Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Dólar é cotado abaixo de R$ 3,70 e acumula queda de 11% em um mês

Quarta, 17/10/2018 7:21.
Gabriel Cabral/Folhapress.

Publicidade

ANAÏS FERNANDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar chegou a ser cotado abaixo de R$ 3,70 nesta terça-feira (16), sob influência do ambiente de maior busca por risco no exterior e após nova pesquisa eleitoral consolidar a ampla vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa presidencial.

Na mínima, a moeda americana foi negociada a R$ 3,693, mas acabou fechando em queda menor, de 0,40%, cotada a R$ 3,72.

O Ibovespa, índice que reúne as principais ações da Bolsa brasileira, avançou 2,83%, para 85.717,56 pontos.

Operadores dizem que o preço dos ativos já reflete quase inteiramente a vitória de Bolsonaro, enquanto o dólar ainda testa a manutenção no patamar de R$ 3,70.

Na noite de segunda-feira (15), pesquisa Ibope mostrou que Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, ante 41% de Fernando Haddad (PT).

A preferência do mercado financeiro por Bolsonaro é apoiada basicamente em seu guru econômico, o economista liberal Paulo Guedes, e na expectativa de que eles podem impor uma agenda de reformas, corte de gastos e ajuste fiscal.

Nicolas Takeo, analista da corretora Socopa, observa que, com a eventual confirmação da vitória de Bolsonaro, ainda há espaço para um ganho adicional na Bolsa no curto prazo.

"Virando essa página, para que o preço dos ativos ande mais, será preciso acompanhar qual será a agenda de reformas, sobretudo fiscais, do novo governo e também como será a formação da equipe ministerial", afirma.

Takeo diz considerar que o câmbio está "um pouco mais ajustado" que a Bolsa.

Desde que bateu recorde nominal de fechamento, em 13 de setembro, quando terminou o pregão a R$ 4,197, o dólar acumula queda de 11%.

"Independentemente do que venha nos próximos capítulos do Brasil em termos de política e economia doméstica, há um cenário internacional que se mostra um pouco complicado, com estresses comerciais e geopolíticos", afirma Takeo sobre perspectivas para o câmbio.

Lá fora, a terça-feira foi marcada pela busca por ativos de maior risco, após dados mostrarem diminuição no ritmo de crescimento da indústria americana no terceiro trimestre.

A notícia alivia momentaneamente a pressão sobre um aperto monetário mais rápido nos Estados Unidos.

Taxas de juros elevadas atraem fluxo de capital para a maior economia do mundo, fortalecendo o dólar globalmente.

Nesta sessão, porém, a moeda americana perdeu força ante 26 das 31 principais divisas do mundo.

Em Wall Street, os ganhos foram fortes refletindo resultados corporativos acima do esperado, entre eles o do banco Goldman Sachs.

O Dow Jones, principal índice de Nova York, subiu 2,17%. O S&P 500 avançou 2,15%, e o índice de tecnologia Nasdaq, 2,89%.

No mercado brasileiro, o destaque ficou para ações de bancos e da Petrobras, que subiram na casa dos 4%.

A líder entre as altas, no entanto, foi a companhia aérea Gol. Suas ações preferenciais se valorizaram 12,85%, enquanto analistas observavam sinergias com a incorporação da Smiles, anunciada na véspera.

Os papéis da empresa de programa de fidelidade tiveram uma sessão de ajustes: subiram 8,2%, após despencarem quase 40% na segunda-feira.

O otimismo dos investidores também pôde ser percebido no mercado de títulos públicos brasileiros.

O alívio com os rumos políticos do país fez com que os juros futuros recuassem nesta sessão.

A queda nas taxas levou muitos investidores a vender os papéis em busca de um retorno maior, em um fluxo que fez com que o Tesouro travasse as negociações pela manhã.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Gabriel Cabral/Folhapress.

Dólar é cotado abaixo de R$ 3,70 e acumula queda de 11% em um mês

Publicidade

Quarta, 17/10/2018 7:21.

ANAÏS FERNANDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar chegou a ser cotado abaixo de R$ 3,70 nesta terça-feira (16), sob influência do ambiente de maior busca por risco no exterior e após nova pesquisa eleitoral consolidar a ampla vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa presidencial.

Na mínima, a moeda americana foi negociada a R$ 3,693, mas acabou fechando em queda menor, de 0,40%, cotada a R$ 3,72.

O Ibovespa, índice que reúne as principais ações da Bolsa brasileira, avançou 2,83%, para 85.717,56 pontos.

Operadores dizem que o preço dos ativos já reflete quase inteiramente a vitória de Bolsonaro, enquanto o dólar ainda testa a manutenção no patamar de R$ 3,70.

Na noite de segunda-feira (15), pesquisa Ibope mostrou que Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, ante 41% de Fernando Haddad (PT).

A preferência do mercado financeiro por Bolsonaro é apoiada basicamente em seu guru econômico, o economista liberal Paulo Guedes, e na expectativa de que eles podem impor uma agenda de reformas, corte de gastos e ajuste fiscal.

Nicolas Takeo, analista da corretora Socopa, observa que, com a eventual confirmação da vitória de Bolsonaro, ainda há espaço para um ganho adicional na Bolsa no curto prazo.

"Virando essa página, para que o preço dos ativos ande mais, será preciso acompanhar qual será a agenda de reformas, sobretudo fiscais, do novo governo e também como será a formação da equipe ministerial", afirma.

Takeo diz considerar que o câmbio está "um pouco mais ajustado" que a Bolsa.

Desde que bateu recorde nominal de fechamento, em 13 de setembro, quando terminou o pregão a R$ 4,197, o dólar acumula queda de 11%.

"Independentemente do que venha nos próximos capítulos do Brasil em termos de política e economia doméstica, há um cenário internacional que se mostra um pouco complicado, com estresses comerciais e geopolíticos", afirma Takeo sobre perspectivas para o câmbio.

Lá fora, a terça-feira foi marcada pela busca por ativos de maior risco, após dados mostrarem diminuição no ritmo de crescimento da indústria americana no terceiro trimestre.

A notícia alivia momentaneamente a pressão sobre um aperto monetário mais rápido nos Estados Unidos.

Taxas de juros elevadas atraem fluxo de capital para a maior economia do mundo, fortalecendo o dólar globalmente.

Nesta sessão, porém, a moeda americana perdeu força ante 26 das 31 principais divisas do mundo.

Em Wall Street, os ganhos foram fortes refletindo resultados corporativos acima do esperado, entre eles o do banco Goldman Sachs.

O Dow Jones, principal índice de Nova York, subiu 2,17%. O S&P 500 avançou 2,15%, e o índice de tecnologia Nasdaq, 2,89%.

No mercado brasileiro, o destaque ficou para ações de bancos e da Petrobras, que subiram na casa dos 4%.

A líder entre as altas, no entanto, foi a companhia aérea Gol. Suas ações preferenciais se valorizaram 12,85%, enquanto analistas observavam sinergias com a incorporação da Smiles, anunciada na véspera.

Os papéis da empresa de programa de fidelidade tiveram uma sessão de ajustes: subiram 8,2%, após despencarem quase 40% na segunda-feira.

O otimismo dos investidores também pôde ser percebido no mercado de títulos públicos brasileiros.

O alívio com os rumos políticos do país fez com que os juros futuros recuassem nesta sessão.

A queda nas taxas levou muitos investidores a vender os papéis em busca de um retorno maior, em um fluxo que fez com que o Tesouro travasse as negociações pela manhã.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade