Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Funcionária da Emasa pede votos com uniforme e carro da autarquia

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Terça, 3/5/2016 16:54.

Na noite desta segunda-feira (2) uma agente de limpeza, lotada na Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), usava o uniforme da autarquia e uma Kombi com motorista do departamento, quando foi vista fazendo campanha eleitoral em Balneário Camboriú. O fato aconteceu na Rua Marrocos, por volta das 20h.

O agente de turismo Marcos Vinicios Pagelkopf, dono da residência, foi quem abriu a porta para a mulher. Ela procurava alguns dos inquilinos de Marcos.

Ele presenciou a mulher fazendo campanha e pedindo para os conhecidos transferirem o título de eleitor para Balneário, para que pudessem votar nela. Quando Marcos questionou o fato de ela estar uniformizada e ter sido levada por um carro da prefeitura com motorista, ela foi embora depressa sem dizer nada. "É inacreditável, uma falta de respeito total com todos nós", lamentou.

O diretor da Emasa, André Ritzmann disse que vai apurar a situação e o motivo de ela estar com um veículo da autarquia depois do horáro. Mesmo se estivesse cumprindo horas extras, ele garantiu que ela será punida pela conduta errada.

Não pode e decreto do prefeito reforça

Um decreto publicado há poucas semanas pelo prefeito Edson Renato Dias deixa claro quais são as proibições para agentes públicos em ano eleitoral.

Entre as vedações estão: usar ou ceder a estrutura da prefeitura em benefício de candidatos ou partidos, usar materiais ou serviços, ou ceder pessoal para comitês eleitorais durante expediente.

De 2 de julho ao pleito, os agentes públicos estão proibidos de receberem transferência voluntária de recursos da União e do Estado ao Município, exceto os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para obras ou serviços em andamento.

O decreto também veda em ano eleitoral distribuir gratuitamente, valores ou benefícios, salvo casos de calamidade pública ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária do exercício anterior.

Quem descumprir pode ser alvo de processo administrativo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade