Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Consumidores vão começar a sentir no bolso o aumento do ICMS em Santa Catarina

Segunda, 19/8/2019 11:26.

Publicidade

Alíquota do imposto da carne chega a 12%. Tributação também aumenta preço do botijão de gás, garrafas d’água e tipos de pães, queijos e peixes.

O aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em Santa Catarina vai pesar no bolso dos consumidores. Carnes de frango e porco, gás de cozinha, água mineral e derivados do leite como iogurtes e creme de leite estão na lista dos produtos que sofreram aumento do imposto. De maneira geral, frutas, leite e até mesmo os produtos da cesta básica que não tiveram aumento direto, terão seus preços impactados pela retirada da isenção fiscal dos agrotóxicos, que agora serão taxados em 17%.

“Independentemente da política fiscal do governo que está gerando discussões, o fato é que o aumento do ICMS vai pesar no bolso do consumidor. Como nossa maior taxação é pelo consumo, mais uma vez quem será impactado são os trabalhadores com menor renda já que o aumento de centavos em um produto atinge o orçamento mensal de maneira mais forte para quem ganha menos”, explicou o economista Alex Sandro Fidelis Maciel, do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBGPT). Segundo ele, além dos agrotóxicos, que reflete no valor dos hortifrutigranjeiros presentes na cesta básica e na produção de trigo, soja e milho, o aumento no botijão de gás também será um vilão para o bolso de quem cozinha em casa. “Um botijão que normalmente dura cerca de 15 dias, passou a custar R$ 4 a mais em algumas distribuidoras. É um impacto e tanto no orçamento de quem recebe um salário mínimo, por exemplo”, compartilha Alex.

O aumento na alíquota do ICMS em Santa Catarina, que está valendo desde o dia 1º de agosto, faz parte do pacote do Governo do Estado que deve reduzir até 2022 os incentivos fiscais de 25% para 16%, em obediência à Lei de Diretrizes Orçamentárias aprovada pela Assembleia Legislativa. Com a alteração, carnes de aves e suínos tiveram aumento de 7% para 12%. Os itens com aumento de 12% nos impostos são alguns tipos de peixes, banha de porco prensada, erva mate beneficiada, queijos prato e mussarela, sardinha em lata e pães especiais - com exceção do francês. As garrafas de água mineral até 20 litros, com ou sem gás; leite em pó; misturas para preparação de pães e atum em lata tiveram alteração de 17%.

“No Brasil, a maior taxação está no consumo. Enquanto continuarmos fazendo isso, vamos tirar o poder de compra dos mais pobres e dos que ganham menos, além de afetar a inflação e reduzir a velocidade da roda da economia”, fecha o economista.


Fonte: Huna - Comunicação para o bem


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Consumidores vão começar a sentir no bolso o aumento do ICMS em Santa Catarina

Publicidade

Segunda, 19/8/2019 11:26.

Alíquota do imposto da carne chega a 12%. Tributação também aumenta preço do botijão de gás, garrafas d’água e tipos de pães, queijos e peixes.

O aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em Santa Catarina vai pesar no bolso dos consumidores. Carnes de frango e porco, gás de cozinha, água mineral e derivados do leite como iogurtes e creme de leite estão na lista dos produtos que sofreram aumento do imposto. De maneira geral, frutas, leite e até mesmo os produtos da cesta básica que não tiveram aumento direto, terão seus preços impactados pela retirada da isenção fiscal dos agrotóxicos, que agora serão taxados em 17%.

“Independentemente da política fiscal do governo que está gerando discussões, o fato é que o aumento do ICMS vai pesar no bolso do consumidor. Como nossa maior taxação é pelo consumo, mais uma vez quem será impactado são os trabalhadores com menor renda já que o aumento de centavos em um produto atinge o orçamento mensal de maneira mais forte para quem ganha menos”, explicou o economista Alex Sandro Fidelis Maciel, do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBGPT). Segundo ele, além dos agrotóxicos, que reflete no valor dos hortifrutigranjeiros presentes na cesta básica e na produção de trigo, soja e milho, o aumento no botijão de gás também será um vilão para o bolso de quem cozinha em casa. “Um botijão que normalmente dura cerca de 15 dias, passou a custar R$ 4 a mais em algumas distribuidoras. É um impacto e tanto no orçamento de quem recebe um salário mínimo, por exemplo”, compartilha Alex.

O aumento na alíquota do ICMS em Santa Catarina, que está valendo desde o dia 1º de agosto, faz parte do pacote do Governo do Estado que deve reduzir até 2022 os incentivos fiscais de 25% para 16%, em obediência à Lei de Diretrizes Orçamentárias aprovada pela Assembleia Legislativa. Com a alteração, carnes de aves e suínos tiveram aumento de 7% para 12%. Os itens com aumento de 12% nos impostos são alguns tipos de peixes, banha de porco prensada, erva mate beneficiada, queijos prato e mussarela, sardinha em lata e pães especiais - com exceção do francês. As garrafas de água mineral até 20 litros, com ou sem gás; leite em pó; misturas para preparação de pães e atum em lata tiveram alteração de 17%.

“No Brasil, a maior taxação está no consumo. Enquanto continuarmos fazendo isso, vamos tirar o poder de compra dos mais pobres e dos que ganham menos, além de afetar a inflação e reduzir a velocidade da roda da economia”, fecha o economista.


Fonte: Huna - Comunicação para o bem


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade