Jornal Página 3

Bolsa brasileira cai pelo 2º dia com preocupações políticas; dólar recua

Quinta, 11/1/2018 8:04.

(FOLHAPRESS) - A Bolsa brasileira voltou a fechar em território negativo nesta quarta-feira (10), em meio a preocupações com a capacidade do governo de obter apoio para aprovar a reforma da Previdência e apesar de a inflação ter fechado abaixo do piso da meta. O dólar teve queda e acabou cotado a R$ 3,23.

O Ibovespa, índice das ações mais negociadas, fechou com queda de 0,84%, para 78.200 pontos. É o segundo dia de desvalorizações do mercado acionário local, que emendou 11 altas seguidas com impulso do exterior e de perspectivas positivas para a economia brasileira.
O dólar comercial teve queda de 0,52%, para R$ 3,230. O dólar à vista recuou 0,53%, para R$ 3,232.

A novela em torno da posse de Cristiane Brasil como ministra do Trabalho começa a causar preocupação entre os investidores.

A deputada, do PTB, foi nomeada para o cargo, mas teve a posse suspensa após juiz da 4ª Vara Federal de Niterói atender a pedido de três advogados que questionam o fato de a futura ministra ter sido condenada por desrespeitar direitos trabalhistas, tema da pasta.

"A situação da Cristiane Brasil gera uma cautela excessiva do mercado. O PTB foi o primeiro partido a fechar questão sobre a Previdência. O Temer abrir mão da filha do Roberto Jefferson poderia prejudicar a parceria do governo com o PTB pela reforma", afirma Bruno Foresti, gerente de câmbio do banco Ourinvest.

Outra notícia que azedou o humor dos investidores foram rumores de que a China considera diminuir ou mesmo suspender a compra de treasuries americanas, em meio a um mercado menos atrativo para o país e por causa das tensões comerciais entre o gigante asiático e os Estados Unidos.

AÇÕES

Das 64 ações que compõem o Ibovespa, 44 caíram, 17 subiram e três fecharam estáveis.

A maior alta do dia foi registrada pelos papéis da CPFL Energia, com valorização de 4,71%. Os laboratórios Fleury subiram 3,26%, e a Kroton Educacional fechou com ganho de 1,93%.

Entre as maiores baixas, as ações preferenciais da Eletrobras recuaram 4,12%, e as ordinárias tiveram queda de 4,02%. A EcoRodovias perdeu 3,95%, após vencer a licitação do Rodoanel Norte com uma oferta de quase o dobro da outorga mínima.

As ações preferenciais da Petrobras fecharam o dia com queda de 1,35%, para R$ 16,80. Os papéis ordinários caíram 1,88%, para R$ 17,78.

O dia foi de alta do petróleo, à medida que a produção da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) diminui e a demanda é saudável, ajudando a equilibrar o mercado.

As ações ordinárias da Vale recuaram 1,39%, para R$ 42,47.

No setor financeiro, as ações do Itaú Unibanco tiveram baixa de 0,34%. Os papéis preferenciais do Bradesco caíram 1,05%, e os ordinários tiveram baixa de 0,64%. O Banco do Brasil se desvalorizou 0,42%, e as units -conjunto de ações- do Santander Brasil tiveram baixa de 0,19%.

DÓLAR

O dólar perdeu força entre 21 das 31 principais moedas do mundo.

Aqui, o fluxo acabou influenciando a cotação da moeda americana.

O CDS (Credit Default Swap, espécie de seguro contra calote) do Brasil fechou em alta pelo segundo dia. O CDS subiu 0,70%, para 147,4 pontos.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados subiram. O contrato para abril de 2018 teve alta de 6,728% para 6,737%. O contrato para janeiro de 2019 avançou de 6,810% para 6,865%. 


Publicidade


Colunistas
por Augusto Cesar Diegoli
por Enéas Athanázio
por João José Leal
por Fernando Baumann
por Marlise Schneider
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
Política

Iniciativa do vereador Achutti desagradou o governo anterior e o atual 


Cidade

Câmara ficou lotada para conhecer a Big Wheel


Cidade


Cidade

Meta é 100% de cobertura de água e esgoto ainda neste ano 


Opinião

Artigo de opinião


Cultura

Dica de passeio cultural de verão


Cidade

O serviço não tem ônus adicional, é programado e deve ser agendado por telefone