Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Bolsa segue otimismo externo e sobe; dólar volta a ficar abaixo de R$ 3,10

Quinta, 2/3/2017 6:18.

EULINA OLIVEIRA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O otimismo dominou os mercados globais nesta quarta-feira (1º), após discurso do presidente americano Donald Trump ao Congresso, realizado na véspera.

Em tom mais moderado, Trump reiterou que pretende impulsionar a economia dos Estados Unidos com um alívio fiscal "maciço" para a classe média. Ele pediu ainda aos congressistas que aprovem uma legislação que permita investimentos de US$ 1 trilhão em infraestrutura, financiados tanto por recursos públicos quanto por privados, "criando milhões de novos empregos".

O bom humor dos investidores com o discurso de Trump fez os índices acionários americanos fecharem em forte alta. O índice Dow Jones superou os 21 mil pontos pela primeira vez na história.

O Dow Jones terminou o pregão com valorização de 1,46%, aos 21.115,55 pontos. O índice S&P 500 ganhou 1,36%, aos 2.395,82 pontos, e o índice de tecnologia Nasdaq, +1,35%, com 5.904 pontos.

As Bolsas europeias também encerraram a sessão com ganhos de aproximadamente 2%, com as expectativas de que um maior crescimento econômico americano impulsione o restante do mundo.

Em uma sessão de poucos negócios por causa da volta do feriado de Carnaval, o Ibovespa seguiu o cenário externo e fechou em alta de 0,49%, aos 66.988,88 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,2 bilhões.

O índice foi impulsionado principalmente pelas ações da Petrobras, que ganharam 2,23% (PN) e 2,94% (ON). Os papéis da Vale subiram 1,14% (PNA) e 1,37% (ON).

O setor financeiro teve desempenho misto: Itaú Unibanco PN caiu 0,14%; Bradesco PN, -0,89%; Bradesco ON, -2,23%; Banco do Brasil ON, +1,51%; e Santander unit, +0,40%.

Para o analista Vitor Suzaki, da Lerosa Investimentos, os ganhos do Ibovespa foram limitados pelas preocupações com o cenário político. O empreiteiro Marcelo Odebrecht deporia nesta quarta-feira, em Curitiba, como testemunha na ação de cassação da chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014.

"A percepção de que a aprovação da reforma da Previdência no Congresso não será tão fácil como se esperava também inibe os negócios", afirma Suzaki.

CÂMBIO E JUROS

O dólar subiu frente à maior parte das moedas, com as apostas de altas dos juros americanos em março depois do discurso de Trump.

Contribuíram para o movimento declarações de dirigentes do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) sinalizando o aumento dos juros neste mês.

Porém, a moeda americana acabou cedendo ante o real e voltou a ficar abaixo de R$ 3,10.

O dólar comercial recuou 0,61%, a R$ 3,0950; o dólar à vista, que encerra a sessão mais cedo, fechou em leve alta de 0,06%, a R$ 3,0973.
Durval Correa, diretor da mesa de câmbio da corretora MultiMoney, avalia que a cotação da moeda americana foi influenciada pela baixa liquidez e por uma forte pressão vendedora nesta sessão.

O dólar subiu mais de 1% na sexta-feira, na véspera de feriado de carnaval, e agora devolveu parte desses ganhos.

No mercado de juros futuros, as taxas recuaram, reagindo à perspectiva de queda maior da taxa básica de juros (Selic) e da inflação ao final deste ano.

Conforme o Boletim Focus, do Banco Central, a perspectiva de economistas para a Selic no fim de 2017 foi reduzida de 9,5% para 9,25%.

A projeção de inflação também caiu. Os profissionais consultados pelo BC esperam agora uma alta do IPCA de 4,36% este ano, 0,07 ponto percentual a menos do que no levantamento anterior.

No mercado de juros futuros, investidores buscam proteção contra flutuações dos juros negociando contratos para diferentes vencimentos na BM&FBovespa.

Os investidores aguardam a divulgação, nesta quinta-feira (2), da ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC, que reduziu a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, para 12,25% ao ano. 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,0970 / R$ 3,0976 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,093 / R$ 3,095 *
Turismo - R$ 3,050 / R$ 3,260

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -0,61%

OURO BM&F
R$ 124,2

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,49%
Pontos: 66.988
Volume financeiro: R$ 6,174 bilhões
Maiores altas: Qualicorp ON (5,02%), Ecorodovias ON (4,79%), Weg ON (3,65%)
Maiores baixas: Suzano PNA (-2,90%), Cosan ON (-2,26%), Bradesco ON (-2,24%)

Dow Jones (Nova York): 1,46%
Nasdaq (Nova York): 1,35%
CAC 40 (Paris): 2,10%
Dax 30 (Frankfurt): 1,97%
Financial 100 (Londres): 1,64%
Nikkei 225 (Tóquio): 1,44%
Hang Seng (Hong Kong): 0,15%
Shanghai Composite (Xangai): 0,16%
Merval (Buenos Aires): 1,26%
IPC (México): 1,27%

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296
21/2 = 0,6271
22/2 = 0,6614
23/2 = 0,6940
24/2 = 0,7062
25/2 = 0,6685
26/2 = 0,6697
27/2 = 0,6279
28/2 = 0,5898
1º/3 = 0,5304
2/3 = 0,5393
3/3 = 0,5403
4/3 = 0,5330
5/3 = 0,5330
6/3 = 0,5256
7/3 = 0,5408
8/3 = 0,5062
9/3 = 0,5385

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296
21/2 = 0,6271
22/2 = 0,6614
23/2 = 0,6940
24/2 = 0,7062
25/2 = 0,6685
26/2 = 0,6697
27/2 = 0,6279
28/2 = 0,5898
1º/3 = 0,5304
2/3 = 0,5393
3/3 = 0,5403
4/3 = 0,5330
5/3 = 0,5330
6/3 = 0,5256
7/3 = 0,5408
8/3 = 0,5062
9/3 = 0,5385

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%
Janeiro 2017: 0,38%

INPC/IBGE
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%
Janeiro 2017: 0,42%

IPC/Fipe
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%
Janeiro 2017: 0,32%

IGP-M/FGV
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%
Fevereiro 2017: 0,08%

IGP-DI/FGV
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%
Janeiro 2017: 0,43%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2017
Até R$ 859,88: R$ 44,09
de R$ 859,89 a R$ 1.292,43: R$ 31,07

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Bolsa segue otimismo externo e sobe; dólar volta a ficar abaixo de R$ 3,10

Quinta, 2/3/2017 6:18.

EULINA OLIVEIRA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O otimismo dominou os mercados globais nesta quarta-feira (1º), após discurso do presidente americano Donald Trump ao Congresso, realizado na véspera.

Em tom mais moderado, Trump reiterou que pretende impulsionar a economia dos Estados Unidos com um alívio fiscal "maciço" para a classe média. Ele pediu ainda aos congressistas que aprovem uma legislação que permita investimentos de US$ 1 trilhão em infraestrutura, financiados tanto por recursos públicos quanto por privados, "criando milhões de novos empregos".

O bom humor dos investidores com o discurso de Trump fez os índices acionários americanos fecharem em forte alta. O índice Dow Jones superou os 21 mil pontos pela primeira vez na história.

O Dow Jones terminou o pregão com valorização de 1,46%, aos 21.115,55 pontos. O índice S&P 500 ganhou 1,36%, aos 2.395,82 pontos, e o índice de tecnologia Nasdaq, +1,35%, com 5.904 pontos.

As Bolsas europeias também encerraram a sessão com ganhos de aproximadamente 2%, com as expectativas de que um maior crescimento econômico americano impulsione o restante do mundo.

Em uma sessão de poucos negócios por causa da volta do feriado de Carnaval, o Ibovespa seguiu o cenário externo e fechou em alta de 0,49%, aos 66.988,88 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,2 bilhões.

O índice foi impulsionado principalmente pelas ações da Petrobras, que ganharam 2,23% (PN) e 2,94% (ON). Os papéis da Vale subiram 1,14% (PNA) e 1,37% (ON).

O setor financeiro teve desempenho misto: Itaú Unibanco PN caiu 0,14%; Bradesco PN, -0,89%; Bradesco ON, -2,23%; Banco do Brasil ON, +1,51%; e Santander unit, +0,40%.

Para o analista Vitor Suzaki, da Lerosa Investimentos, os ganhos do Ibovespa foram limitados pelas preocupações com o cenário político. O empreiteiro Marcelo Odebrecht deporia nesta quarta-feira, em Curitiba, como testemunha na ação de cassação da chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014.

"A percepção de que a aprovação da reforma da Previdência no Congresso não será tão fácil como se esperava também inibe os negócios", afirma Suzaki.

CÂMBIO E JUROS

O dólar subiu frente à maior parte das moedas, com as apostas de altas dos juros americanos em março depois do discurso de Trump.

Contribuíram para o movimento declarações de dirigentes do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) sinalizando o aumento dos juros neste mês.

Porém, a moeda americana acabou cedendo ante o real e voltou a ficar abaixo de R$ 3,10.

O dólar comercial recuou 0,61%, a R$ 3,0950; o dólar à vista, que encerra a sessão mais cedo, fechou em leve alta de 0,06%, a R$ 3,0973.
Durval Correa, diretor da mesa de câmbio da corretora MultiMoney, avalia que a cotação da moeda americana foi influenciada pela baixa liquidez e por uma forte pressão vendedora nesta sessão.

O dólar subiu mais de 1% na sexta-feira, na véspera de feriado de carnaval, e agora devolveu parte desses ganhos.

No mercado de juros futuros, as taxas recuaram, reagindo à perspectiva de queda maior da taxa básica de juros (Selic) e da inflação ao final deste ano.

Conforme o Boletim Focus, do Banco Central, a perspectiva de economistas para a Selic no fim de 2017 foi reduzida de 9,5% para 9,25%.

A projeção de inflação também caiu. Os profissionais consultados pelo BC esperam agora uma alta do IPCA de 4,36% este ano, 0,07 ponto percentual a menos do que no levantamento anterior.

No mercado de juros futuros, investidores buscam proteção contra flutuações dos juros negociando contratos para diferentes vencimentos na BM&FBovespa.

Os investidores aguardam a divulgação, nesta quinta-feira (2), da ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC, que reduziu a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, para 12,25% ao ano. 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,0970 / R$ 3,0976 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,093 / R$ 3,095 *
Turismo - R$ 3,050 / R$ 3,260

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -0,61%

OURO BM&F
R$ 124,2

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,49%
Pontos: 66.988
Volume financeiro: R$ 6,174 bilhões
Maiores altas: Qualicorp ON (5,02%), Ecorodovias ON (4,79%), Weg ON (3,65%)
Maiores baixas: Suzano PNA (-2,90%), Cosan ON (-2,26%), Bradesco ON (-2,24%)

Dow Jones (Nova York): 1,46%
Nasdaq (Nova York): 1,35%
CAC 40 (Paris): 2,10%
Dax 30 (Frankfurt): 1,97%
Financial 100 (Londres): 1,64%
Nikkei 225 (Tóquio): 1,44%
Hang Seng (Hong Kong): 0,15%
Shanghai Composite (Xangai): 0,16%
Merval (Buenos Aires): 1,26%
IPC (México): 1,27%

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296
21/2 = 0,6271
22/2 = 0,6614
23/2 = 0,6940
24/2 = 0,7062
25/2 = 0,6685
26/2 = 0,6697
27/2 = 0,6279
28/2 = 0,5898
1º/3 = 0,5304
2/3 = 0,5393
3/3 = 0,5403
4/3 = 0,5330
5/3 = 0,5330
6/3 = 0,5256
7/3 = 0,5408
8/3 = 0,5062
9/3 = 0,5385

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296
21/2 = 0,6271
22/2 = 0,6614
23/2 = 0,6940
24/2 = 0,7062
25/2 = 0,6685
26/2 = 0,6697
27/2 = 0,6279
28/2 = 0,5898
1º/3 = 0,5304
2/3 = 0,5393
3/3 = 0,5403
4/3 = 0,5330
5/3 = 0,5330
6/3 = 0,5256
7/3 = 0,5408
8/3 = 0,5062
9/3 = 0,5385

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%
Janeiro 2017: 0,38%

INPC/IBGE
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%
Janeiro 2017: 0,42%

IPC/Fipe
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%
Janeiro 2017: 0,32%

IGP-M/FGV
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%
Fevereiro 2017: 0,08%

IGP-DI/FGV
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%
Janeiro 2017: 0,43%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2017
Até R$ 859,88: R$ 44,09
de R$ 859,89 a R$ 1.292,43: R$ 31,07

Publicidade

Publicidade