Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Educação
Método STEM Education chega à escolas da região

Empresa de Itapema traz método que integra ciências, tecnologia, engenharia e matemática para escolas da região

Quarta, 26/7/2017 11:13.
Divulgação.

Publicidade

(Marina Bertolli Comunicação e Marketing) - Imagine uma metodologia de ensino onde, ao invés de ficar sentando em uma cadeira ouvindo o professor falar sobre as leis do movimento de Newton, as crianças possam ver como essas leis funcionam na prática. Esse método, conhecido como STEM Education – amplamente difundido nos Estados Unidos e em diversos países - já é realidade em algumas escolas de Santa Catarina. A proposta está sendo implantada no Brasil pela empresa catarinense chamada Doctor Stem – que já atua em parceria com escolas de Itapema, Itajaí e Balneário Camboriú.

A lógica do trabalho é simples: observe como uma criança reage diante de algo que acabou de descobrir, como um brinquedo novo. O resgate à essa habilidade natural de desmontar, montar, entender como tudo funciona e experimentar o novo, é a proposta da empresa. Mas vai além: com a mentoria de professores treinados no método, o aluno é estimulado a usar a sua criatividade natural para criar soluções práticas diante dos desafios apresentados.

As propostas são baseadas no conceitos das disciplinas STEM, que em inglês é uma abreviatura para Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Para estimular a criatividade, a empresa com sede em Itapema, criou programas de ensino com atividades práticas, em diversas áreas da Engenharia. É aí que a teoria é, de fato, praticada pelos alunos, e com um princípio que não pode faltar em nenhuma atividade: a diversão!

Cada atividade semanal propõe aos jovens cientistas um desafio diferente, ligado ao mundo que os cerca. Porém, antes de sair criando a solução de qualquer jeito, os estudantes são estimulados a entender melhor o problema, pensar nas possíveis soluções, construir e melhorar suas criações. Como? Sendo guiados pelos conceitos do Processo de Design e Engenharia (EAD). É justamente essa metodologia – somada ao STEM Education – que torna o modelo Doctor Stem único no país.

Em cada oficina, os alunos tem a oportunidade de entender os fenômenos naturais envolvidos num determinado objeto. Eles são guiados a desenvolver uma solução para o desafio proposto, como construir um planador capaz de ficar 20 segundos ininterruptos em voo, ou até mesmo um carro movido a ar que pode andar a mais de 30 quilômetros por hora. Pode até parecer complicado, mas a naturalidade com que todo esse conhecimento é passado, em meio à projetos de engenhocas e liberdade à imaginação, transforma conceitos abstratos em fenômenos palpáveis. E o melhor: compreensíveis.

Pequenos cientistas

Esse jeito de pensar – colocando a mão na massa – despertou o interesse do jovem Cauã Oliveira da Costa, de 13 anos. Ele estuda na primeira escola do Brasil a ter o programa Doctor Stem, o Unificado, de Itapema. Desde o início deste ano, ele começou a vivenciar as experiências da empresa, e garante que aprendeu muitas coisas novas. “A maioria delas não aprendemos nas aulas normais, e me ajudam a me concentrar mais em sala”, conta o adolescente. Cauã revela que não pensa ainda em que profissão seguir, e que aproveita para se divertir com cada novo projeto, mas não descarta: “se rolar de estudar coisas relacionadas, vou levar pra minha vida profissional, sim”.

Ele demonstra que o aprendizado é um processo natural, quando estimulado com diversão e criatividade: “a teoria pra mim é a parte mais simples. A prática é onde você se interessa, onde vai ver acontecer, quando testa o que aprendeu na aula e na vida. Falo sempre da aula de robótica, que é a que mais gosto. Conto pros meus amigos que a gente monta, programa e faz acontecer”, relata o estudante. E assim, brincando, a teoria passada é assimilada como qualquer outra brincadeira.

Projeto piloto nasceu em Itapema

O primeiro parceiro da Doctor Stem no Brasil está em Itapema. Em 2016, a escola Unificado buscava implantar atividades diversificadas voltadas para os alunos do período integral. “Parece até ironia do destino, porque nesse momento, a Doctor Stem chegou até nós, oferecendo esse modelo lúdico, que mexe com o cognitivo. Sabíamos que ia provocar o aluno, fazendo ele se sentir motivado e instigado”, conta o vice presidente da unidade, Helle Borges de Lima.

Helle considera que esse “aprendizado significativo” é um novo caminho para a educação, capaz de acompanhar a evolução do mundo a nossa volta, e equilibrar o protagonismo tanto de professores, quanto de alunos. Na escola de Itapema, a Doctor Stem atua de duas formas: faz parte da grade curricular dos alunos matriculados em período integral, e como uma oficina extraclasse opcional, para estudantes de meio turno. “Os alunos se encantaram desde o primeiro momento. Hoje, esse serviço é um diferencial e um atrativo para novos alunos, sem dúvida alguma”, pontua.

O educador e gestor escolar lista os benefícios que pôde perceber, desde a implantação do projeto piloto: melhora no aspecto motivacional do aluno; na evolução da capacidade de resolver problemas; e, em terceiro lugar, no aumento da concentração e da organização. “Fico pensando a longo prazo: quanto esse aluno será capaz de trazer o conhecimento Stem para a vida? Estamos falando de formar uma nova geração de pesquisadores, cientistas, tecnólogos, matemáticos, áreas que são carentes de profissionais no Brasil. É algo muito transformador, que convido a todos pra vir e ver acontecer”, instiga Helle.

A experiência bem sucedida vai ser ampliada nesse segundo semestre: o Unificado vai abrir as portas para receber alunos exclusivamente para as oficinas da Doctor Stem, sem a necessidade deles serem matriculados na escola. “A procura cresce naturalmente e já estamos avaliando a implantação nas outras unidades da região, porque é um programa que agregou muito à nossa escola, no sentido de tornar significativo o que o aluno faz aqui”, disse. Para o educador, a Doctor Stem é uma metodologia de ensino capaz de fazer uma transposição didática do que se vê nos livros, para a realidade. A franquia também atua na escola Liceu Catarinense, de Itajaí, e na escola Energia, de Balneário Camboriú e Itajaí, e tem como meta levar seu modelo de ensino a todo o país.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação.

Método STEM Education chega à escolas da região

Empresa de Itapema traz método que integra ciências, tecnologia, engenharia e matemática para escolas da região

Publicidade

Quarta, 26/7/2017 11:13.

(Marina Bertolli Comunicação e Marketing) - Imagine uma metodologia de ensino onde, ao invés de ficar sentando em uma cadeira ouvindo o professor falar sobre as leis do movimento de Newton, as crianças possam ver como essas leis funcionam na prática. Esse método, conhecido como STEM Education – amplamente difundido nos Estados Unidos e em diversos países - já é realidade em algumas escolas de Santa Catarina. A proposta está sendo implantada no Brasil pela empresa catarinense chamada Doctor Stem – que já atua em parceria com escolas de Itapema, Itajaí e Balneário Camboriú.

A lógica do trabalho é simples: observe como uma criança reage diante de algo que acabou de descobrir, como um brinquedo novo. O resgate à essa habilidade natural de desmontar, montar, entender como tudo funciona e experimentar o novo, é a proposta da empresa. Mas vai além: com a mentoria de professores treinados no método, o aluno é estimulado a usar a sua criatividade natural para criar soluções práticas diante dos desafios apresentados.

As propostas são baseadas no conceitos das disciplinas STEM, que em inglês é uma abreviatura para Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Para estimular a criatividade, a empresa com sede em Itapema, criou programas de ensino com atividades práticas, em diversas áreas da Engenharia. É aí que a teoria é, de fato, praticada pelos alunos, e com um princípio que não pode faltar em nenhuma atividade: a diversão!

Cada atividade semanal propõe aos jovens cientistas um desafio diferente, ligado ao mundo que os cerca. Porém, antes de sair criando a solução de qualquer jeito, os estudantes são estimulados a entender melhor o problema, pensar nas possíveis soluções, construir e melhorar suas criações. Como? Sendo guiados pelos conceitos do Processo de Design e Engenharia (EAD). É justamente essa metodologia – somada ao STEM Education – que torna o modelo Doctor Stem único no país.

Em cada oficina, os alunos tem a oportunidade de entender os fenômenos naturais envolvidos num determinado objeto. Eles são guiados a desenvolver uma solução para o desafio proposto, como construir um planador capaz de ficar 20 segundos ininterruptos em voo, ou até mesmo um carro movido a ar que pode andar a mais de 30 quilômetros por hora. Pode até parecer complicado, mas a naturalidade com que todo esse conhecimento é passado, em meio à projetos de engenhocas e liberdade à imaginação, transforma conceitos abstratos em fenômenos palpáveis. E o melhor: compreensíveis.

Pequenos cientistas

Esse jeito de pensar – colocando a mão na massa – despertou o interesse do jovem Cauã Oliveira da Costa, de 13 anos. Ele estuda na primeira escola do Brasil a ter o programa Doctor Stem, o Unificado, de Itapema. Desde o início deste ano, ele começou a vivenciar as experiências da empresa, e garante que aprendeu muitas coisas novas. “A maioria delas não aprendemos nas aulas normais, e me ajudam a me concentrar mais em sala”, conta o adolescente. Cauã revela que não pensa ainda em que profissão seguir, e que aproveita para se divertir com cada novo projeto, mas não descarta: “se rolar de estudar coisas relacionadas, vou levar pra minha vida profissional, sim”.

Ele demonstra que o aprendizado é um processo natural, quando estimulado com diversão e criatividade: “a teoria pra mim é a parte mais simples. A prática é onde você se interessa, onde vai ver acontecer, quando testa o que aprendeu na aula e na vida. Falo sempre da aula de robótica, que é a que mais gosto. Conto pros meus amigos que a gente monta, programa e faz acontecer”, relata o estudante. E assim, brincando, a teoria passada é assimilada como qualquer outra brincadeira.

Projeto piloto nasceu em Itapema

O primeiro parceiro da Doctor Stem no Brasil está em Itapema. Em 2016, a escola Unificado buscava implantar atividades diversificadas voltadas para os alunos do período integral. “Parece até ironia do destino, porque nesse momento, a Doctor Stem chegou até nós, oferecendo esse modelo lúdico, que mexe com o cognitivo. Sabíamos que ia provocar o aluno, fazendo ele se sentir motivado e instigado”, conta o vice presidente da unidade, Helle Borges de Lima.

Helle considera que esse “aprendizado significativo” é um novo caminho para a educação, capaz de acompanhar a evolução do mundo a nossa volta, e equilibrar o protagonismo tanto de professores, quanto de alunos. Na escola de Itapema, a Doctor Stem atua de duas formas: faz parte da grade curricular dos alunos matriculados em período integral, e como uma oficina extraclasse opcional, para estudantes de meio turno. “Os alunos se encantaram desde o primeiro momento. Hoje, esse serviço é um diferencial e um atrativo para novos alunos, sem dúvida alguma”, pontua.

O educador e gestor escolar lista os benefícios que pôde perceber, desde a implantação do projeto piloto: melhora no aspecto motivacional do aluno; na evolução da capacidade de resolver problemas; e, em terceiro lugar, no aumento da concentração e da organização. “Fico pensando a longo prazo: quanto esse aluno será capaz de trazer o conhecimento Stem para a vida? Estamos falando de formar uma nova geração de pesquisadores, cientistas, tecnólogos, matemáticos, áreas que são carentes de profissionais no Brasil. É algo muito transformador, que convido a todos pra vir e ver acontecer”, instiga Helle.

A experiência bem sucedida vai ser ampliada nesse segundo semestre: o Unificado vai abrir as portas para receber alunos exclusivamente para as oficinas da Doctor Stem, sem a necessidade deles serem matriculados na escola. “A procura cresce naturalmente e já estamos avaliando a implantação nas outras unidades da região, porque é um programa que agregou muito à nossa escola, no sentido de tornar significativo o que o aluno faz aqui”, disse. Para o educador, a Doctor Stem é uma metodologia de ensino capaz de fazer uma transposição didática do que se vê nos livros, para a realidade. A franquia também atua na escola Liceu Catarinense, de Itajaí, e na escola Energia, de Balneário Camboriú e Itajaí, e tem como meta levar seu modelo de ensino a todo o país.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade