Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Bolsonaro cita 'japa de 8 arrobas' no dia em que STF julga se ele vira réu

Terça, 28/8/2018 13:12.
EBC.

Publicidade

JÚLIA BARBON
FOLHAPRESS - No dia em que a Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) deve julgar se Jair Bolsonaro (PSL) vira réu por racismo, o candidato a presidente citou um "japa de oito arrobas", em referência a outra fala sua que motivou a denúncia.

Ao responder uma pergunta da plateia sobre pena de morte em visita ao Ceasa RJ (Centrais de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro) nesta terça (28), ele disse: "No Japão tem pena de morte. Tinha um japa gordo, de uns oito arrobas, que foi pego uns dez anos atrás botando gás sarin no metrô. Foi executado no ano passado."

Na denúncia, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, acusa Bolsonaro de ter usado "expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais", como quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs, durante uma palestra no Clube Hebraica do Rio, em 2017.

Na ocasião, ele disse, entre outras coisas: "Eu fui em um quilombo em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas". O deputado também declarou que tais comunidades "não fazem nada", "nem para procriador eles servem mais".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
EBC.

Bolsonaro cita 'japa de 8 arrobas' no dia em que STF julga se ele vira réu

Publicidade

Terça, 28/8/2018 13:12.

JÚLIA BARBON
FOLHAPRESS - No dia em que a Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) deve julgar se Jair Bolsonaro (PSL) vira réu por racismo, o candidato a presidente citou um "japa de oito arrobas", em referência a outra fala sua que motivou a denúncia.

Ao responder uma pergunta da plateia sobre pena de morte em visita ao Ceasa RJ (Centrais de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro) nesta terça (28), ele disse: "No Japão tem pena de morte. Tinha um japa gordo, de uns oito arrobas, que foi pego uns dez anos atrás botando gás sarin no metrô. Foi executado no ano passado."

Na denúncia, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, acusa Bolsonaro de ter usado "expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais", como quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs, durante uma palestra no Clube Hebraica do Rio, em 2017.

Na ocasião, ele disse, entre outras coisas: "Eu fui em um quilombo em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas". O deputado também declarou que tais comunidades "não fazem nada", "nem para procriador eles servem mais".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade