Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Ministério da Economia estuda medidas para minimizar crise no setor de hospedagem

Sexta, 20/3/2020 18:37.
Isac Nóbrega/PR

Publicidade

Por Marlla Sabino, Felipe Frazão e Emilly Behnke

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, afirmou que a equipe econômica está "olhando com lupa" o setor de hospedagem e que analisa medidas para minimizar efeitos da pandemia de coronavírus.

A declaração foi feita em reunião com empresários e com o presidente Jair Bolsonaro, transmitida por videoconferência.

Segundo o secretário, as medidas poderiam ser, por exemplo, semelhantes às propostas para o setor aéreo.

"Podem ser medidas trabalhistas, como no setor aéreo, que teve redução salarial, desde que não comprometa o consumo das famílias.

Para o secretário, a questão é garantir capital de giro para o setor privado de forma ordenada, na magnitude certa.

"A gente entende a dificuldade. Entendamos que não tem saída de curto prazo, muitos são pequenos e não têm recursos e precisa mandar empregados para casa. O mais importante é termos linhas de crédito para garantir capital de giro. Temos absoluta certeza que é uma crise temporária", disse.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Isac Nóbrega/PR

Ministério da Economia estuda medidas para minimizar crise no setor de hospedagem

Publicidade

Sexta, 20/3/2020 18:37.
Por Marlla Sabino, Felipe Frazão e Emilly Behnke

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, afirmou que a equipe econômica está "olhando com lupa" o setor de hospedagem e que analisa medidas para minimizar efeitos da pandemia de coronavírus.

A declaração foi feita em reunião com empresários e com o presidente Jair Bolsonaro, transmitida por videoconferência.

Segundo o secretário, as medidas poderiam ser, por exemplo, semelhantes às propostas para o setor aéreo.

"Podem ser medidas trabalhistas, como no setor aéreo, que teve redução salarial, desde que não comprometa o consumo das famílias.

Para o secretário, a questão é garantir capital de giro para o setor privado de forma ordenada, na magnitude certa.

"A gente entende a dificuldade. Entendamos que não tem saída de curto prazo, muitos são pequenos e não têm recursos e precisa mandar empregados para casa. O mais importante é termos linhas de crédito para garantir capital de giro. Temos absoluta certeza que é uma crise temporária", disse.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade