Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Cenário externo e ação do BC levam a 2º recuo do dólar

Quarta, 23/5/2018 7:25.

Publicidade

ANAÏS FERNANDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar caiu em relação ao real nesta terça-feira (22) pelo segundo dia seguido, em sintonia com o cenário externo e ainda refletindo a intervenção mais firme do Banco Central no câmbio.

O dólar comercial recuou 1,16%, cotado a R$ 3,645. Na mínima do dia chegou a R$ 3,63. O dólar à vista caiu 1,91%, para R$ 3,639.

Em pregão volátil, a Bolsa fechou em alta de 1,13%, a 82.738 pontos. O giro financeiro foi de R$ 14 bilhões.

Lá fora, investidores acompanharam a diminuição da tensão comercial entre Estados Unidos e China.

O dólar se desvalorizou ante 26 das 31 principais divisas do mundo, com destaque para a recuperação de moedas emergentes, como o peso chileno (+1,9%) e o rand sul-africano (+1,22%). O peso argentino ficou praticamente estável, com leve queda de 0,01%.

A única perda significativa nesta cesta de moedas foi a da lira turca, que se desvalorizou 1,51% ante o dólar.

Os mercados acionários dos Estados Unidos fecharam em leve queda. O Dow Jones, principal índice de Nova York, recuou 0,72%, enquanto o S&P 500 perdeu 0,31%. O índice de tecnologia Nasdaq caiu 0,21%.

Na Europa, o tom geral foi de estabilidade.

A Bolsa de Londres ganhou 0,23%, Paris avançou 0,05% e o Dax, da Alemanha, subiu 0,71%.

Internamente, a atuação do BC desde segunda-feira (21), quando ampliou a oferta de novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, também contribuiu para a queda da moeda americana.

"O lado externo está mais tranquilo. Aqui, o mercado está relaxando porque, apesar de ter sinalizado que poderia operar durante o dia a qualquer momento, se necessário, o Banco Central fez o mesmo leilão com o mesmo volume nesta terça", disse Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

O BC vendeu, mais uma vez, a oferta integral de 15 mil novos swaps, totalizando US$ 2,75 bilhões desde a semana passada, quando vendia por dia até 5.000 contratos.

A autoridade também vendeu toda a oferta de até 4.225 swaps tradicionais para rolagem do vencimento de junho, no total de US$ 5,65 bilhões.

Com isso, a moeda americana acumula queda de 2,8% em dois dias, após subir 4,22% na semana passada.

Ainda no front nacional, impactou o anúncio de que o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles será pré-candidato à Presidência pelo MDB.

"É um nome que talvez o mercado sinta que seja acalentador. Isso pode ter ajudado a segurar o dólar, porque a parte política tem pesado muito", disse Galhardo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Cenário externo e ação do BC levam a 2º recuo do dólar

Publicidade

Quarta, 23/5/2018 7:25.

ANAÏS FERNANDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar caiu em relação ao real nesta terça-feira (22) pelo segundo dia seguido, em sintonia com o cenário externo e ainda refletindo a intervenção mais firme do Banco Central no câmbio.

O dólar comercial recuou 1,16%, cotado a R$ 3,645. Na mínima do dia chegou a R$ 3,63. O dólar à vista caiu 1,91%, para R$ 3,639.

Em pregão volátil, a Bolsa fechou em alta de 1,13%, a 82.738 pontos. O giro financeiro foi de R$ 14 bilhões.

Lá fora, investidores acompanharam a diminuição da tensão comercial entre Estados Unidos e China.

O dólar se desvalorizou ante 26 das 31 principais divisas do mundo, com destaque para a recuperação de moedas emergentes, como o peso chileno (+1,9%) e o rand sul-africano (+1,22%). O peso argentino ficou praticamente estável, com leve queda de 0,01%.

A única perda significativa nesta cesta de moedas foi a da lira turca, que se desvalorizou 1,51% ante o dólar.

Os mercados acionários dos Estados Unidos fecharam em leve queda. O Dow Jones, principal índice de Nova York, recuou 0,72%, enquanto o S&P 500 perdeu 0,31%. O índice de tecnologia Nasdaq caiu 0,21%.

Na Europa, o tom geral foi de estabilidade.

A Bolsa de Londres ganhou 0,23%, Paris avançou 0,05% e o Dax, da Alemanha, subiu 0,71%.

Internamente, a atuação do BC desde segunda-feira (21), quando ampliou a oferta de novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, também contribuiu para a queda da moeda americana.

"O lado externo está mais tranquilo. Aqui, o mercado está relaxando porque, apesar de ter sinalizado que poderia operar durante o dia a qualquer momento, se necessário, o Banco Central fez o mesmo leilão com o mesmo volume nesta terça", disse Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

O BC vendeu, mais uma vez, a oferta integral de 15 mil novos swaps, totalizando US$ 2,75 bilhões desde a semana passada, quando vendia por dia até 5.000 contratos.

A autoridade também vendeu toda a oferta de até 4.225 swaps tradicionais para rolagem do vencimento de junho, no total de US$ 5,65 bilhões.

Com isso, a moeda americana acumula queda de 2,8% em dois dias, após subir 4,22% na semana passada.

Ainda no front nacional, impactou o anúncio de que o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles será pré-candidato à Presidência pelo MDB.

"É um nome que talvez o mercado sinta que seja acalentador. Isso pode ter ajudado a segurar o dólar, porque a parte política tem pesado muito", disse Galhardo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade