Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Tarifas dos EUA à China derrubam bolsas em Nova York; dólar vai a R$ 3,31

Sexta, 23/3/2018 6:54.

Publicidade

ANAÏS FERNANDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, definindo tarifas bilionárias aos produtos chineses fez as bolsas de Nova York despencarem nesta quinta-feira (22), e as fortes perdas em Wall Street ofuscaram as boas notícias sobre juros para o mercado acionário brasileiro. Pressionado, o dólar registrou a maior alta ante o real em sete semanas.

O Dow Jones, índice das ações mais negociadas de Nova York, fechou com queda de 2,93%. O S&P 500 caiu 2,52%, e o Nadaq, 2,43%. O anúncio contaminou também a Europa, com a Bolsa de Londres fechando em baixa de 1,23%, a de Frankfurt caindo 1,70% e Paris recuando 1,38%.

O temor é que a postura protecionista do governo americano desencadeie uma guerra comercial global. A China já sinalizou que reagirá às tarifas de Trump e que considera abrir uma reclamação na OMC (Organização Mundial do Comércio), mas não descartou outras opções de resposta.

Depois de oscilar entre altas e baixas ao longo do dia, o Ibovespa, índice que reúne as ações de maior liquidez na Bolsa brasileira, fechou com queda de 0,25%, a 84.767 pontos. O giro financeiro somou R$ 10,045 bilhões.

Na quarta (21), o Banco Central cortou a Selic (taxa básica de juros) para 6,5%, num movimento já esperado pelo mercado, mas surpreendeu ao indicar que outra redução em maio era possível.

A notícia seria boa para o mercado de ações, porque, com juros baixos, os investidores procuram maior rentabilidade para seus ativos, mas foi ofuscada pelo mau humor no exterior.

"O dia foi muito volátil e traduziu grande indecisão dos investidores. No Brasil, isso se atrela ainda a incertezas políticas e até jurídicas", diz Alexandre Wolwacz, sócio-fundador do Grupo L&S.

Ele se refere ao julgamento do habeas corpus de Lula no STF (Supremo Tribunal Federal), que foi adiado no início da noite desta quinta e evita a prisão do ex-presidente até 4 de abril.

DÓLAR

A fuga de risco que deu o tom pelo mundo afetou também a cotação da divisa norte-americana em relação ao real.

O dólar comercial fechou em alta de 1,25%, a R$ 3,31. O dólar à vista subiu 0,58% também a R$ 3,30.

"Uma guerra comercial influencia diretamente o dólar. Ele se valorizou entre as principais moedas do mundo e vemos que, depois de ficar muito tempo sem conseguir definir uma tendência, apresenta maior força compradora para os próximos dias", diz Wolwacz.

Boas para o mercado de ações, taxas de juros mais baixas não são igualmente benéficas para o câmbio.

Com juros menores, o Brasil diminui seu diferencial atrativo para estrangeiros, que buscam outros países para aplicar seu dinheiro.

"O aumento dos juros nos Estados Unidos, de uma forma ou de outra, atrapalha um pouco o plano dos emergentes. Estamos ficando com um juro mais realista, e alguns apelos que o Brasil tinha diminuem, disseminando o desinteresse [do estrangeiro] para vir para o país", diz Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Tarifas dos EUA à China derrubam bolsas em Nova York; dólar vai a R$ 3,31

Publicidade

Sexta, 23/3/2018 6:54.

ANAÏS FERNANDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, definindo tarifas bilionárias aos produtos chineses fez as bolsas de Nova York despencarem nesta quinta-feira (22), e as fortes perdas em Wall Street ofuscaram as boas notícias sobre juros para o mercado acionário brasileiro. Pressionado, o dólar registrou a maior alta ante o real em sete semanas.

O Dow Jones, índice das ações mais negociadas de Nova York, fechou com queda de 2,93%. O S&P 500 caiu 2,52%, e o Nadaq, 2,43%. O anúncio contaminou também a Europa, com a Bolsa de Londres fechando em baixa de 1,23%, a de Frankfurt caindo 1,70% e Paris recuando 1,38%.

O temor é que a postura protecionista do governo americano desencadeie uma guerra comercial global. A China já sinalizou que reagirá às tarifas de Trump e que considera abrir uma reclamação na OMC (Organização Mundial do Comércio), mas não descartou outras opções de resposta.

Depois de oscilar entre altas e baixas ao longo do dia, o Ibovespa, índice que reúne as ações de maior liquidez na Bolsa brasileira, fechou com queda de 0,25%, a 84.767 pontos. O giro financeiro somou R$ 10,045 bilhões.

Na quarta (21), o Banco Central cortou a Selic (taxa básica de juros) para 6,5%, num movimento já esperado pelo mercado, mas surpreendeu ao indicar que outra redução em maio era possível.

A notícia seria boa para o mercado de ações, porque, com juros baixos, os investidores procuram maior rentabilidade para seus ativos, mas foi ofuscada pelo mau humor no exterior.

"O dia foi muito volátil e traduziu grande indecisão dos investidores. No Brasil, isso se atrela ainda a incertezas políticas e até jurídicas", diz Alexandre Wolwacz, sócio-fundador do Grupo L&S.

Ele se refere ao julgamento do habeas corpus de Lula no STF (Supremo Tribunal Federal), que foi adiado no início da noite desta quinta e evita a prisão do ex-presidente até 4 de abril.

DÓLAR

A fuga de risco que deu o tom pelo mundo afetou também a cotação da divisa norte-americana em relação ao real.

O dólar comercial fechou em alta de 1,25%, a R$ 3,31. O dólar à vista subiu 0,58% também a R$ 3,30.

"Uma guerra comercial influencia diretamente o dólar. Ele se valorizou entre as principais moedas do mundo e vemos que, depois de ficar muito tempo sem conseguir definir uma tendência, apresenta maior força compradora para os próximos dias", diz Wolwacz.

Boas para o mercado de ações, taxas de juros mais baixas não são igualmente benéficas para o câmbio.

Com juros menores, o Brasil diminui seu diferencial atrativo para estrangeiros, que buscam outros países para aplicar seu dinheiro.

"O aumento dos juros nos Estados Unidos, de uma forma ou de outra, atrapalha um pouco o plano dos emergentes. Estamos ficando com um juro mais realista, e alguns apelos que o Brasil tinha diminuem, disseminando o desinteresse [do estrangeiro] para vir para o país", diz Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade