Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Pré-candidatos falam sobre o projeto da praça milionária e mobilidade do Nações

Sexta, 3/6/2016 8:35.

O prefeito Edson Renato Dias decidiu cancelar uma nova avenida no Bairro das Nações, paralela à modesta Avenida Palestina. Em seguida anunciou que construirá uma grande praça integrada ao estádio municipal cujo custo anunciado é de mais ou menos R$ 30 milhões. Se você fosse prefeito qual atitude tomaria a respeito?

Luiz Fernando Ozawa - Japa (PSOL)

O Bairro das Nações cujo adensamento populacional residencial é claro, sofre com a falta de mobilidade no seu interior, resultado das ineficiências da prefeitura, mesmo tendo seu pré-candidato oriundo daqui. As condições das ruas e passeios não dão a mínima condição de trânsito e urbanidade, uma clara visão de abandono. A decisão é equivocada porque imediatista, apenas para ter uma inauguração como a velha política. Obras têm que ser pensadas a médio e longo prazo, para o bem do futuro das pessoas na cidade, do contrário, é retrocesso.

Carlos Humberto (PR)

A obra da avenida paralela à avenida Palestina é de fundamental importância, bem como a construção de espaços para práticas esportivas e lazer. A avenida paralela não poderia nunca ter sido descartada e sim implementada. Com uma melhor gestão do dinheiro público, priorizando pela eficiência, combatendo a corrupção e o desperdício, poderíamos ter além de construído a tão sonhada avenida, ter feito a interligação com a Avenida das Flores e a ligação do bairro Ariribá com a BR 101, sem falar do viaduto da Quarta Avenida. Governar é eleger prioridades, e a prioridade tem de ser a cidade e as pessoas, e não privilegiar grupos políticos. (...) aqui não temos problema de dinheiro, falta é melhor gestão (...).

Leonel Júnior Pavan (PSDB)

Ambas as obras são importantes, mas fazer uma área de grande concentração de pessoas sem melhoria das condições de mobilidade do entorno certamente irá piorar o trânsito da região. Se eu fosse o prefeito investiria de forma diferente. Para melhorar a mobilidade no setor norte da cidade, especialmente nos bairros Nações, Ariribá e Pioneiros, além da Praia Brava investiria em parceria com o município de Itajaí, num novo acesso à BR-101, ligando à Várzea do Ranchinho. Além disto, buscaria a continuação da Avenida Martin Luther até encontrar o novo acesso. Estas obras diminuiriam a carga de trânsito sobre os acessos da BR hoje existentes, melhorando a mobilidade da cidade como um todo.

Marisa Zanoni Fernandes (PT)

Toda ação que envolva a intervenção na cidade deve estar prevista num planejamento a médio e longo prazo, cujo instrumento legal, que deve ser elaborado com a participação da comunidade, é o PLANO DIRETOR. A política urbana tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade. Se o traçado de uma via pública é necessário para a mobilidade urbana, não deve ser suprimido. Porém, a cidade deve ter espaços de convivência humana, garantindo qualidade de vida aos seus moradores. Portanto, medidas "às pressas" tem cara de desordem ou de "medida eleitoreira" - Isso, certamente, evitaria.

Auri Pavoni (PDT)

São duas obras importantes para o Bairro das Nações, elas se complementam. É essencial oferecer novas alternativas de esporte e lazer. Contudo, a avenida paralela à Palestina vem atender uma urgência do bairro, organizar a mobilidade urbana, desenvolver o comércio local, dar conforto para os moradores. É imprescindível realizar antes as obras da nova avenida, pois as pessoas precisam ter acesso tranquilo aos equipamentos públicos, no caso a praça e o estádio.

Ary Souza (PSD)

A decisão de suspender a abertura da nova avenida no Bairro das Nações, e preferir construir a praça esportiva, é infeliz. Inicialmente, porque não atende aos anseios da comunidade, que deveria ser ouvida, pois seria melhor atendida com a avenida servindo para desafogar o trânsito saturado da Av. Palestina e está prevista na Lei de Zoneamento. A gestão transparente e responsável exige, inclusive, a realização do Estudo de Impacto de Vizinhança, um estudo técnico, que com certeza apontará para a inviabilidade da praça esportiva, antes da implementação de soluções para os impactos negativos, que com certeza seria a ampliação da malha viária.

Observações: César Pio (PMDB) não respondeu porque está viajando. Fábio Flôr (PP) já manifestou sua opinião sobre este assunto aqui. Claudir Maciel (PTB) e Fabrico Oliveira (PSB) não entregaram a resposta em tempo hábil.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

ATUALIZADO às 7h de 15/12/2018.


Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Justiça

Ele considera ilegal a lei municipal que permitiu o empreendimento 


Rapidinhas


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Pré-candidatos falam sobre o projeto da praça milionária e mobilidade do Nações

Sexta, 3/6/2016 8:35.

O prefeito Edson Renato Dias decidiu cancelar uma nova avenida no Bairro das Nações, paralela à modesta Avenida Palestina. Em seguida anunciou que construirá uma grande praça integrada ao estádio municipal cujo custo anunciado é de mais ou menos R$ 30 milhões. Se você fosse prefeito qual atitude tomaria a respeito?

Luiz Fernando Ozawa - Japa (PSOL)

O Bairro das Nações cujo adensamento populacional residencial é claro, sofre com a falta de mobilidade no seu interior, resultado das ineficiências da prefeitura, mesmo tendo seu pré-candidato oriundo daqui. As condições das ruas e passeios não dão a mínima condição de trânsito e urbanidade, uma clara visão de abandono. A decisão é equivocada porque imediatista, apenas para ter uma inauguração como a velha política. Obras têm que ser pensadas a médio e longo prazo, para o bem do futuro das pessoas na cidade, do contrário, é retrocesso.

Carlos Humberto (PR)

A obra da avenida paralela à avenida Palestina é de fundamental importância, bem como a construção de espaços para práticas esportivas e lazer. A avenida paralela não poderia nunca ter sido descartada e sim implementada. Com uma melhor gestão do dinheiro público, priorizando pela eficiência, combatendo a corrupção e o desperdício, poderíamos ter além de construído a tão sonhada avenida, ter feito a interligação com a Avenida das Flores e a ligação do bairro Ariribá com a BR 101, sem falar do viaduto da Quarta Avenida. Governar é eleger prioridades, e a prioridade tem de ser a cidade e as pessoas, e não privilegiar grupos políticos. (...) aqui não temos problema de dinheiro, falta é melhor gestão (...).

Leonel Júnior Pavan (PSDB)

Ambas as obras são importantes, mas fazer uma área de grande concentração de pessoas sem melhoria das condições de mobilidade do entorno certamente irá piorar o trânsito da região. Se eu fosse o prefeito investiria de forma diferente. Para melhorar a mobilidade no setor norte da cidade, especialmente nos bairros Nações, Ariribá e Pioneiros, além da Praia Brava investiria em parceria com o município de Itajaí, num novo acesso à BR-101, ligando à Várzea do Ranchinho. Além disto, buscaria a continuação da Avenida Martin Luther até encontrar o novo acesso. Estas obras diminuiriam a carga de trânsito sobre os acessos da BR hoje existentes, melhorando a mobilidade da cidade como um todo.

Marisa Zanoni Fernandes (PT)

Toda ação que envolva a intervenção na cidade deve estar prevista num planejamento a médio e longo prazo, cujo instrumento legal, que deve ser elaborado com a participação da comunidade, é o PLANO DIRETOR. A política urbana tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade. Se o traçado de uma via pública é necessário para a mobilidade urbana, não deve ser suprimido. Porém, a cidade deve ter espaços de convivência humana, garantindo qualidade de vida aos seus moradores. Portanto, medidas "às pressas" tem cara de desordem ou de "medida eleitoreira" - Isso, certamente, evitaria.

Auri Pavoni (PDT)

São duas obras importantes para o Bairro das Nações, elas se complementam. É essencial oferecer novas alternativas de esporte e lazer. Contudo, a avenida paralela à Palestina vem atender uma urgência do bairro, organizar a mobilidade urbana, desenvolver o comércio local, dar conforto para os moradores. É imprescindível realizar antes as obras da nova avenida, pois as pessoas precisam ter acesso tranquilo aos equipamentos públicos, no caso a praça e o estádio.

Ary Souza (PSD)

A decisão de suspender a abertura da nova avenida no Bairro das Nações, e preferir construir a praça esportiva, é infeliz. Inicialmente, porque não atende aos anseios da comunidade, que deveria ser ouvida, pois seria melhor atendida com a avenida servindo para desafogar o trânsito saturado da Av. Palestina e está prevista na Lei de Zoneamento. A gestão transparente e responsável exige, inclusive, a realização do Estudo de Impacto de Vizinhança, um estudo técnico, que com certeza apontará para a inviabilidade da praça esportiva, antes da implementação de soluções para os impactos negativos, que com certeza seria a ampliação da malha viária.

Observações: César Pio (PMDB) não respondeu porque está viajando. Fábio Flôr (PP) já manifestou sua opinião sobre este assunto aqui. Claudir Maciel (PTB) e Fabrico Oliveira (PSB) não entregaram a resposta em tempo hábil.

Publicidade

Publicidade