Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Professores querem revogar lei que proíbe o uso de celular em sala de aula
Divulgação
Professores do município defendem mudança na lei

Terça, 3/10/2017 7:23.

Segundo divulgado pela própria prefeitura, professores e servidores da Secretaria de Educação estão mobilizados para solicitar modificação em lei municipal, para liberar o uso de celulares nas salas de aula.

A lei é de 2010 e restringe totalmente o uso de alguns equipamentos eletrônicos como celulares, gravadores de voz e câmeras em sala de aula tanto nas escolas públicas como particulares da cidade.

Os professores participaram de uma formação em ensino de matemática através de dispositivos digitais e perceberam que a legislação impede a tecnologia a favor da educação.

“Não estamos querendo que seja liberado para os alunos usarem de qualquer forma, mas sim para usarmos no aprendizado", explicou o coordenador dos professores de matemática e informática, Juliano Júnior Machado.

A professora de Matemática do Centro Educacional Municipal (CEM) Ivo Silveira, Vera Cristina Magnani, também defende o uso da tecnologia.

"A tecnologia faz parte da vida dos alunos e o professor tem que se atualizar. Acredito que isso é o futuro para fazer a criança a prestar mais atenção, aprender de forma mais fácil e ter interesse no conteúdo abordado na sala de aula. O aluno já nasce com a tecnologia, cabe a nós nos adequarmos", disse.

Um documento assinado pelos professores pedindo a adequação da lei será encaminhado à Câmara de Vereadores.


Opiniões

Concordo com a utilização do celular como ferramenta pedagógica. Trata-se de um instrumento completamente incorporado à vida de todos os membros da família, inclusive das crianças. Vale ressaltar o papel do professor como mediador desse processo, pois os objetivos de aprendizagem que deverão nortear a utilização dos aparelhos. A escola precisa estar aberta a utilização das novas tecnologias, trazendo para as salas de aula os conhecimentos e as experiências globais que estão disponíveis na rede, ensinando também o exercício da análise e da crítica sobre os seus conteúdos”, Mara Regina Zluhan, doutora e coordenadora do curso de Pedagogia da Faculdade Avantis.

 "Eu não permito, só o tablet ou notebook, porque aí eles usam a internet do colégio e alguns aplicativos são bloqueados. Se não, é tenso controlar o que fazem. Mas sou a favor de usar dispositivos digitais no momento que o professor permite. Eles têm livro digital, fazem pesquisa, usam o Google Drive, temos até uma revista no colégio sobre educação digital. É muito útil para a aprendizagem, já o celular às vezes atrapalha porque eles ficam em rede social, tiram foto, filmam a aula, tem o lado negativo, por isso tem que ser muito bem orientado", Mariana Ferret, professora de Artes do Colégio Salesiano, de Itajaí.

"A nossa política funciona super bem, o uso de celular é proibido durante a aula e os alunos respeitam, mas o uso nos intervalos é liberado, inclusive temos rede para eles usarem. Então não temos problemas com isso. Depende muito da postura da direção e coordenação quanto a isso, conseguir controlar ou não. Se estão querendo derrubar a lei, então ninguém deve estar tendo problema com isso”, Denis Kerber, biólogo, professor no Sistema COC de Ensino.

"Eu defendo o uso do celular em sala de aula com uma ferramenta pedagógica rica em possibilidades capaz de auxiliar no processo de desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. O importante é tratar da organização e funcionalidade do uso desta ferramenta. Por isso o projeto pedagógico, o planejamento educativo precisam definir o propósito desta utilização. Vivemos em um mundo altamente tecnológico e negar isso na escola é uma postura incoerente quando pensamos na educação como possibilidade de desenvolvimento de cidadania. Portanto planejar e disciplinar o uso com função pedagógica é a tarefa urgente da escola", Marisa Zanoni Fernandes, doutora em educação e professora universitária.


E você leitor, o que acha da proposta? Opine!

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Professores querem revogar lei que proíbe o uso de celular em sala de aula

Divulgação
Professores do município defendem mudança na lei
Professores do município defendem mudança na lei

Publicidade

Terça, 3/10/2017 7:23.

Segundo divulgado pela própria prefeitura, professores e servidores da Secretaria de Educação estão mobilizados para solicitar modificação em lei municipal, para liberar o uso de celulares nas salas de aula.

A lei é de 2010 e restringe totalmente o uso de alguns equipamentos eletrônicos como celulares, gravadores de voz e câmeras em sala de aula tanto nas escolas públicas como particulares da cidade.

Os professores participaram de uma formação em ensino de matemática através de dispositivos digitais e perceberam que a legislação impede a tecnologia a favor da educação.

“Não estamos querendo que seja liberado para os alunos usarem de qualquer forma, mas sim para usarmos no aprendizado", explicou o coordenador dos professores de matemática e informática, Juliano Júnior Machado.

A professora de Matemática do Centro Educacional Municipal (CEM) Ivo Silveira, Vera Cristina Magnani, também defende o uso da tecnologia.

"A tecnologia faz parte da vida dos alunos e o professor tem que se atualizar. Acredito que isso é o futuro para fazer a criança a prestar mais atenção, aprender de forma mais fácil e ter interesse no conteúdo abordado na sala de aula. O aluno já nasce com a tecnologia, cabe a nós nos adequarmos", disse.

Um documento assinado pelos professores pedindo a adequação da lei será encaminhado à Câmara de Vereadores.


Opiniões

Concordo com a utilização do celular como ferramenta pedagógica. Trata-se de um instrumento completamente incorporado à vida de todos os membros da família, inclusive das crianças. Vale ressaltar o papel do professor como mediador desse processo, pois os objetivos de aprendizagem que deverão nortear a utilização dos aparelhos. A escola precisa estar aberta a utilização das novas tecnologias, trazendo para as salas de aula os conhecimentos e as experiências globais que estão disponíveis na rede, ensinando também o exercício da análise e da crítica sobre os seus conteúdos”, Mara Regina Zluhan, doutora e coordenadora do curso de Pedagogia da Faculdade Avantis.

 "Eu não permito, só o tablet ou notebook, porque aí eles usam a internet do colégio e alguns aplicativos são bloqueados. Se não, é tenso controlar o que fazem. Mas sou a favor de usar dispositivos digitais no momento que o professor permite. Eles têm livro digital, fazem pesquisa, usam o Google Drive, temos até uma revista no colégio sobre educação digital. É muito útil para a aprendizagem, já o celular às vezes atrapalha porque eles ficam em rede social, tiram foto, filmam a aula, tem o lado negativo, por isso tem que ser muito bem orientado", Mariana Ferret, professora de Artes do Colégio Salesiano, de Itajaí.

"A nossa política funciona super bem, o uso de celular é proibido durante a aula e os alunos respeitam, mas o uso nos intervalos é liberado, inclusive temos rede para eles usarem. Então não temos problemas com isso. Depende muito da postura da direção e coordenação quanto a isso, conseguir controlar ou não. Se estão querendo derrubar a lei, então ninguém deve estar tendo problema com isso”, Denis Kerber, biólogo, professor no Sistema COC de Ensino.

"Eu defendo o uso do celular em sala de aula com uma ferramenta pedagógica rica em possibilidades capaz de auxiliar no processo de desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. O importante é tratar da organização e funcionalidade do uso desta ferramenta. Por isso o projeto pedagógico, o planejamento educativo precisam definir o propósito desta utilização. Vivemos em um mundo altamente tecnológico e negar isso na escola é uma postura incoerente quando pensamos na educação como possibilidade de desenvolvimento de cidadania. Portanto planejar e disciplinar o uso com função pedagógica é a tarefa urgente da escola", Marisa Zanoni Fernandes, doutora em educação e professora universitária.


E você leitor, o que acha da proposta? Opine!

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade