Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

CEJA de Balneário Camboriú inova e apresenta muro em LIBRAS
Divulgação/CEJA
Ideia precursora de acolhimento, exemplo a seguir

Sexta, 7/6/2019 10:54.

Quatro alunos do Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA) são surdos, pensando neles e na inclusão, a diretoria da escola resolveu fazer um muro com o alfabeto em LIBRAS. O responsável por ‘levar o projeto para o muro’ foi o grafiteiro Luis Felipe Berejuk.

A diretora do CEJA, Anaí Baldi, explica que queriam incluir de uma forma mais efetiva os quatro alunos surdos e incentivar que os outros 780 estudantes conhecessem esse mundo, além de toda a comunidade da cidade e da região.

“Eu já conhecia o Berejuk e resolvemos propor para ele essa parceria. Nossa ideia inicial era fazer tudo de uma cor, mas ele como artista nos incentivou a fazer colorido. A escola arcou com as despesas, através do dinheiro do Cartão de Pagamento do Estado (CPESC), que é a verba que vem para pintura e parte de manutenção”, diz.

Segundo Anaí, já é possível perceber uma ótima interação do público com o local, não só dos estudantes como de quem passa pela frente da escola.

“Os nossos alunos surdos se emocionaram, adoraram. Eles se sentiram acolhidos e respeitados. Temos muito orgulho de ser a primeira escola da região a fazer um trabalho do tipo. O CEJA tem só quatro alunos que usam a LIBRAS para se comunicar, mas há outras instituições com muito mais, por isso queremos ser os precursores, para que outros locais abracem essa causa” acrescenta.

A ideia para o futuro é ofertar um curso de LIBRAS, o que deve ser conversado formalmente com o Governo do Estado em breve.

O CEJA possui hoje 780 alunos nos três turnos – manhã, tarde e noite – atendendo não só Balneário Camboriú como também as cidades de Camboriú, Itapema, Porto Belo, Bombinhas e a unidade prisional. O Centro recebe pessoas a partir dos 18 anos que desejam concluir o Ensino Médio.


Berejuk, o artista responsável por levar o projeto para o muro

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

CEJA de Balneário Camboriú inova e apresenta muro em LIBRAS

Divulgação/CEJA
Ideia precursora de acolhimento, exemplo a seguir
Ideia precursora de acolhimento, exemplo a seguir

Publicidade

Sexta, 7/6/2019 10:54.

Quatro alunos do Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA) são surdos, pensando neles e na inclusão, a diretoria da escola resolveu fazer um muro com o alfabeto em LIBRAS. O responsável por ‘levar o projeto para o muro’ foi o grafiteiro Luis Felipe Berejuk.

A diretora do CEJA, Anaí Baldi, explica que queriam incluir de uma forma mais efetiva os quatro alunos surdos e incentivar que os outros 780 estudantes conhecessem esse mundo, além de toda a comunidade da cidade e da região.

“Eu já conhecia o Berejuk e resolvemos propor para ele essa parceria. Nossa ideia inicial era fazer tudo de uma cor, mas ele como artista nos incentivou a fazer colorido. A escola arcou com as despesas, através do dinheiro do Cartão de Pagamento do Estado (CPESC), que é a verba que vem para pintura e parte de manutenção”, diz.

Segundo Anaí, já é possível perceber uma ótima interação do público com o local, não só dos estudantes como de quem passa pela frente da escola.

“Os nossos alunos surdos se emocionaram, adoraram. Eles se sentiram acolhidos e respeitados. Temos muito orgulho de ser a primeira escola da região a fazer um trabalho do tipo. O CEJA tem só quatro alunos que usam a LIBRAS para se comunicar, mas há outras instituições com muito mais, por isso queremos ser os precursores, para que outros locais abracem essa causa” acrescenta.

A ideia para o futuro é ofertar um curso de LIBRAS, o que deve ser conversado formalmente com o Governo do Estado em breve.

O CEJA possui hoje 780 alunos nos três turnos – manhã, tarde e noite – atendendo não só Balneário Camboriú como também as cidades de Camboriú, Itapema, Porto Belo, Bombinhas e a unidade prisional. O Centro recebe pessoas a partir dos 18 anos que desejam concluir o Ensino Médio.


Berejuk, o artista responsável por levar o projeto para o muro

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade