Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Dólar fecha abaixo de R$ 3,90 em segundo dia de euforia com pesquisas

Desempenho de Bolsonaro nas pesquisas eleitorais levou o dólar a fechar abaixo dos R$ 3,90

Quinta, 4/10/2018 4:50.

Publicidade

TÁSSIA KASTNER
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O segundo dia de euforia do mercado financeiro com o desempenho de Jair Bolsonaro (PSL) nas pesquisas eleitorais levou o dólar a fechar abaixo dos R$ 3,90 pela primeira vez desde 14 de agosto. A Bolsa brasileira engatou o segundo pregão de alta e voltou aos patamares registrados em maio, antes da crise desencadeada pela paralisação dos caminhoneiros.

A moeda americana terminou o dia em queda de 1,16%, a R$ 3,889 e ficou entre as divisas emergentes que mais ganhou força ante o dólar, atrás apenas do peso argentino. Durante a manhã, a moeda chegou a cair mais de 10 centavos, negociada a R$ 3,8240 na mínima.

A Bolsa brasileira disparou mais de 4% na manhã para acima dos 85 mil pontos. O Ibovespa ganhou 2,04% e terminou o dia a 83.273 pontos. Em duas sessões, o ganho acumulado foi de 5,9%, puxado pelas ações de empresas estatais.

O CDS (Credit Default Swap), espécie de seguro contra calote da dívida do país, chegou a recuar mais de 7% nesta quarta. Fechou com queda de 4%.

A poucos dias para o primeiro turno das eleições, que ocorre neste domingo, investidores viram crescer as chances de Bolsonaro derrotar Fernando Haddad (PT) na disputa à presidência. O capitão reformado é visto como mais disposto a propor reformas que o mercado considera necessárias para o reequilíbrio das contas públicas.

A preferência por Bolsonaro se mantém mesmo com críticas de importantes órgãos de imprensa internacionais e agências de classificação de risco, que projetam riscos para a economia com a eleição do candidato do PSL.

Analistas destacam também que Bolsonaro começa a aglutinar a seu redor partidos que até então estavam ao lado de Geraldo Alckmin (PSDB), que não decolou na preferência dos eleitores mesmo tendo o maior tempo de TV entre os candidatos à Presidência.

Pesquisa Datafolha divulgada na noite de terça-feira (2) mostrou que Bolsonaro tem 32% das intenções de voto, alta de 4 pontos percentuais na comparação com o levantamento divulgado na sexta-feira passada (28). A disparada ocorreu após semanas de estagnação e em um momento em que o capitão reformado vinha sofrendo com reportagens negativas na imprensa e protestos nas ruas.

Fernando Haddad (PT), por outro lado, estagnou nas intenções de voto e viu sua rejeição disparar, também de acordo com o Datafolha. O levantamento mostrou ainda que os dois candidatos líderes nas pesquisas voltaram a empatar no segundo turno, com vantagem a Bolsonaro (dentro da margem de erro).

"O mercado faz uma conta para cada candidato e, como aumentaram as chances de vitória de Bolsonaro, passou a ajustar o preço dos ativos a esse cenário", disse o economista-sênior do banco Haitong, Flávio Serrano.

Desde terça-feira (2), investidores começam a projetar a possibilidade de que Bolsonaro vença a disputa ainda no primeiro turno, o que também ajuda a impulsionar o mercado. No Datafolha, ele tem 38% dos votos válidos (descontados brancos e nulos). Para vencer no primeiro turno, é preciso 50% dos votos válidos mais um


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Dólar fecha abaixo de R$ 3,90 em segundo dia de euforia com pesquisas

Desempenho de Bolsonaro nas pesquisas eleitorais levou o dólar a fechar abaixo dos R$ 3,90

Publicidade

Quinta, 4/10/2018 4:50.

TÁSSIA KASTNER
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O segundo dia de euforia do mercado financeiro com o desempenho de Jair Bolsonaro (PSL) nas pesquisas eleitorais levou o dólar a fechar abaixo dos R$ 3,90 pela primeira vez desde 14 de agosto. A Bolsa brasileira engatou o segundo pregão de alta e voltou aos patamares registrados em maio, antes da crise desencadeada pela paralisação dos caminhoneiros.

A moeda americana terminou o dia em queda de 1,16%, a R$ 3,889 e ficou entre as divisas emergentes que mais ganhou força ante o dólar, atrás apenas do peso argentino. Durante a manhã, a moeda chegou a cair mais de 10 centavos, negociada a R$ 3,8240 na mínima.

A Bolsa brasileira disparou mais de 4% na manhã para acima dos 85 mil pontos. O Ibovespa ganhou 2,04% e terminou o dia a 83.273 pontos. Em duas sessões, o ganho acumulado foi de 5,9%, puxado pelas ações de empresas estatais.

O CDS (Credit Default Swap), espécie de seguro contra calote da dívida do país, chegou a recuar mais de 7% nesta quarta. Fechou com queda de 4%.

A poucos dias para o primeiro turno das eleições, que ocorre neste domingo, investidores viram crescer as chances de Bolsonaro derrotar Fernando Haddad (PT) na disputa à presidência. O capitão reformado é visto como mais disposto a propor reformas que o mercado considera necessárias para o reequilíbrio das contas públicas.

A preferência por Bolsonaro se mantém mesmo com críticas de importantes órgãos de imprensa internacionais e agências de classificação de risco, que projetam riscos para a economia com a eleição do candidato do PSL.

Analistas destacam também que Bolsonaro começa a aglutinar a seu redor partidos que até então estavam ao lado de Geraldo Alckmin (PSDB), que não decolou na preferência dos eleitores mesmo tendo o maior tempo de TV entre os candidatos à Presidência.

Pesquisa Datafolha divulgada na noite de terça-feira (2) mostrou que Bolsonaro tem 32% das intenções de voto, alta de 4 pontos percentuais na comparação com o levantamento divulgado na sexta-feira passada (28). A disparada ocorreu após semanas de estagnação e em um momento em que o capitão reformado vinha sofrendo com reportagens negativas na imprensa e protestos nas ruas.

Fernando Haddad (PT), por outro lado, estagnou nas intenções de voto e viu sua rejeição disparar, também de acordo com o Datafolha. O levantamento mostrou ainda que os dois candidatos líderes nas pesquisas voltaram a empatar no segundo turno, com vantagem a Bolsonaro (dentro da margem de erro).

"O mercado faz uma conta para cada candidato e, como aumentaram as chances de vitória de Bolsonaro, passou a ajustar o preço dos ativos a esse cenário", disse o economista-sênior do banco Haitong, Flávio Serrano.

Desde terça-feira (2), investidores começam a projetar a possibilidade de que Bolsonaro vença a disputa ainda no primeiro turno, o que também ajuda a impulsionar o mercado. No Datafolha, ele tem 38% dos votos válidos (descontados brancos e nulos). Para vencer no primeiro turno, é preciso 50% dos votos válidos mais um


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade