Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Ato de campanha de Marina Silva constrange Alckmin e França

Segunda, 27/8/2018 15:59.
Jorge AraújoFolhapress

Publicidade

JOELMIR TAVARES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A presidenciável Marina Silva (Rede) estendeu visita à Educafro (ONG de combate à desigualdade racial) nesta segunda-feira (27), em São Paulo, e foi ao prédio de uma secretaria estadual abraçar militantes da entidade que estão acorrentados no local em protesto.

A ex-senadora foi recebida enquanto manifestantes gritavam palavras de ordem contra o tucano Geraldo Alckmin (governador até abril e hoje também candidato à Presidência) e contra Márcio França (PSB-SP), que assumiu a cadeira e concorre à reeleição.

As sete pessoas atadas a um portão na entrada do edifício da pasta da Justiça e da Defesa da Cidadania, no centro da capital paulista e a poucos minutos da sede da ONG, pedem que o governo estabeleça uma política de cotas para concursos públicos do estado.

Marina negou que a ida ao local caracterize campanha eleitoral em prédio de uso público, o que a lei proíbe. Ela disse que foi ao local como cidadã apoiar os manifestantes em vigília.

A candidata posou para fotos e não fez discurso. O frei David, fundador da Educafro, acompanhou a ex-senadora e disse que ela lhe pediu para não discursar no local, mas ele descumpriu a orientação.

O religioso criticou Alckmin e França pela demora na regulamentação da política de cotas e, de mãos dadas com a ex-senadora, puxou um Pai-Nosso.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Jorge AraújoFolhapress

Ato de campanha de Marina Silva constrange Alckmin e França

Publicidade

Segunda, 27/8/2018 15:59.

JOELMIR TAVARES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A presidenciável Marina Silva (Rede) estendeu visita à Educafro (ONG de combate à desigualdade racial) nesta segunda-feira (27), em São Paulo, e foi ao prédio de uma secretaria estadual abraçar militantes da entidade que estão acorrentados no local em protesto.

A ex-senadora foi recebida enquanto manifestantes gritavam palavras de ordem contra o tucano Geraldo Alckmin (governador até abril e hoje também candidato à Presidência) e contra Márcio França (PSB-SP), que assumiu a cadeira e concorre à reeleição.

As sete pessoas atadas a um portão na entrada do edifício da pasta da Justiça e da Defesa da Cidadania, no centro da capital paulista e a poucos minutos da sede da ONG, pedem que o governo estabeleça uma política de cotas para concursos públicos do estado.

Marina negou que a ida ao local caracterize campanha eleitoral em prédio de uso público, o que a lei proíbe. Ela disse que foi ao local como cidadã apoiar os manifestantes em vigília.

A candidata posou para fotos e não fez discurso. O frei David, fundador da Educafro, acompanhou a ex-senadora e disse que ela lhe pediu para não discursar no local, mas ele descumpriu a orientação.

O religioso criticou Alckmin e França pela demora na regulamentação da política de cotas e, de mãos dadas com a ex-senadora, puxou um Pai-Nosso.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade