Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Dólar cai para R$ 3,53 com alívio por ação do BC

Sexta, 4/5/2018 7:28.

Publicidade

DANIELLE BRANT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O recado dado pelo Banco Central de que não vai deixar o dólar ter valorização brusca como a registrada na quarta-feira (2) -a moeda ganhou R$ 0,05 na sessão- trouxe alívio aos investidores nesta quinta-feira (3) e contribuiu para que a divisa americana recuasse para R$ 3,53.

A desvalorização ocorreu um dia depois de autoridade monetária sinalizar que pode oferecer mais contratos de swaps cambiais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro) do que a quantidade que vence em junho, para tentar conter a alta da moeda americana.

Em junho, vencem US$ 5,65 bilhões em swaps cambiais. Atualmente, o BC tem um estoque de US$ 23,8 bilhões de contratos.

"Mostra que o Banco Central está disposto a intervir, eles foram muito prudentes. Foi inteligente em anunciar que talvez aumente o estoque de contratos. É um sinal ao mercado de que, se ele não ficar feliz com o dólar, pode aumentar o estoque de swaps", afirma José Francisco Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator.

Ele diz que o dólar deve se acomodar num patamar em torno de R$ 3,50. "Não volta para R$ 3,20, é um patamar novo. O mercado testa, por isso achei inteligente o Banco Central falar que pode atuar para suavizar a alta do dólar."

Para Gonçalves, a recente valorização do dólar teve influência ainda da redução da diferença de juros entre Estados Unidos e Brasil.

"A taxa real nos EUA não está mais negativa, essa que é a perspectiva de mudança que atrai investidores para os títulos do país", diz.

A queda também ocorreu em relação à maioria das moedas globais: 23 das 31 principais divisas ganharam força ante o dólar nesta quinta.

Alexandre Wolwacz, sócio-fundador do Grupo L&S, afirma que o recuo do dólar no exterior também colaborou para a queda da moeda americana nesta quinta.

"A expectativa de maior oferta de contratos de swaps pode ajudar a travar o dólar por horas, no máximo. Faz pressão no curto prazo, mas não muda uma tendência da moeda. Se não houvesse essa queda no exterior, a medida anunciada pelo BC poderia não ter impactado o dólar."

Ele afirma que a tendência do dólar tem fundamento. "A economia americana cresce mais rápido do que outras economias mundiais, nós temos uma projeção de crescimento muito baixa no Brasil. Então o mais provável é que o dólar se valorize, o que é ruim, porque pode afetar a inflação e deixar o governo numa saia-justa", afirma.

A preocupação é que esse impacto possa fazer o Banco Central repensar a queda de juros na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do BC) deste mês, em que se espera uma queda dos juros para 6,25% ao ano.

Mas Gonçalves, do Banco Fator, descarta essa possibilidade. "Não é o suficiente para que o Banco Central não corte os juros. A economia está ruim, não tem ninguém que mantenha a visão de atividade neste ano por causa deste primeiro trimestre. Há um amplo espaço para que o câmbio varie sem pressionar a inflação", diz.

Os investidores aguardam a divulgação de emprego nos Estados Unidos. Em abril, a expectativa é de criação de 192 mil vagas no país.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Dólar cai para R$ 3,53 com alívio por ação do BC

Publicidade

Sexta, 4/5/2018 7:28.

DANIELLE BRANT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O recado dado pelo Banco Central de que não vai deixar o dólar ter valorização brusca como a registrada na quarta-feira (2) -a moeda ganhou R$ 0,05 na sessão- trouxe alívio aos investidores nesta quinta-feira (3) e contribuiu para que a divisa americana recuasse para R$ 3,53.

A desvalorização ocorreu um dia depois de autoridade monetária sinalizar que pode oferecer mais contratos de swaps cambiais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro) do que a quantidade que vence em junho, para tentar conter a alta da moeda americana.

Em junho, vencem US$ 5,65 bilhões em swaps cambiais. Atualmente, o BC tem um estoque de US$ 23,8 bilhões de contratos.

"Mostra que o Banco Central está disposto a intervir, eles foram muito prudentes. Foi inteligente em anunciar que talvez aumente o estoque de contratos. É um sinal ao mercado de que, se ele não ficar feliz com o dólar, pode aumentar o estoque de swaps", afirma José Francisco Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator.

Ele diz que o dólar deve se acomodar num patamar em torno de R$ 3,50. "Não volta para R$ 3,20, é um patamar novo. O mercado testa, por isso achei inteligente o Banco Central falar que pode atuar para suavizar a alta do dólar."

Para Gonçalves, a recente valorização do dólar teve influência ainda da redução da diferença de juros entre Estados Unidos e Brasil.

"A taxa real nos EUA não está mais negativa, essa que é a perspectiva de mudança que atrai investidores para os títulos do país", diz.

A queda também ocorreu em relação à maioria das moedas globais: 23 das 31 principais divisas ganharam força ante o dólar nesta quinta.

Alexandre Wolwacz, sócio-fundador do Grupo L&S, afirma que o recuo do dólar no exterior também colaborou para a queda da moeda americana nesta quinta.

"A expectativa de maior oferta de contratos de swaps pode ajudar a travar o dólar por horas, no máximo. Faz pressão no curto prazo, mas não muda uma tendência da moeda. Se não houvesse essa queda no exterior, a medida anunciada pelo BC poderia não ter impactado o dólar."

Ele afirma que a tendência do dólar tem fundamento. "A economia americana cresce mais rápido do que outras economias mundiais, nós temos uma projeção de crescimento muito baixa no Brasil. Então o mais provável é que o dólar se valorize, o que é ruim, porque pode afetar a inflação e deixar o governo numa saia-justa", afirma.

A preocupação é que esse impacto possa fazer o Banco Central repensar a queda de juros na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do BC) deste mês, em que se espera uma queda dos juros para 6,25% ao ano.

Mas Gonçalves, do Banco Fator, descarta essa possibilidade. "Não é o suficiente para que o Banco Central não corte os juros. A economia está ruim, não tem ninguém que mantenha a visão de atividade neste ano por causa deste primeiro trimestre. Há um amplo espaço para que o câmbio varie sem pressionar a inflação", diz.

Os investidores aguardam a divulgação de emprego nos Estados Unidos. Em abril, a expectativa é de criação de 192 mil vagas no país.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade