Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Bolsa sobe 2% amparada por ações de Vale e Petrobras; dólar cai a R$ 3,38

Quinta, 19/4/2018 7:16.

Publicidade

DANIELLE BRANT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dia positivo para matérias-primas impulsionou as ações da Petrobras e da Vale nesta quarta-feira (18) e ajudou a Bolsa brasileira a sustentar o segundo pregão seguido de alta. O exterior favorável também contribuiu para o bom humor dos investidores nesta sessão e devolveu o dólar à casa de R$ 3,38.

O Ibovespa, índice das ações mais negociadas, subiu 2,01%, para 85.776 pontos.

O dólar comercial teve queda de 0,79%, para R$ 3,381. O dólar à vista se desvalorizou 0,19%, para R$ 3,386.

A sessão foi favorável a ações de empresas ligadas a commodities, em resposta à valorização do preço de matérias-primas no exterior.

Os papéis da Petrobras subiram mais de 3% nesta quarta, com a forte valorização do petróleo no exterior após uma queda nos estoques dos Estados Unidos e depois de fontes terem apontado que a Arábia Saudita, uma grande exportadora, quer ver os preços do petróleo perto de US$ 100 o barril.

As ações mais negociadas subiram 3,66%, para R$ 21,80. Os papéis com direito a voto avançaram 3,26%, para R$ 24,07.

A mineradora Vale também viu seus papéis ordinários subirem, acompanhando o minério de ferro no exterior. As ações avançaram 3,37%, para R$ 47,48.

O noticiário corporativo também foi destaque nesta sessão. As ações da BRF subiram 9,51%, para R$ 23,04, depois da notícia de que Pedro Parente, presidente da Petrobras, poderia substituir o empresário Abilio Diniz na presidência do conselho de administração da companhia.

Mais cedo, a empresa já tinha recebido uma notícia positiva, após o governo brasileiro liberar que a produção e certificação sanitária de unidades de produção da BRF retomasse exportações de aves do Brasil para a União Europeia.

"O que deu uma puxada mais forte no papel foi a notícia do Parente sendo um possível candidato a assumir o conselho da BRF. Seria um nome de consenso, em meio a um impasse da chapa do Abilio Diniz e de Luiz Fernando Furlan contra fundos de pensão", afirma Rafael Passos, analista da Guide Investimentos.

Para ele, a resposta positiva da ação ocorreu porque Parente tem um bom trânsito no mercado. "Ele vai atrás de resultado, tem um histórico bem positivo. Mas ainda é um prematuro analisar alguma informação. Ele tem a Petrobras para administrar, com um quadro desafiador, uma necessidade de redução de alavancagem financeira e venda de ativos", complementou.

As ações da Usiminas também se beneficiaram da alta do minério de ferro e subiram 8,01%. Outras siderúrgicas também fecharam em alta: a CSN se valorizou 6,21%, a Gerdau avançou 3,21% e a Metalúrgica Gerdau subiu 4,34%.

No setor financeiro, os bancos subiram. As ações do Itaú Unibanco avançaram 1,9%. Os papéis preferenciais do Bradesco tiveram ganho de 3,36%, e os ordinários subiram 2,81%. O Banco do Brasil teve alta de 2,29%, e as units -conjunto de ações- do Santander Brasil se valorizaram 3,35%.

Das 64 ações do Ibovespa, 43 subiram, 20 caíram e uma fechou estável.

Entre as baixas, a EDP Energias do Brasil recuou 2,78%. A Raia Drogasil perdeu 1,69%, e a Cosan recuou 1,55%.

CÂMBIO

No mercado cambial, o dólar perdeu força ante 19 das 31 principais moedas do mundo.

O Banco Central vendeu os 3.400 contratos de swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). Até agora, já rolou US$ 1,360 bilhão dos US$ 2,565 bilhões que vencem em maio.

O CDS (credit default swap, espécie de termômetro de risco-país) teve queda de 0,97%, para 165,7 pontos.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados caíram. O DI para julho deste ano caiu de 6,266% para 6,256%. O DI para janeiro de 2019 teve queda de 6,230% para 6,215%.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Bolsa sobe 2% amparada por ações de Vale e Petrobras; dólar cai a R$ 3,38

Publicidade

Quinta, 19/4/2018 7:16.

DANIELLE BRANT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dia positivo para matérias-primas impulsionou as ações da Petrobras e da Vale nesta quarta-feira (18) e ajudou a Bolsa brasileira a sustentar o segundo pregão seguido de alta. O exterior favorável também contribuiu para o bom humor dos investidores nesta sessão e devolveu o dólar à casa de R$ 3,38.

O Ibovespa, índice das ações mais negociadas, subiu 2,01%, para 85.776 pontos.

O dólar comercial teve queda de 0,79%, para R$ 3,381. O dólar à vista se desvalorizou 0,19%, para R$ 3,386.

A sessão foi favorável a ações de empresas ligadas a commodities, em resposta à valorização do preço de matérias-primas no exterior.

Os papéis da Petrobras subiram mais de 3% nesta quarta, com a forte valorização do petróleo no exterior após uma queda nos estoques dos Estados Unidos e depois de fontes terem apontado que a Arábia Saudita, uma grande exportadora, quer ver os preços do petróleo perto de US$ 100 o barril.

As ações mais negociadas subiram 3,66%, para R$ 21,80. Os papéis com direito a voto avançaram 3,26%, para R$ 24,07.

A mineradora Vale também viu seus papéis ordinários subirem, acompanhando o minério de ferro no exterior. As ações avançaram 3,37%, para R$ 47,48.

O noticiário corporativo também foi destaque nesta sessão. As ações da BRF subiram 9,51%, para R$ 23,04, depois da notícia de que Pedro Parente, presidente da Petrobras, poderia substituir o empresário Abilio Diniz na presidência do conselho de administração da companhia.

Mais cedo, a empresa já tinha recebido uma notícia positiva, após o governo brasileiro liberar que a produção e certificação sanitária de unidades de produção da BRF retomasse exportações de aves do Brasil para a União Europeia.

"O que deu uma puxada mais forte no papel foi a notícia do Parente sendo um possível candidato a assumir o conselho da BRF. Seria um nome de consenso, em meio a um impasse da chapa do Abilio Diniz e de Luiz Fernando Furlan contra fundos de pensão", afirma Rafael Passos, analista da Guide Investimentos.

Para ele, a resposta positiva da ação ocorreu porque Parente tem um bom trânsito no mercado. "Ele vai atrás de resultado, tem um histórico bem positivo. Mas ainda é um prematuro analisar alguma informação. Ele tem a Petrobras para administrar, com um quadro desafiador, uma necessidade de redução de alavancagem financeira e venda de ativos", complementou.

As ações da Usiminas também se beneficiaram da alta do minério de ferro e subiram 8,01%. Outras siderúrgicas também fecharam em alta: a CSN se valorizou 6,21%, a Gerdau avançou 3,21% e a Metalúrgica Gerdau subiu 4,34%.

No setor financeiro, os bancos subiram. As ações do Itaú Unibanco avançaram 1,9%. Os papéis preferenciais do Bradesco tiveram ganho de 3,36%, e os ordinários subiram 2,81%. O Banco do Brasil teve alta de 2,29%, e as units -conjunto de ações- do Santander Brasil se valorizaram 3,35%.

Das 64 ações do Ibovespa, 43 subiram, 20 caíram e uma fechou estável.

Entre as baixas, a EDP Energias do Brasil recuou 2,78%. A Raia Drogasil perdeu 1,69%, e a Cosan recuou 1,55%.

CÂMBIO

No mercado cambial, o dólar perdeu força ante 19 das 31 principais moedas do mundo.

O Banco Central vendeu os 3.400 contratos de swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). Até agora, já rolou US$ 1,360 bilhão dos US$ 2,565 bilhões que vencem em maio.

O CDS (credit default swap, espécie de termômetro de risco-país) teve queda de 0,97%, para 165,7 pontos.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados caíram. O DI para julho deste ano caiu de 6,266% para 6,256%. O DI para janeiro de 2019 teve queda de 6,230% para 6,215%.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade