Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Greve dos caminhoneiros diminui operações no porto de Paranaguá em 27%

Quinta, 24/5/2018 12:10.
Fernando - Frazão/Agência Brasil
As paralisações já causam desabastecimento nos supermercados, em especial nos itens de frutas, legumes e verduras, que são perecíveis e de abastecimento diário

Publicidade

ANA LUIZA ALBUQUERQUE /(FOLHAPRESS)

A movimentação do porto de Paranaguá (PR) caiu em 27% nesta quarta-feira (24), passando de 150 mil toneladas diárias para 110 mil. As informações são da APPA (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina).

Segundo a administração, um dos três berços do corredor responsável pelo escoamento de grãos parou de funcionar após quatro dias de greve dos caminhoneiros. Com isso, o porto registrou uma queda nas exportações de granéis de 85 mil para 60 mil toneladas diárias.

A importação de fertilizantes, por sua vez, foi interrompida nos berços de atracação em que o transporte da carga é feito por caminhões -apenas os berços que operam com esteiras continuam funcionando. A movimentação de fertilizantes caiu de 25 mil para 10 mil toneladas diárias.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Fernando - Frazão/Agência Brasil
As paralisações já causam desabastecimento nos supermercados, em especial nos itens de frutas, legumes e verduras, que são perecíveis e de abastecimento diário
As paralisações já causam desabastecimento nos supermercados, em especial nos itens de frutas, legumes e verduras, que são perecíveis e de abastecimento diário

Greve dos caminhoneiros diminui operações no porto de Paranaguá em 27%

Publicidade

Quinta, 24/5/2018 12:10.

ANA LUIZA ALBUQUERQUE /(FOLHAPRESS)

A movimentação do porto de Paranaguá (PR) caiu em 27% nesta quarta-feira (24), passando de 150 mil toneladas diárias para 110 mil. As informações são da APPA (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina).

Segundo a administração, um dos três berços do corredor responsável pelo escoamento de grãos parou de funcionar após quatro dias de greve dos caminhoneiros. Com isso, o porto registrou uma queda nas exportações de granéis de 85 mil para 60 mil toneladas diárias.

A importação de fertilizantes, por sua vez, foi interrompida nos berços de atracação em que o transporte da carga é feito por caminhões -apenas os berços que operam com esteiras continuam funcionando. A movimentação de fertilizantes caiu de 25 mil para 10 mil toneladas diárias.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade