as discussões de pré-candidatos à Presidência faltando cerca de quatro meses para as eleições.

"Há um mito de que a arma é um instrumento de defesa. A arma é um instrumento de ataque", argumenta. Armar "cidadãos de bem" é uma das plataformas do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

A popularidade do político, que lidera as pesquisas de intenção de voto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fez com que outros presidenciáveis, como Geraldo Alckmin (PSDB), defendessem a flexibilização do porte de arma no país.

Mas, para Ilona, o foco da discussão está equivocado. "Temos que cobrar que o Estado nos proteja, e não tentar voltar para o Velho Oeste."
Para ela, falta embasamento para quem defende a liberação do porte de armas como solução para a violência.

"Onde funcionou o que estão propondo? No mundo e no Brasil, a maioria das pesquisas mostra a correlação entre o número de armas em circulação e o aumento de mortes por arma de fogo", diz.

Para combater esse discurso, o centro lança, em setembro, uma campanha com o mote "não deixe que o medo decida seu voto". A ideia é que conscientizar a população sobre todos os fatores envolvidos na segurança pública.

"É para chamar a atenção para as eleições, mas também para que a população tenha um melhor entendimento sobre esse tema. E fazer escolhas não baseadas em medo, que é o mais difícil nesse momento", diz.

Outro objetivo é combater a ideia de um "salvador da pátria" que traria soluções mágicas para o problema.

"Estamos criando ferramentas para a prevenção ser mais inteligente. No médio e longo prazo, é isso que vai mudar", defende a cofundadora do Igarapé.

Ilona também aposta na renovação política como forma de melhorar o debate sobre segurança pública.

"Vai demandar muitos outros ciclos eleitorais. A gente precisa ter a mudança no sistema político no país", diz.

Para ela, esse movimento começa em cargos como deputado estadual e federal, antes de chegar a esferas mais elevadas. "Mas tem uma nova geração querendo contribuir para esse debate. Se a gente não exigir nossos direitos e não ajudar nisso, não vai acontecer." 

Publicidade

Publicidade